Filme: A Vida Invisível, foto 1

A Vida Invisível: filme de Karim Aïnouz revela machismo da sociedade

De em novembro 26, 2019

 

Filme: A Vida Invisível, foto 1

Carol Duarte e Julia Stockler vivem as irmãs Eurídice e Guida

 

Classificado pela própria produção como melodrama tropical, o filme do diretor cearense Karim Aïnouz, A Vida Invisível, faz um retrato detalhado das relações familiares do Brasil dos anos 1940 e 1950, desvelando o machismo e a prepotência dos homens sobre as mulheres.  Baseado no romance de Martha Batalha (A Vida Invisível de Eurídice Gusmão/2016, Cia das Letras), o filme recebeu o prêmio principal da mostra Um certo olhar, no Festival de Cannes/19 e foi o escolhido para representar o país no Oscar/2020 na categoria de filme estrangeiro.

A trama central mostra o drama vivido pelas irmãs Eurídice e Guida Gusmão, interpretadas brilhantemente por Carol Duarte e Julia Stockler, que mesmo com temperamentos opostos se amavam profundamente e o destino às separou por toda a vida.

 

O prólogo já sinaliza o futuro das irmãs: Guida, uma moça  destemida e à frente de sua época, e Eurídice, tímida e obediente, estão passeando numa floresta do Rio de Janeiro. Guida resolve ir embora enquanto a irmã ainda admira a paisagem; elas se perdem na mata e uma fica gritando pela outra.

 

Corte e as cenas seguintes já são com as duas irmãs em confidência e planejando a noite: Guida vai se encontrar com o namorado, um marinheiro grego que nem fala português, e pede que Eurídice deixe o portão dos fundos aberto para que ela possa voltar de madrugada sem ser vista pelos pais, um casal português vivido por António Fonseca e Flávia Gusmão, em que o pai é extremamente conservador e autoritário. Eurídice cumpre o combinado, no entanto Guida envia uma carta comunicando aos pais que estava a bordo de um navio que a levaria para a Grécia com o namorado.

 

 

 

Filme: A Vida Invisível, foto 2

O destino separa as duas irmãs

Já Eurídice, exímia pianista, sonha estudar na Áustria, mas adia os planos e aceita se casar com Antenor, interpretado por Gregório Duvivier. Inocente, a moça tenta de todas as formas não engravidar para que possa prestar o concurso e continuar seus estudos de piano. Tudo em vão: o marido, mesmo gostando da esposa, a trata com brutalidade e praticamente a estupra a cada relação sexual.

O roteiro, assinado por Murilo Hauser, Inés Bortagaray e pelo diretor, conduz a história de vida das irmãs em paralelo: enquanto Guida volta do exterior grávida, é expulsa de casa pelo pai e tem de refazer a vida como mãe solteira trabalhando num estaleiro, Eurídice também fica grávida e aos poucos vai se amoldando ao estilo de vida imposto primeiramente pelo pai e depois pelo marido. Mentira propalada pelo pai, de que Eurídice morava na Áustria como pianista, faz com que Guida procure manter contato com a irmã somente por cartas, que nunca foram entregues à destinatária. O amor entre elas nunca se apagou, entretanto nunca mais se encontram.

 

A verdade só vem à tona décadas depois; Eurídice já bem velha — numa participação grandiosa de Fernanda Montenegro — depois do enterro do marido descobre um baú em que todas as cartas da irmã estavam guardadas. Com a ajuda da filha, vivida por Cristina Pereira, ela conhece a sobrinha neta e o mistério da vida da família é desvendado.

 

 

 

Filme: A Vida Invisível, foto 3

Fernanda Montenegro: só com o olhar transmite o sofrimento de toda uma vida da personagem

Além de uma história tocante, que faz uma radiografia da sociedade brasileira marcada pelo machismo, preconceito e um moralismo tacanho na primeira metade do século XX (o que mudou hoje em dia?), A Vida Invisível tem uma fotografia impecável e uma direção sensível (nenhum detalhe é desprezado, do brinco perdido às cartas e documentos de troca de identidade de Guida). Mas a interpretação das atrizes é o ponto alto da produção: se não bastasse a entrega total das protagonistas Carol Duarte e Julia Stockler, as coadjuvantes só engrandecem a história, tanto Bárbara Santos na pele de Filomena que abrigou Guida, como Maria Manoella que vive Zélia, amiga de Eurídice. Porém, a participação de Fernanda Montenegro é estelar: só com o olhar e algumas palavras a atriz transmite a dimensão e o sofrimento de toda uma vida da personagem. Impossível não se emocionar! E com chave de ouro, o diretor encerra o filme com Caetano Veloso cantando Estranha forma de vida, de Alfredo Duarte e Amália Rodrigues. É de arrepiar. Agora é torcer para que o filme esteja entre as cinco indicações de melhor filme estrangeiro do próximo Oscar. Como aperitivo, fique com o clipe de Caetano:

 

 

 

 

Fotos: divulgação

https://www.mixbrasil.org.br/
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

4 Comentários

Rodolfo Soares Claus

novembro 27, 2019 @ 18:39

Resposta

Oi Maurício, li a resenha do filme A Vida Invisível e fiquei muito interessado em ir assistir.
É sempre um prazer visitar seu blog e ter essas dicas incríveis. Grato e abs!!!

Maurício Mellone

novembro 28, 2019 @ 14:09

Resposta

Rodolfo:
Não deixe de assistir, o filme é emocionante, faz um retrato
da sociedade machista dos anos 1940/1950. Será que mudou? O que mudou?
História comovente, com interpretações brilhantes. Fernanda Montenegro em
alguns minutos transmite a densidade de vida da personagem.
IMPERDÍVEL!
Muito obrigado pelos elogios. Volte sempre, é um prazer recebê-lo por aqui!
Bjs

Antoune Nakkhle

novembro 27, 2019 @ 11:39

Resposta

Amei o filme e, agora, lendo a resenha, vejo que traduz bem o que o filme é de fato. Gostei muito, parabéns, Maurício Mellone.

Maurício Mellone

novembro 28, 2019 @ 14:12

Resposta

Antoune:
sem dúvida um grande filme brasileiro: se for o escolhido entre os 5
na disputa à estatueta de filme internacional (a nova nomenclatura)
será forte concorrente. Já pensou estar ao lado do filme do Almodovar?
Obrigado pelo incentivo, sempre!
bjs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: