Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 1

A Catástrofe do Sucesso: peça reúne três textos de Tennessee Williams

De em março 12, 2019

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 1

Camila dos Anjos e Iuri Saraiva vivem os personagens das peças e dão voz ao dramaturgo

Resultado de cinco meses de residência no Instituto Cultural Capobianco, o espetáculo A Catástrofe do Sucesso, que acaba de estrear, reúne duas peças curtas — Mister Paradise e Fala comigo como a chuva e me deixa escutar — e um artigo, homônimo ao título da peça, do dramaturgo norte-americano Tennessee Williams.

A exemplo do que fizeram em 2014 com Propriedades Condenadas — reunião de duas peças do mesmo autor — a atriz Camila dos Anjos e o diretor Marco Antônio Pâmio novamente se debruçaram sobre a obra de Williams para compor este espetáculo. Desta vez, com Iuri Saraiva dividindo a cena com a atriz, as duas peças são entrecortadas com o artigo do dramaturgo em que ele discute a fama e questiona o papel do sucesso na vida do artista.

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 2

Mister Paradise: aluna se apaixona por poemas de escritor veterano

 

No aconchegante espaço para 75 pessoas os dois atores iniciam o espetáculo com o texto não-dramático A Catástrofe do Sucesso, que o autor escreveu em 1947 e relata seu desassossego diante do êxito que a peça À Margem da Vida lhe trouxe; do anonimato para a fama, ao invés de benefícios, provocou uma crise pessoal de criação. O texto, que traz um depoimento incisivo sobre a relação do artista e a fama e questiona o tipo de sucesso que interessa à criação, é intercalado entre as duas peças e fecha o espetáculo.

 

Com movimentação sutil, mudança de alguns elementos cênicos e troca de figurino, Camila e Iuri saem da pele do dramaturgo para incorporar os personagens das peças. Primeiramente em Mister Paradise, uma universitária se apaixona pelo único livro de poesia de Anthony Paradise e resolve visitá-lo já que ele não responde suas cartas. Deste inusitado encontro entre o escritor e a leitora, há um embate entre eles, desde diferença de idade até visões e entendimentos distintos da vida e da arte. Já em Fala comigo como a chuva e me deixa escutar o conflito está restrito à relação de um casal em crise: ele tenta recompor o que viveu na noite anterior e sugere uma reaproximação; no entanto, a mulher, sentindo-se só, projeta um futuro imaginário, em que viverá num hotel à beira mar, com outra identidade, até o final de seus dias.

 

Mesmo tendo escrito as peças e o texto entre os anos 1930 e 1950 (portanto muito antes do computador e da internet), Tennessee Williams parece retratar a realidade atual, os conflitos e dilemas da vida contemporânea, ou seja, solidão, abandono, traição, falta de reconhecimento do talento, a relação entre fama e sucesso, além de seu olhar para velhice e a morte.

 

 

“As duas peças são alinhavadas pelo artigo. Nosso maior desafio foi o de criar um fio narrativo mínimo para fazer com que os três textos dialogassem entre si. O discurso dos textos, ainda que escritos entre as décadas de 1930 e 1950, são altamente contemporâneos e pertinentes ao que vivemos hoje no Brasil. Tennessee Williams, um dos maiores autores que o ocidente já conheceu, ainda tem tanto a nos dizer, de maneira tão visceral e contundente”, argumenta Marco Antônio Pâmio.

 

 

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 3

Fala comigo como a chuva e me deixa escutar: casal em crise

 

 

 

Sem dúvida, A Catástrofe do Sucesso encanta e envolve o espectador graças à dramaturgia, realçada pelo tratamento dado pela direção: os textos estão bem entrelaçados e os temas propostos por Williams dialogam de forma coerente. Os demais elementos — cenário de Cesar Rezende (destaque para as cordas manipuladas pelos atores que se transformam em portas, janelas e objetos), a iluminação de Wagner Antonio, a trilha de Gregory Slivar e o figurino de Marco Aurélio Nunes (que também assina a direção de movimento) — só evidenciam a narrativa e a proposta cênica. No entanto, o grande destaque do espetáculo fica para a atuação de Camila dos Anjos e Iuri Saraiva: ambos têm seus momentos marcantes (ele na pele do veterano poeta e ela como a mulher que projeta um futuro mais poético que o presente), mas o que sobressai é a sintonia e o entrosamento em cena entre eles. Espetáculo emocionante e de grande empatia.

 

 

 

 

 

 

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 4

Diretor Marco Antônio Pâmio

 

 

Roteiro:
A Catástrofe do Sucesso
. Textos: Tennessee Williams. Tradução: Camila dos Anjos e Clara Carvalho Direção: Marco Antônio Pâmio. Idealização: Camila dos Anjos. Elenco: Camila dos Anjos e Iuri Saraiva. Assistente de direção: Gonzaga Pedrosa. Cenário: Cesar Rezende. Figurino e direção de movimento: Marco Aurélio Nunes. Iluminação: Wagner Antônio. Trilha sonora: Gregory Slivar. Fotografia: Bob Sousa. Direção de produção: Selene Marinho e Camila dos Anjos.
Serviço:
Instituto Cultural Capobianco (75 lugares), Rua Álvaro de Carvalho, 97, tel.11 3237-1187. Horários: sexta e sábado às 20h e domingo às 18h. Ingressos: R$ R$ 30 e R$ 15. Duração: 60 min. Classificação: 14anos. Temporada: até 28 de abril.

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Tório 2

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: