Filme: A cidade do futuro, foto 1

A cidade do futuro: filme baiano retrata libertária relação amorosa

De em maio 2, 2018

Filme: A cidade do futuro, foto 1

Igor Santos, Gilmar Araújo e Milla Suzart protagonizam trama rodada no sertão da Bahia

Depois de percorrer inúmeros festivais de cinema pelo mundo — com prêmios em Buenos Aires, Nova York e Curitiba —, acaba de estrear A cidade do futuro, filme do casal de diretores Cláudio Marques e Marília Hughes, rodado no sertão da Bahia, em Serra do Ramalho, cidade criada durante a ditadura militar para abrigar mais de 70 mil pessoas que tiveram de deixar suas cidades para a construção da represa de Sobradinho.

Tendo como pano de fundo esta história da cidade, a trama é baseada na relação afetiva entre o professor de história Gilmar, vivido por Gilmar Araújo, a professora de artes Mila, interpretada por Milla Suzart e pelo vaqueiro e radialista Igor, papel de Igor Santos. Para viver este amor, os três jovens precisam romper a cultura machista e os preconceitos, tão arraigados na sociedade brasileira, principalmente do sertão do país.

Filme: A cidade do futuro, foto 2

Igor aceita viver ao lado de Mila e do namorado

Com roteiro assinado por Cláudio Marques, o filme começa com os dois professores chegando de moto na escola e, em sala de aula, Gilmar passa um documentário sobre a chegada das famílias à cidade depois de terem abandonado suas casas; a discussão é sobre as consequências deste deslocamento e como as pessoas reagiram às determinações impostas pelas autoridades do regime militar. A professora de artes também desenvolve um trabalho de conscientização com seus alunos por meio de técnicas de teatro.

Paralelamente à vida profissional de Gilmar e Mila, a trama também revela a vida social e afetiva deles, adeptos das relações poligâmicas; enquanto Mila faz um passeio com uma de suas alunas, Gilmar se encontra com o vaqueiro e, mesmo escondidos, eles se amam.

Um fato vai modificar profundamente a vida dos três: Mila descobre que está grávida. Se por um lado a chegada de uma criança é motivo de alegria, por outro lado, esta notícia cai como uma bomba na conservadora e preconceituosa cidadezinha do sertão baiano. Se não bastasse a relação homoafetiva de Gilmar, as pessoas não admitem que ele e Mila passem a morar juntos. Nem a direção da escola suporta a pressão e Mila é demitida. Igor, enciumado, reage se afastando do namorado. Para se sustentar já que a mãe também o pressiona, o vaqueiro consegue emprego numa rádio. Mas nem por isso está livre do preconceito: ele sofre agressões de homofóbicos e não tendo a quem recorrer pede socorro a Gilmar e a Mila. O professor de história não aceita a ideia de ter de deixar sua cidade natal, assim como fizeram seus familiares e os demais moradores de Serra do Ramalho. Os três, para poderem viver como desejam, precisam superar seus medos e enfrentar todo tipo de discriminação.

Filme: A cidade do futuro, foto 3

Diretores: Marília Hughes e Cláudio Marques

 

O roteiro contou com a história de vida dos atores (por isso a coincidência dos nomes de ator/personagem), o que trouxe verdade à ação. O público pode no início estranhar o ritmo mais lento da narrativa, mas o teor libertário do enredo acolhe e ganha o espectador. O lembrete de sempre para filmes brasileiros: vá logo conferir; do contrário, diminuem as sessões e a trama sai de cartaz.

 

 

 

 

 

Fotos: divulgação

 

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
26º Festival Mix Brasil da Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão




Deixe uma sugestão

Indique um evento




Indique um evento