Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 1

A Catástrofe do Sucesso: peça reúne três textos de Tennessee Williams

De em março 12, 2019

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 1

Camila dos Anjos e Iuri Saraiva vivem os personagens das peças e dão voz ao dramaturgo

Resultado de cinco meses de residência no Instituto Cultural Capobianco, o espetáculo A Catástrofe do Sucesso, que acaba de estrear, reúne duas peças curtas — Mister Paradise e Fala comigo como a chuva e me deixa escutar — e um artigo, homônimo ao título da peça, do dramaturgo norte-americano Tennessee Williams.

A exemplo do que fizeram em 2014 com Propriedades Condenadas — reunião de duas peças do mesmo autor — a atriz Camila dos Anjos e o diretor Marco Antônio Pâmio novamente se debruçaram sobre a obra de Williams para compor este espetáculo. Desta vez, com Iuri Saraiva dividindo a cena com a atriz, as duas peças são entrecortadas com o artigo do dramaturgo em que ele discute a fama e questiona o papel do sucesso na vida do artista.

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 2

Mister Paradise: aluna se apaixona por poemas de escritor veterano

 

No aconchegante espaço para 75 pessoas os dois atores iniciam o espetáculo com o texto não-dramático A Catástrofe do Sucesso, que o autor escreveu em 1947 e relata seu desassossego diante do êxito que a peça À Margem da Vida lhe trouxe; do anonimato para a fama, ao invés de benefícios, provocou uma crise pessoal de criação. O texto, que traz um depoimento incisivo sobre a relação do artista e a fama e questiona o tipo de sucesso que interessa à criação, é intercalado entre as duas peças e fecha o espetáculo.

 

Com movimentação sutil, mudança de alguns elementos cênicos e troca de figurino, Camila e Iuri saem da pele do dramaturgo para incorporar os personagens das peças. Primeiramente em Mister Paradise, uma universitária se apaixona pelo único livro de poesia de Anthony Paradise e resolve visitá-lo já que ele não responde suas cartas. Deste inusitado encontro entre o escritor e a leitora, há um embate entre eles, desde diferença de idade até visões e entendimentos distintos da vida e da arte. Já em Fala comigo como a chuva e me deixa escutar o conflito está restrito à relação de um casal em crise: ele tenta recompor o que viveu na noite anterior e sugere uma reaproximação; no entanto, a mulher, sentindo-se só, projeta um futuro imaginário, em que viverá num hotel à beira mar, com outra identidade, até o final de seus dias.

 

Mesmo tendo escrito as peças e o texto entre os anos 1930 e 1950 (portanto muito antes do computador e da internet), Tennessee Williams parece retratar a realidade atual, os conflitos e dilemas da vida contemporânea, ou seja, solidão, abandono, traição, falta de reconhecimento do talento, a relação entre fama e sucesso, além de seu olhar para velhice e a morte.

 

 

“As duas peças são alinhavadas pelo artigo. Nosso maior desafio foi o de criar um fio narrativo mínimo para fazer com que os três textos dialogassem entre si. O discurso dos textos, ainda que escritos entre as décadas de 1930 e 1950, são altamente contemporâneos e pertinentes ao que vivemos hoje no Brasil. Tennessee Williams, um dos maiores autores que o ocidente já conheceu, ainda tem tanto a nos dizer, de maneira tão visceral e contundente”, argumenta Marco Antônio Pâmio.

 

 

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 3

Fala comigo como a chuva e me deixa escutar: casal em crise

 

 

 

Sem dúvida, A Catástrofe do Sucesso encanta e envolve o espectador graças à dramaturgia, realçada pelo tratamento dado pela direção: os textos estão bem entrelaçados e os temas propostos por Williams dialogam de forma coerente. Os demais elementos — cenário de Cesar Rezende (destaque para as cordas manipuladas pelos atores que se transformam em portas, janelas e objetos), a iluminação de Wagner Antonio, a trilha de Gregory Slivar e o figurino de Marco Aurélio Nunes (que também assina a direção de movimento) — só evidenciam a narrativa e a proposta cênica. No entanto, o grande destaque do espetáculo fica para a atuação de Camila dos Anjos e Iuri Saraiva: ambos têm seus momentos marcantes (ele na pele do veterano poeta e ela como a mulher que projeta um futuro mais poético que o presente), mas o que sobressai é a sintonia e o entrosamento em cena entre eles. Espetáculo emocionante e de grande empatia.

 

 

 

 

 

 

Peça: A Catástrofe do Sucesso, foto 4

Diretor Marco Antônio Pâmio

 

 

Roteiro:
A Catástrofe do Sucesso
. Textos: Tennessee Williams. Tradução: Camila dos Anjos e Clara Carvalho Direção: Marco Antônio Pâmio. Idealização: Camila dos Anjos. Elenco: Camila dos Anjos e Iuri Saraiva. Assistente de direção: Gonzaga Pedrosa. Cenário: Cesar Rezende. Figurino e direção de movimento: Marco Aurélio Nunes. Iluminação: Wagner Antônio. Trilha sonora: Gregory Slivar. Fotografia: Bob Sousa. Direção de produção: Selene Marinho e Camila dos Anjos.
Serviço:
Instituto Cultural Capobianco (75 lugares), Rua Álvaro de Carvalho, 97, tel.11 3237-1187. Horários: sexta e sábado às 20h e domingo às 18h. Ingressos: R$ R$ 30 e R$ 15. Duração: 60 min. Classificação: 14anos. Temporada: até 28 de abril.

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: