Exposição: Abobrinhas da Brasilônia- Charges do cartunista Glauco Vilas Boas , foto 1

Abobrinhas da Brasilônia- exposição faz homenagem ao cartunista Glauco

De em maio 9, 2013

Exposição: Abobrinhas da Brasilônia- Charges do cartunista Glauco Vilas Boas , foto 1

Cartaz da mostra em homenagem a Glauco, um dos mais relevantes cartunistas brasileiros, morto em 2010

Logo ao entrar na Caixa Cultural São Paulo, o público se depara com uma grande foto do cartunista Glauco Vilas Boas sorrindo sentado na janela de sua casa e na legenda uma frase dele publicada no jornal Folha de S.Paulo em 2004:

“Meu traço não é bom para retratar o futuro. Corro o risco de não falar a língua da moçada.”

 

Claro que os cartuns, tiras e charges políticas, geralmente publicadas em jornais diários, têm o objetivo de servir como crônicas de um período. No entanto, como no Brasil os políticos pouco mudam suas atitudes e os escândalos de corrupção nunca param de surgir, as certeiras charges políticas de Glauco — destaque da exposição Abobrinhas da Brasilônia — permanecem mais atuais do que nunca, apesar de terem sido produzidas durante os governos dos que assumiram a presidência da República depois da ditadura militar, José Sarney, Fernando Collor, Itamar Franco, Fernando Henrique e Lula.
Um exemplo disto é uma tirinha em que Glauco dispara:

“— Este deputado tá sem o preço!
— Pegue outro na prateleira!”

 

Exposição:Abobrinhas da Brasilônia- Charges do cartunista Glauco Vilas Boas, foto 2

Glauco sentado na janela de sua casa: foto abre a exposição

A mostra traz desde fotos, desenhos originais ( a lápis), uma cronologia da vida de Glauco, até cartuns, tiras e charges políticas. Depois da tragédia ocorrida em 2010 quando Glauco e seu filho Raoni foram brutalmente assassinados, Abobrinhas da Brasilônia- Charges do cartunista Glauco Vilas Boas é a primeira exposição in memoriam dedicada a ele.
Na primeira sala da exposição do lindo prédio da Caixa Econômica Federal (localizado no centro antigo da cidade), o público tem acesso a fotos de várias fases da vida do cartunista, além de reportagens, desenhos originais produzidos no início da carreira e um vídeo em que o jornalista José Hamilton Ribeiro conta como conheceu e revelou o artista em 1976.
Há em seguida os depoimentos dos curadores da mostra, Beatriz Galvão e Pelicano Vilas Boas, esposa e irmão de Glauco, que falam um pouco da personalidade dele, seus trabalhos e de seu envolvimento com a seita Santo Daime.
O destaque da mostra é para charges políticas: para cada período enfocado, há um quadro em moldura dourada com a charge do presidente da época. Depois, os curadores também selecionaram charges dos prefeitos da cidade de São Paulo e dos governadores do Estado. Há ainda espaço reservado aos personagens de Glauco voltados ao público infantil (Geraldinho, Faquinha, Capitão Bolachinha) e uma bancada com resma de papel em branco e canetas coloridas para os frequentadores deixarem comentários e contribuições.
Bela iniciativa de homenagear Glauco Vilas Boas. Porém, a exposição Abobrinhas da Brasilônia é modesta e pouco representativa da imensa e criativa obra do cartunista. Senti falta de tiras de seus grandes e imortais personagens, como Geraldão, Doy Jorge, Casal Neuras, Dona Marta, Vicente Tarente, Zé do Apocalipse, Cacique Jaraguá, entre outros.

Fotos: divulgação

Roteiro:
Abobrinhas da Brasilônia- Charges do cartunista Glauco Vilas Boas. Coordenação: Vera Nunes de Santana. Curadoria: Beatriz Vennis, Nelma Santos e Pelicano Vilas Boas. Produção: Associação Cultural Cecília.
Serviço:
Caixa Cultural São Paulo, Praça da Sé, 111, tel. 11 3321-4400, www.caixa.gov.br/caixacultural. Horários: de terça a domingo das 9h às 20h. Ingressos: gratuitos. Temporada: até 30 de junho.

Uba
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: