Peça: A visita da velha senhora, foto 1

A visita da velha senhora: texto clássico de ironia permanece atual

De em agosto 22, 2017

Peça: A visita da velha senhora, foto 1

Denise Fraga vive Claire Zachanassian, personagem central da obra de Friedrich Dürrenmatt

A principal questão levantada pela peça A visita da velha senhora, escrita em 1955 por Friedrich Dürrenmatt e que acaba de estrear no Teatro Popular do Sesi, é se a ética consegue se contrapor e vencer o poder do dinheiro.
Depois de temporadas de sucesso com duas obras de Bertolt Brecht — A Alma Boa de Setsuan/2010 com direção de Marco Antônio Braz e Galileu Galilei/2015 com direção de Cibele Forjaz — a atriz Denise Fraga está de volta com o dramaturgo suíço, discípulo de Brecht.

“Sou mais uma vez surpreendida pela potente atualidade de um clássico. E não foi por acaso que cheguei a Dürrenmatt. Ele foi discípulo, bebeu em Brecht. Lá está o mesmo fino humor, a mesma ironia e teatralidade. Dürrenmatt também se faz valer do entretenimento para arrebatar o público para a reflexão”, diz Denise Fraga.

Com direção de Luiz Villaça, Denise divide o palco com mais 11 atores, entre eles Tuca Andrada, Ary França, Fábio Herford, Romis Ferreira, Daniel Warren, Maristela Chelala e Eduardo Estrela.

Peça: A visita da velha senhora: foto 2

Na recepção: Tuca Andrada, Fábio Herford, Denise, Eduardo Estrela, Renato Caldas e Daniel Warren

Como fez nas outras duas montagens de Brecht, Denise e sua trupe recepcionam a plateia logo na entrada e, ao iniciar, todos entram cantando e pedem a ajuda dos espectadores no refrão. Depois desta introdução, a trama começa com os moradores da pequena e decadente cidade de Güllen ansiosos pela chegada da velha senhora Claire Zachanassian, papel de Denise, que nasceu e viveu até a adolescência entre eles. Depois da recepção, Claire é convidada a um jantar e é lá que a população é surpreendida. A ricaça promete doar um bilhão para a cidade, sendo metade da fortuna aos governantes e a outra metade para toda a população. Mas impõe uma condição: que Alfred Krank, vivido por Tuca Andrada, seja assassinado, já que na adolescência ele a abandonou grávida. A princípio a oferta é recusada de forma veemente, mas Claire é paciente e resolve se instalar na cidade à espera de nova resolução.
A partir daí os moradores de Güllen começam a agir de maneira peculiar: negaram a oferta, mas paradoxalmente iniciam uma corrida às compras, pagando tudo a crédito (lembre-se que nem existia na época cartão de crédito). Com sarcasmo e ironia, o dramaturgo suíço põe à prova a dignidade humana diante do poder financeiro:

“Dürrenmatt escancara nossa hipocrisia e nossa fragilidade diante do grande regente de nossas vidas, o dinheiro. Que espécie de gente somos nós? Até onde nos vendemos para poder comprar? Como manter viva a nossa esperança? Acredito no poder de transformação pela arte. O humor e a poesia nos ajudam a elaborar o pensamento para transformar, para não consentir. Mãos à obra, rumo à esperança”, desabafa a atriz.

Há méritos em se montar este clássico da dramaturgia mundial num momento tão crítico por que passa a sociedade contemporânea: refletir sobre nosso comportamento, por meio do humor e da ironia, é de suma importância. Além da dramaturgia contundente, do figurino e da direção de arte de Ronaldo Fraga, a sintonia em cena dos 12 atores chama a atenção, com destaque para Denise Fraga, Tuca Andrada, Ary França e Romis Ferreira. No entanto, a montagem, com mais de duas horas de duração, não é ágil e provoca cansaço. O julgamento final de Krank, ao invés de ser impactante, perde força dramática. Como assisti numa das apresentações de pré-estreia, talvez o diretor possa ajustar o espetáculo no decorrer da temporada, que se estende até final de novembro. Como sempre acontece no Teatro do Sesi, os ingressos são gratuitos. Confira.

Peça: A visita da velha senhora, foto 3

Tuca e Denise interpretam personagens que se amaram na adolescência

Roteiro:
A visita da velha senhora. Texto: Friedrich Dürrenmatt. Tradução: Christine Röhrig. Adaptação: Christine Röhrig, Denise Fraga, Maristela Chelala. Direção: Luiz Villaça. Direção de Produção: José Maria. Elenco: Denise Fraga, Tuca Andrade, Ary França, Fábio Herford, Daniel Warren, Romis Ferreira, Maristela Chelala, Renato Caldas, Eduardo Estrela, Beto Matos, Luiz Ramalho e Rafael Faustino. Direção de arte e figurino: Ronaldo Fraga. Direção musical: Dimi Kireeff. Trilha sonora original: Dimi Kireeff e Rafael Faustino. Desenho de luz: Nadja Naira. Visagismo: Simone Batata. Fotografia: Cacá Bernardes. Produção: NIA Teatro. Realização: SESI-SP.
Serviço:
Teatro Popular do Sesi (456 lugares), Av. Paulista, 1313, tel. 11 3146-7439. Horários: de quinta a domingo às 20h. Ingressos: gratuitos. Duração 120 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 26 de novembro.

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: