Filmes: Festival Mix Brasil, foto 1

25º Festival Mix Brasil: conheça os vencedores dos curtas e longas

De em novembro 23, 2017

Filmes: Festival Mix Brasil, foto 1

João Federici e André Fischer com todos os vencedores da 25ª edição do Mix Brasil

As atrações do 25º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade continuam até domingo, mas ontem no Centro Cultural São Paulo os diretores João Federici e André Fischer  lideraram a festa de entrega dos troféus Coelho de Ouro e Coelho de Prata aos melhores curtas e longas-metragens brasileiros do festival. Além dos escolhidos pelas duas comissões julgadoras, o público também votou e indicou os melhores filmes. O longa-metragem Guigo offline, de René Guerra, e o curta-metragem Afronte, de Bruno Victor e Marcus Azevedo, ganharam Coelho de Ouro. Os escolhidos pelo público foram o longa Luana Muniz-  filha da Lua, de Rian Córdova e Leonardo Menezes e o curta Estamos todos aqui, de Chico Santos e Rafael Mellim.

Filmes: Festival Mix Brasil, foto 2

João e André apresentaram a festa de premiação

O festival ainda distribui prêmios especiais. O cineasta Gus Van Sant pelo conjunto de sua obra foi agraciado como o prêmio Ícone Mix. O Prêmio Canal Brasil ficou para o curta-metragem Dandara, de Flávia Ayer e Fred Bottrel; já o prêmio Aquisição SESCTV foi para Vaca Profana, de René Guerra. O Prêmio Susy Capó ficou para o grupo Teatro Kunyn e a peça Desmesura. Este ano foi criado o Prêmio Mix HIV e o primeiro ganhador foi o longa Meu nome é Jacque, de Angela Zoé. Já o Prêmio Ida Feldmam ficou para a atriz Maria Clara Spinelli e o Prêmio Show do Gongo foi para o vídeo Confessions de Rafael Saparelli.

Filme: Festival Mix Brasil, foto 3

Guigo Offline: venceu Coelho de Ouro de melhor longa brasileiro

O júri da competitiva Brasil (médias e longas), composto por Gilson Pacher, Pavel Almanzar e Vera Egito, além dos premiados, agraciou dois filmes com  menção honrosa: Meu nome é Jacque e Serguei, o último psicodélico, de Ching Lee e Zahy Tata. A comissão julgadora dos curtas nacionais, composta por Magali Simard, Maria Abdalla e Thiago Carvalhaes, também premiou com menção honrosa o filme Estamos todos aqui.

 

 

Filme: Festival Mix Brasil, foto 4

Afronte: Coelho de Ouro de melhor curta nacional

Além de estarem comemorando o jubileu de prata do Mix Brasil, os diretores João e André fizeram questão de agradecer a parceria com [SSEX BBOX], que pela terceira vez estão realizando a Conferência Internacional, com convidados brasileiros e do exterior, e que já se tornou um dos principais fóruns nacionais sobre a identidade de gênero e a sexualidade LGBTQIA+. Neste ano os organizadores instituíram prêmio e os homenageados foram João Neri e Lan Matos.

Filme: Festival Mix Brasil, foto 5

Estamos todos aqui: escolhido pelo público melhor curta nacional

Para encerrar, os diretores do festival convidaram os vencedores e todos os presentes a uma pequena festa para brindarem a conquista de mais uma edição bem-sucedida do Mix Brasil. Antes fizeram questão de exibir a campanha deste ano, que teve como tema Somos iguais, mesmo diferentes, que celebra a riqueza da diversidade e reafirma a igualdade de direitos como valor fundamental.

 

 

Filme: Festival Mix Brasil, foto 6

Luana Muniz – filha da Lua: melhor longa nacional pelo público

 

Acompanhe a seguir todos os vencedores deste ano:

Coelho de Ouro / Prêmio do Júri:
Melhor longa-metragem brasileiro: Guigo off line, de René Guerra
Melhor curta-metragem brasileiro: Afronte, de Bruno Victor e Marcus Azevedo

Coelho de Prata / Prêmio do Júri para curtas-metragens:
Direção: Andréia Pires e Leonardo Mouramateus, por Vando Vulgo Vedita
Roteiro: Paulo Roberto, por Stanley
Interpretação: Gilda Nomacce, por Minha única terra é na Lua
Menção Honrosa: Estamos todos aqui, de Chico Santos e Rafael Mellim

Coelho de Prata / Prêmio do Júri para Médias e Longas-metragens:
Direção: Carolina Jabor, por Aos teus olhos
Roteiro: Esmir Filho e Mariana Bastos, por Alguma coisa assim
Interpretação: Caroline Abras, por Alguma coisa assim
Menções Honrosas: Meu nome é Jacque de Angela Zoé e Serguei, o último psicodélico, de Ching Lee e Zahy Tata Pur’gte

Prêmio do Público:
Melhor curta-metragem nacional: Estamos todos aqui, de Chico Santos e Rafael Mellim
Melhor curta-metragem internacional: Mario, Kike e David, de Miguel Lafuente
Melhor longa-metragem nacional: Luana Muniz – filha da Lua, de Rian Córdova e Leonardo Menezes
Melhor longa-metragem internacional: Close-knit, de Naoko Ogigami

Filme: Festival Mix Brasil, foto 7

Dandara: Prêmio Canal Brasil

Prêmios especiais
Prêmio Ícone Mix: Gus Van Sant
Prêmio Suzy Capó: a peça Desmesura, do Grupo Teatro Kunyn
Prêmio Mix HIV: Meu nome é Jacque, de Angela Zoé
Prêmio Canal Brasil – curta: Dandara, de Flávia Ayer e Fred Bottrel
Prêmio Aquisição SescTV: Vaca Profana, de René Guerra
Prêmio Show do Gongo: Confessions, de Rafael Saparelli
Prêmio Ida Feldman: Maria Clara Spinelli

Roteiro:

25° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade. Até 26 de novembro de 2017. Programação completa: www.mixbrasil.org.br

 

Fotos: divulgação


2 Comentários

Zedu Lima

novembro 23, 2017 @ 17:38

Resposta

Não vi nenhum dos filmes premiados, e nem poderia ser diferente, pois só assisti a dois filmes: “Aos teus olhos” e “God’s Owun Country”. Espero que, pelo menos os nacionais, entrem em cartaz.
Parabéns pela cobertura.

Maurício Mellone

novembro 24, 2017 @ 10:09

Resposta

Zedu,
Hoje no CCSP (17h30) irá passar ‘Alguma coisa assim’ q a Carolina Abras
venceu o troféu de interpretação do júri. No domingo (CCSP 15h)
‘Guido offline’ melhor longa nacional (júri) tb será exibido, Duas
chances de vc conferir uns dos premiados.
Obrigado pelo incentivo e pelos elogios!
Bjs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento