RSS FACEBOOK TWITTER

Blue Jasmine: Woody Allen filma nos EUA após suas produções europeias


Filme: Blue Jasmine, foto 1

Cate Blanchett dá vida à Jasmine, uma ex-ricaça que precisa se virar na pobreza

Filme: Blue Jasmine, foto 2

Cate contracena com Alec Baldwin: o pomposo casamento vem à baixo quando ela sabe das traições do marido

Cada nova produção do diretor Woody Allen gera um grau de expectativa sempre alto. Há aqueles que amam a filmografia dele, há outros que não são tão fãs e há ainda os que desgostam do trabalho do diretor norte-americano. Em Blue Jasmine as opiniões também estão divididas. No entanto, Allen com este filme volta a focar suas histórias na realidade norte-americana e sua crítica ao comportamento social é contundente.
A trama tem como foco central a trajetória de Jasmine, interpretada com todo o vigor por Cate Blanchett
, que inicia a história em pleno voo de Nova York a San Francisco. Seu casamento pomposo com o magnata Hal (Alec Baldwin) acaba de ruir e ela tem de recomeçar sua vida do zero. Abalada por saber das falcatruas de que vivia o ex-marido e de suas constantes traições, Jamine pede abrigo para a irmã Ginger (Sally Hawkins) — que mora numa casa modesta e é funcionária de um supermercado. No entanto, o mundo de ambas é diametralmente oposto e os atritos entre elas são inevitáveis.


Mesmo na miséria e dependente de calmantes (a qualquer abalo, se enche de comprimidos, tomados com bebida alcoólica), Jasmine não perde a pose. Ginger tenta chamar a irmã para a relidade e indica alguns empregos. A ex-ricaça, depois de muita insistência, aceita ser secretária de um dentista (Michael Stuhlbarg
), que a assedia. Desiludida mas com a intenção de encontrar um bom partido, Jasmine vai a uma festa e leva consigo a irmã; lá conhece o diplomata Dwight (Peter Sarsgaard), que  pede que ela decore sua nova mansão. Eles iniciam um romance, mas o passado de Jasmine vem à tona comprometendo a nova relação.

Jasmine encarna uma marca de Woody Allen: é como diversos dos personagens da galeria do diretor, ou seja, ela não para de falar um segundo, parece uma metralhadora de palavras e ideias. O que me chamou a atenção em Blue Jasmine é o formato da narrativa: o passado glamouroso de Jasmine em Nova York se intercala com o momento atual da personagem em San Francisco. Este vai e vem da história possibilita com que o espectador faça uma análise do universo daquela mulher, que em alguns momentos se mostra equilibrada e dona de si e em outros, desestruturada emocional, física e financeiramente. Jasmine pode ser comparada, ser um parâmetro da sociedade contemporânea dos EUA? Esta é uma das leituras para o filme. Há outras, com certeza. Qual a sua visão sobre o mais recente filme de Woody Allen?

Fotos: divulgação

 

, , , ,

Maurício Mellone

Como jornalista — tendo atuado em rádio, TV, jornal, revistas e assessoria de imprensa —, a palavra sempre foi minha matéria prima. No entanto, desde 2000 venho cultivando o plano B, ou seja, mantenho no meu velho PC um arquivo com meus escritos, que na verdade já era um pré-blog. Lá, deixo fluir a imaginação para que a linguagem inclusive ganhe novos contornos.


Ver todos os posts de Maurício Mellone »

6 Comentários para “Blue Jasmine: Woody Allen filma nos EUA após suas produções europeias”

  1. sergio Says:

    É a cara dos EUA atual
    Nós brasileiros já estamos acostumados com estes personagens!

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Bruno,
      com certeza, o Hal (Alec Baldwin) é muito conhecido
      entre nós. Infelizmente.
      O bom q alguns Hals foram presos depois de terem sido julgados
      pela suprema corte da Justiça brasileira!
      bjs e obrigado pela participação

      responder

  2. Nanete Neves Says:

    Só sei que há muito eu não encantava com um filme dele como neste. Cate está magistral, digna de todos os prêmios. Bem dirigida, ela consegue mostrar todas as nuances do seu frágil universo interior totalmente dilacerado. Bela resenha, nela você levanta os pontos mais fortes do filme e desafia o teu leitor a pensar.

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Nanete:
      Que bom q vc gostou da resenha, que tive a intenção
      mesmo de provocar o leitor e fazer com que avalie a proposta
      do Allen de vários ângulos.
      E a Cate está mesmo deslumbrante, acho q o Oscar já é dela!
      Bjs e obrigado por sua constante participação aqui no Favo!

      responder

  3. Adriana Says:

    Ma, que delícia de texto!!!!! Deu vontade de ir ao cinema assistir à Blue Jasmine!!! Beijo

    responder

Deixe uma resposta