Filme: A Forma da Água, foto 1

A Forma da Água: vencedor do Oscar/18 traz inusitada história de amor

De em março 6, 2018

Filme: A Forma da Água, foto 1

Doug Jones e Sally Hawkins vivem o homem anfíbio e a mudinha no filme de Guillermo del Toro

Na 90ª edição da entrega do Oscar — premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas/EUA —, realizada no último dia 04 de março, o diretor mexicano Guillermo del Toro foi o grande vencedor; das 13 indicações, seu filme, A Forma da Água, recebeu quatro estatuetas, a de melhor filme, melhor diretor, melhor direção de arte e a de melhor trilha sonora para Alexandre Desplat.

A trama é uma fábula romântica, em que a faxineira Elisa, interpretada por Sally Hawkins, é muda e trabalha num centro secreto de pesquisas espaciais, que dentre seus trabalhos há o estudo com um homem anfíbio chamado Forma, vivido por Doug Jones. Mesmo sendo tratado como um monstro pelos responsáveis do laboratório, o homem peixe logo de cara se afeiçoa com a faxineira, que fará de tudo para mantê-lo vivo.

Filme: A Forma da Água, foto 2

Elisa (Hawkins) e Zelda (Octavia Spenser) tentam salvar o anfíbio

A história se passa na década de 1960, período auge da Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética. Além dos cientistas, o frustrado oficial do governo norte-americano, Richard Strickland, interpretado por Michael Shannon, se incumbe na estranha criatura vinda dos rios amazônicos. Richard, de forma truculenta, quer descobrir os mistérios que envolvem o anfíbio, que o agride decepando dois dedos de sua mão. No entanto, Elisa, talvez por se sentir rejeitada devido a sua deficiência, é a única que consegue interagir com o homem peixe. Em pouco tempo, os dois rompem as barreiras físicas e estabelecem uma afetuosa relação.

Ao saber de um plano arquitetado por militares, com a cumplicidade de Richard, que visa destruir o anfíbio, Elisa com a ajuda de Zelda (Octavia Spenser ), sua companheira de trabalho, e de seu vizinho e amigo Giles (Richard Jenkins), armam um verdadeiro complô para salvar o Forma. Tanto o resgate como a tentativa de transportá-lo para um canal que o levará para o mar transformam a trama num verdadeiro filme de ação e suspense.

Filme: A Forma da Água, foto 3

Fábula rica em magia e beleza

 

 

 

Tendo como pano de fundo as disputas entre russos e americanos, esta fábula romântica de del Toro agradou aos membros da Academia também por tocar em temas atuais e progressistas, como a inclusão social a deficientes, negros (Zelda) e gays (Giles) e a própria mulher, já que a faxineira é que lidera a ação e enfrenta os poderosos. Com uma rica e minuciosa reconstituição de época, o filme se destaca também pelo tom lírico e mágico, tanto no prólogo como nos sonhos de Elisa e, principalmente, nas cenas finais. Vale muito a pena conferir!

 

 

 

 

 

 

 

Fotos: divulgação

 


4 Comentários

Nanete Neves

março 7, 2018 @ 16:00

Resposta

Também gostei muito, embarquei total nessa fábula. E você reparou na sutil mudança das cores conforme a relação entre eles se aprofunda? O visual me lembrou muito “Amelie Poulin”, talvez como uma homenagem. Adorei o teu comentário.

Maurício Mellone

março 8, 2018 @ 14:33

Resposta

Nanete, querida:
não percebi a sutil mudança de cores, mas sua
observação tem todo o sentido!
Obrigado pelo incentivo e sua presença constante por aqui!
Bjs, minha amiga!

Nanete Neves

março 8, 2018 @ 17:01

Resposta

Lembra: no começo, tudo é verde, meio árido. A partir da metade as coisas gradualmente vão ganhando tons de vermelho. Achei sutil e lindo!

Maurício Mellone

março 9, 2018 @ 14:29

Resposta

Nanete,
belíssima observação!
A fábula fica ainda mais encantadora com esta
sua sacada das cores (o filme ganhou direção de arte, tb!)
Bjs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão




Deixe uma sugestão

Indique um evento




Indique um evento