Peça: Cachorro enterrado vivo, foto 1

Cachorro enterrado vivo: três monólogos sobre uma mesma situação

De em setembro 6, 2016

Peça: Cachorro enterrado vivo, foto 1

Leonardo Fernandes, além de atuar nos três solos, é o produtor do espetáculo

Confesso que só o título da peça de Daniela Pereira de Carvalho, Cachorro enterrado vivo, em cartaz na SP Escola de Teatro até final de setembro, já me causou impacto — respeito os animais, mas prefiro manter certa distância deles. No entanto, a trama é envolvente e desde a primeira cena o espectador se entrega ao argumento proposto; são três monólogos sobre uma mesma situação de perda: um cão, seu dono e um homem contratado para ser o coveiro do animal. Sob a direção de Marcelo do Vale, o ator mineiro Leonardo Fernandes, que também assina a produção do espetáculo, é o protagonista dos três solos e traz com verdade a visão de cada personagem envolvido na situação.

“A problematização da proximidade entre o humano e o canino — toda a intimidade que entrelaça essa relação de estimação — e a desarmonia instaurada por uma perda inexplicável são o ponto de partida para os três monólogos subsequentes que constituem a peça. A ferocidade intrínseca aos animais de qualquer espécie permeia todo o contexto da dramaturgia”, explica a autora.

Peça: Cachorro enterrado vivo, foto 2

O ator mineiro interpreta o dono do cão, o cachorro e o coveiro

O espetáculo tem início com o depoimento do cão, por mais estranho que isso possa parecer! O ator, numa performance visceral, entra em cena como o cachorro Paulo César, que está transtornado com o desaparecimento de sua dona, que ele tanto ama. Sem saber o porquê do sumiço daquela que sempre cuidou dele, ele tem de se submeter a partir de agora aos cuidados do seu rival, seu dono Paulo Vítor.
O segundo solo é com o homem que Paulo Vítor contratou para ser o coveiro do animal. Porém, ele antes de aceitar o encargo nem desconfiava que o cachorro estivesse vivo. Estranhando a proposta de trabalho e sem poder recusá-la porque precisa do dinheiro, ele recorda-se de seu cão de estimação antes de cumprir sua missão. O último monólogo é com o dono do cachorro, que, como o animal, está sem rumo depois que sua mulher o deixou. Pra piorar a situação, Paulo Vítor entra em conflito com o cachorro e ambos se agridem de forma irracional.
Sem dúvida, o texto de Daniela Pereira de Carvalho impressiona por questionar as atitudes do homem diante do animal de estimação e ao mesmo tempo as reações do cão diante de posturas de seus donos. Sentimentos (amor, ciúme, inveja, abandono) e atitudes (violência e agressão) são apresentados tanto pelo homem como pelo animal; o que é instinto e o que é razão, o que é animalesco e o que é atitude humana. Estas as questões levantadas pela trama.

Peça: Cachorro enterrado vivo, foto 3

Leonardo na pele do coveiro bem-humorado

 

 

 

O grande destaque da peça é para a atuação de Leonardo Fernandes, que contou com a preparação corporal de Eliatrice Gischewski: além da perfeita caracterização do cachorro (respiração, desenvoltura e feição), o ator mostra toda sua versatilidade, criando um coveiro bem-humorado e um traumatizado dono do cão. Espetáculo impactante, não perca!

 

 

 

 

 

Fotos: Lia Soares e Suzana Latini

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: