Peça: Cartola o mundo é um moinho, foto 1

Cartola o mundo é um moinho : musical homenageia nosso maior sambista

De em setembro 14, 2016

Peça: Cartola o mundo é um moinho, foto 1

Flávio Bauraqui vive o mestre Cartola no musical que faz um retrato de um dos maiores sambistas doa país

No ano em que o samba completa 100 anos de existência, nada melhor do que um musical em homenagem a um dos maiores sambistas e poetas do Brasil. Angenor de Oliveira, o popular Cartola, é reverenciado no musical Cartola – o mundo é um moinho, que acabou de estrear no Teatro Sérgio Cardoso . Idealizado pelo ator Jô Santana, com dramaturgia de Arthur Xexéo, direção de Roberto Lage e direção musical de Rildo Hora, o espetáculo — que conta com 18 atores e 8 músicos, liderados por Flávio Bauraqui na pele do poeta— faz um grande painel da vida e obra de Cartola. Para isso, a trama é construída dentro de uma escola de samba que vai levar para a avenida como enredo a história do mestre Cartola. O carnavalesco Luizinho (Hugo Germano), para explicar para a comunidade a sua ideia, vai relatando os principais fatos da vida do sambista, desde sua desavença com o pai, vivido por Augusto Pompeo, sua vida boêmia, o primeiro casamento com Deolinda (Adriana Lessa), seus primeiros sambas, o segundo casamento com Donária (Lu Fogaça), a fundação da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, seu encontro de alma com Dona Zica, interpretada por Virgínia Rosa e finalmente seu reconhecimento com a gravação dos primeiros álbuns e a consagração popular.

Peça: Cartola o mundo é um moinho, foto 2

Flávio e Virgínia Rosa como o casal Cartola e Dona Zica

O interessante da montagem é que a história do homenageado é contada de forma cronológica, mas de maneira intercalda com o dia a dia da comunidade da escola de samba e os conflitos internos da agremiação. E mais do que os fatos sobre a vida sofrida de Cartola — que só aos 65 anos consegue gravar seu primeiro álbum —, a trama dá ênfase aos sambas imortais do mestre, como As rosas não falam, Alvorada, O sol nascerá, Acontece e O mundo é um moinho, que inspirou tanto o musical como a canção original composta especialmente para o espetáculo por Arlindo Cruz e Igor Leal, Mestre Cartola.
No programa da peça, Jô Santana ressalta a valiosa contribuição de Nilcemar Nogueira, neta de Cartola e doutora em psicologia social, que tomou a frente da pesquisa que fundamentou o musical.

 

“Com Nilcemar, tivemos a ideia de apresentar um espetáculo realizado por artistas negros. Muito mais do que contar uma história, estamos evidenciando a fundamental importância da história da cultura do nosso país. Cartola, com sua genialidade, se torna contemporâneo, quando percebemos que o samba comemora em 2016 seu centenário. Retratar a vida e obra de Cartola é uma honra para todos nós”, ressalta Jô Santana.

 

Numa concepção cênica enxuta, desprovida de aparatos tecnológicos, o musical se destaca por seu tom alegre, leve, ressaltando a grandeza e a poesia da obra de Cartola. A composição e caracterização de Flávio Bauraqui para o mestre merece todo o destaque (na cena da gravação do primeiro disco, a semelhança é incrível e emociona). A cada semana haverá convidados especiais, que interpretarão sucessos de Cartola; na semana de estreia a convidada foi a cantora Roberta Sá. Não deixe de conferir; como um aperitivo, fique com o vídeo do próprio Cartola interpretando O Sol Nascerá, que ele compôs com Helton Medeiros:

 

 

 

Fotos: Vânia Toledo

Uba
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: