Peça: Antígona, foto 1

Antígona: solo de Andrea Beltrão revisita tragédia de Sófocles

De em junho 1, 2017

Peça: Antígona, foto 1

Com a ajuda da árvore genealógica, Andrea Beltrão conta a o aniquilamento da família do rei Laio, da Grécia antiga

Em curtíssima temporada paulistana, depois de apresentação no Festival de Curitiba e do sucesso no Rio, Andrea Beltrão encarna sozinha em cena a tragédia grega de Sófocles, Antígona, em cartaz no SESC Consolação só até o dia 18 de junho.
Com tradução de Millôr Fernandes e direção de Amir Haddad, a atriz — que assina a dramaturgia em parceria com o diretor—, já está no palco com a entrada do público e cumprimenta a todos. Esta é uma das características desta montagem despojada: Andrea quebra a quarta parede durante todo o espetáculo e é didática ao se referir diretamente à plateia para contar a trajetória de vida da última filha de Édipo e Jocasta. Com o palco vazio, tendo ao fundo uma extensa árvore genealógica da cidade grega de Tebas, Andrea em apenas 60 minutos revive toda a trágica vida dos descendentes do rei Laio.

Peça: Antígona, foto 2

Num vai e vem na história, atriz vive todos os personagens

 

 
Por que os clássicos são sempre revisitados?  Na certa por traduzirem muito da alma humana, dos sofrimentos, angústias e anseios de todos nós. Millôr Fernandes é enfático ao falar de Antígona:

 

“Quem sabe um dia poderemos achar esta peça pré-histórica, sua figura central sem sentido. Mas não. A personalidade quase viril da última filha de Laio está tão viva quanto estava há 2 mil e 400 anos”.

 

E, realmente, em plena segunda década do século XXI, a tragédia de Sófocles ainda nos ajuda a refletir sobre o poder, traições políticas, atitudes autoritárias, desmandos e a violência desmedida. Algo parecido com a realidade do Brasil dos dias atuais? Infelizmente não podemos negar a profecia de Millôr!

Com a intenção de relatar o último drama da vida de Antígona — ter sido condenada por desobedecer as ordens de seu tio Creonte, Rei de Tebas, que determinara que o irmão dela, Polinice, não tivesse um enterro conforme as tradições —, a atriz retoma a história de formação de Tebas. Daí a importância da grande árvore genealógica disposta no palco: Andrea faz as conexões entre as gerações e em seguida assume os papéis da trama. Com um único elemento (uma capa, um sapato ou um gesto específico), a atriz incorpora os personagens e o público acompanha toda a trajetória trágica de Édipo, que sem saber matou Laio, seu pai, e em seguida casa-se com a mãe, tendo quatro filhos (dois homens e duas mulheres), que eram seus irmãos. Num ritmo ágil, a atriz vai e volta na história e completa todo o painel da vida de Tebas, deixando até aquele espectador pouco informado da história da Grécia antiga totalmente integrado à tragédia que está sendo narrada.

Sem dúvida uma montagem enxuta, concisa, que fala diretamente ao público de hoje, mesmo se referindo a uma história escrita há mais de 2 mil e 400 anos! E esta empatia com a plateia só de dá pelo talento de Andrea Beltrão, que sabe conduzir perfeitamente a trama, indo aos personagens e voltando deles com uma naturalidade impressionante, além da dosagem correta entre o drama, a fina comédia e o trágico pleno. Um dos grandes espetáculos do ano, pena que cumprindo uma temporada minúscula em São Paulo. Que a produção consiga novos espaços para se apresentar, os paulistanos merecem um período maior de temporada. Fica aqui minha torcida.

Peça: Antígona, foto 3

Andrea também é parceira do diretor na dramaturgia

 

Roteiro:
Antígona
. Texto: Sófocles. Tradução: Millôr Fernandes. Dramaturgia: Amir Haddad e Andrea Beltrão. Direção: Amir Haddad. Elenco: Andrea Beltrão.  Iluminação: Aurélio de Simoni. Figurino: Antônio Medeiros. Direção de movimento: Marina Salomon.  Cenário e projeto gráfico: Fabio Arruda e Rodrigo Bleque. Fotografia: Guga Melgar e Matheus José Maria. Produção: Boa Vida Produções.
Serviço:
 SESC Consolação, Teatro Anchieta (280 lugares), Rua Dr. Vila Nova, 245, tel. 11-3234 3000. Horários: sexta e sábado às 21h e domingos às 18h. Ingressos: de R$ 50 a R$ 15. Duração: 60 min. Classificação:  14 anos. Temporada: até 18 de junho

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
26º Festival Mix Brasil da Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão




Deixe uma sugestão

Indique um evento




Indique um evento