Peça: Aqui Jaz Henry, foto 1

Aqui Jaz Henry: visão sobre a existência humana de um recém-falecido

De em junho 29, 2018

Peça: Aqui Jaz Henry, foto 1

Renato Wiemer, protagonista da peça de Daniel MacIvor, assina também a tradução e trilha

Conhecido no Brasil graças às montagens de suas peças (In On It e À Primeira Vista, ambas dirigidas por Henrique Diaz), o ator, dramaturgo, diretor e roteirista canadense Daniel MacIvor tem mais um de seus espetáculos montados no país. Depois de uma pequena temporada no ano passado, o monólogo Aqui Jaz Henry está novamente em cartaz, agora no Teatro Eva Herz, sob o comando de Renato Wiemer, responsável também pela concepção, tradução e trilha sonora do espetáculo.

A trama traz o relato de Henry sobre sua vida. O inusitado é que ele já está morto e desta forma passa a limpo todos os momentos de sua existência. Mas o personagem questiona o que é verdade e o que é mentira, incitando o espectador a refletir sobre o sentido da vida e da morte.

Peça: Aqui Jaz Henry, foto 2

Wiemer é dirigido por Kika Freire

 

Impossível não associar a proposta do dramaturgo canadense com o clássico romance de Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas, que também já ganhou versão para os palcos. No entanto, se Machado deixa claro desde a primeira palavra que o protagonista está morto e vai relatar a sua última existência, MacIvor apresenta Henry como se fosse um palestrante diante de uma plateia; ele  faz indagações sobre a existência humana, começa a contar sobre sua vida, desde o nascimento, sua relação com o pai (vítima de alcoolismo) e a mãe (uma mulher fútil e submissa), sua vivência escolar, sua homossexualidade, até sua vida profissional e afetiva. Exatamente quando está em plena sintonia coma plateia — ele quebra a quarta parede desde o início e induz a participação dos espectadores— é que revela a sua real situação: está morto e revendo sua existência. Entretanto, Henry conta o mesmo fato com versões distintas, questionando o que é verdade.

“Toda percepção da finitude pode ser ilusória. Os caminhos, se bem traçados, provocam desdobramentos. Se a mentira pudesse ser verdade e a verdade pudesse ser mentira, ampliaríamos possibilidades, não permitindo uma perspectiva hermética. Nesta lógica, o uso de memórias desnudas e desejos consequentes permeia nossa história de modo que ela se abra para além de um velório, de um enterro, de um fim”, filosofa a diretora da peça Kika Freire.

O teatro de MacIvor envolve o espectador, graças aos jogos dramáticos que ele propõe. Por também ser ator — escreveu vários monólogos para ele mesmo atuar —, suas peças revelam o domínio que tem sobre a concepção cênica e o espectador precisa ficar atento às mudanças e reviravoltas do enredo.

 

“MacIvor tem uma maneira especial de escrita, uma dramaturgia não linear, dissonante, mas que faz todo o sentido. Nesta peça, Henry fala e se relaciona o tempo todo com a plateia; o espetáculo transporta o espectador para dentro da narrativa”, afirma Renato Wiemer.

 

Peça: Aqui Jaz Henry, foto 3

Ator em grande performance

 

Além da dramaturgia envolvente, a sensível performance do ator é que dá força e vitalidade ao espetáculo. Destaque ainda para o visagismo de Leopoldo Pacheco e a iluminação de Paulo Cesar Medeiros. Da trilha sonora, assinada pelo ator, a última canção entoada pela saudosa Elis Regina remete o público à temática da peça. Como aperitivo, fique com o pot-pourri da cantora, que inclui Meio Termo (Lourenço Baeta/ Cacaso) e Corpos (Ivan Lins/ Victor Martins.
 

 

 

 

 

Roteiro:
Here Lies Henry
. Texto: Daniel MacIvor. Dramaturgia: Daniel Brooks. Tradução: Renato Wiemer. Direção: Kika Freire. Idealização, concepção e atuação: Renato Wiemer. Iluminação: Paulo Cesar Medeiros. Figurino: Claudio Tovar. Cenário: Teca Fichinski. Trilha sonora: Renato Wiemer. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Fotografia Patricia Ribeiro. Projeto Gráfico: Karin Palhano. Direção de produção: Joana D’aguiar. Realização: Wiemer Produções e Sopro Escritório de Cultura.
Serviço:
Teatro Eva Herz (168 lugares), Livraria Cultura, Conj. Nacional, Av. Paulista, 2.073, tel. 11 3170-4059. Horários: sábado às 21h e domingo 19h. Ingressos: R$60 e R$30. Bilheteria: terça a sábado das 14h às 21h; domingo das 12h às 19h. Duração: 65 min. Classificação: 16 anos. Temporada: até 29 de julho.

 

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: