Peça: A Despedida, foto 1

A Despedida: peça traz diálogo pós-morte da Princesa Isabel e sua irmã

De em julho 24, 2017

Peça: A Despedida, foto 1

Giulia Nadruz (Leopoldina) e Nina Dutra (Isabel) interpretam as princesas filhas de Pedro II

O espetáculo A Despedida, primeiro trabalho da Cia Meia Um, encerra temporada no Centro Compartilhado de Criação  na próxima segunda, dia 31 de julho. Com dramaturgia de Hanna Reitsch e do diretor Iuri Saraiva, a trama tem como referência o conto A aparição da senhora Veal, de Daniel Defoe, em que duas amigas se reencontram depois da morte de uma delas. Na peça, o encontro acontece com as duas filhas do Imperador do Brasil, Pedro II: a Princesa Isabel (vivida por Nina Dutra), já adulta e depois de ter assinado a Lei Áurea de libertação dos escravos, dialoga com sua irmã caçula Leopoldina (interpretada Giulia Nadruz), morta há anos. Elas discutem questões tanto da vida íntima da família real como fatos históricos do Brasil e da relação do país com Portugal.

Peça: A Despedida, foto 2

Como Princesa Isabel, Nina revive momentos da história do país

No espaço cênico todo coberto por flores, folhas secas e fragmentos de cartas, as duas atrizes já estão em cena na entrada do público. Totalmente calados (como se estivessem congelados), os atores Mateus Ribeiro, Rafael Pucca e Bruno Gasparotto estão num bar e representam a elite machista e conservadora do Brasil colônia. O encontro das princesas dá início à trama, em que Leopoldina questiona a irmã sobre as contradições de sua vida íntima — casou-se com um estrangeiro, Gastão, o Conde d’Eu, e teve dificuldade de engravidar —, sua participação política nos destinos do país e a possibilidade de se tornar Imperatriz. Incitada pela irmã, Isabel revive momentos crucias da história brasileira, com seu embate com políticos conservadores que execravam a participação da mulher na vida nacional, sua relação com o Imperador, sua adoção às causas abolicionistas e a mágoa posterior com o advento da República e seu exílio perpétuo de sua terra natal.
O texto é um recorte histórico na vida de Isabel — que viveu até os 75 anos — e, de acordo com os autores, pretende provocar uma reflexão sobre questões presentes até hoje na vida brasileira, como a participação da mulher na política e na sociedade, o machismo, o preconceito racial e a intolerância.
Montagem traz um olhar sensível de um momento histórico importante do país. Destaque para o belo figurino de Graziela Bastos, o envolvente visagismo de Barbara Khalil, a participação ao vivo dos músicos e a empatia em cena de Nina Dutra e Giulia Nadruz. Últimas apresentações, só até a próxima segunda, dia 31.

 

Peça: A Despedida, foto 3

Bruno Gasparotto, Mateus Ribeiro e Rafael Pucca representam a elite machista da época


Roteiro:
A Despedida
. Dramaturgia: Hanna Reitsch e Iuri Saraiva. Direção: Iuri Saraiva. Elenco: Nina Dutra, Giulia Nadruz, Mateus Ribeiro, Rafael Pucca e Bruno Gasparotto. Preparação corporal: Graziela Bastos. Preparação vocal: Rafael Villar. Músicos: Roman Sielert, Gustavo de Oliveira e Tiago Maci. Cenário e figurino: Graziela Bastos. Visagismo: Barbara Khalil. Design de luz: Drika Matheus. Fotografia: Felipe Quintini.  Produção executiva: Giulia Nadruz, Caroline Lossio e Mateus Ribeiro. Realização: Cia. Meia Um.
Serviço:

Centro Compartilhado de Criação (Lugares), Rua Brig. Galvão, 1010, tel. 11 3392-7485. Horários: segunda e sábado às 21h e domingo às 20h. Ingressos: R$ 30. Vendas: www.sympla.com.br / www.centrocomparilhadodecriacao.com. Duração: 60 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 31 de julho.


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento