Mostra: 32ª Bienal, foto 1

32ª Bienal – Incerteza Viva: participação de 81 artistas de 33 países

De em outubro 17, 2016

Mostra: 32ª Bienal, foto 1

Da série 12 Energy Diagrams/12 diagramas de energia, de Kathy Barry/Nova Zelândia

Até 11 de dezembro acontece a 32ª Bienal de São Paulo- Incerteza Viva, no Pavilhão Ciccillo Matarazzo, no Parque do Ibirapuera. Com curadoria de Jochen Volz e com a colaboração de sua equipe de curadores (Gabi Ngcobo/África do Sul, Júlia Rebouças/Brasil, Lars Bang Larsen/Dinamarca e Sofía Olascoaga/México), a mostra conta com a participação de 81 artistas e coletivos, de 33 países. De acordo com o curador, a intenção desta vez é discutir as condições atuais de vida no planeta, em constante mudança, e as possibilidades oferecidas pela arte contemporânea para abrigar e habitar incertezas.

“Estamos buscando compreender diversidades, olhar para o desconhecido e interrogar aquilo que tomamos como conhecido. Entendemos os diferentes saberes do nosso mundo como complementares e não como excludentes”, afirma Jochen Volz.

 

Mostra: 32ª Bienal, foto 2

Ágora: Oca Tapera Terreiro, de Bené-Fonteles, Pará/BR

 

Nos quatro pisos do Pavilhão da Bienal, o público encontra obras dos mais variados suportes, como telas, esculturas, instalações, vídeos, muitas delas com alto grau de interatividade, como a instalação de barro En forma de nosotros /Na forma de nós mesmos, da peruana Rita Ponce de Léon, em que a pessoa pode entrar e percorrer toda a obra (as crianças fazem a festa!).
Outra obra que chama muita a atenção é Dois pesos, duas medidas, da mineira Lais Myrrha: são duas torres imensas colocadas lado a lado, uma construída com materiais usados pelos indígenas e a outra com material das edificações contemporâneas. Sound Mirror/Espelho de som, do argentino Eduardo Navarro, também é um dos destaques: o visitante deve se sentar e colocar o ouvido num cano que sai até uma palmeira que fica no parque do Ibirapuera.

Mostra: 32ª Bienal, foto 3

Instalação Turba, Turbo, de Iza Tarasewicz/Polônia

O curador da Bienal explica o conceito da mostra dizendo que a noção de incerteza faz parte de várias disciplinas (da matemática à astronomia, além da linguística, sociologia, biologia, antropologia e história) e com a arte não seria diferente: “A arte se alimenta da incerteza, do improviso, da especulação e ao mesmo tempo tenta contar o incontável ou mensurar o imensurável”, argumenta, para em seguida perguntar: “Não seria o caso de fazer com que os vários modos de pensar e de fazer arte pudessem ser aplicados a outros campos da vida pública? Aprender a viver com a incerteza pode nos ensinar soluções. Compreender o sentido da Incerteza Viva é manter-se consciente de que vivemos imersos em um ambiente por ela regido. A arte promove a troca ativa entre pessoas, reconhecendo incertezas como sistemas generativos direcionadores e construtivos”, conclui Jochen Volz.
A mostra tem ingressos gratuitos, com horários bem elásticos: das 9 h às 19 h, sendo que quintas e sábados o horário se estende até 22 h. Em cartaz até 11 de dezembro. Não perca!

Mostra: 32ª Bienal, foto 4

Cartaz da mostra criado pela equipe de comunicação

 

 

 

Roteiro:
32ª Bienal de São Paulo- Incerteza Viva
– participação de 33 países, 81 artistas. Pavilhão da Bienal, Pq do Ibirapuera, portão 3. Horários: terça, quarta, sexta, domingo e feriado das 9h às 19h; quinta e sábado das 9h às 22h (fechada segunda). Entrada franca. Temporada: até 11 de dezembro.

 

 

 

 

 

Fotos: divulgação

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
26º Festival Mix Brasil da Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: