Peça: Casa Submersa, foto 1

Casa Submersa: peça da Velha Companhia fecha trilogia de Kiko Marques

De em setembro 13, 2019

Peça: Casa Submersa, foto 1

Kiko Marques assina o texto e a direção, além de integrar o elenco da peça

O ator, diretor e dramaturgo Kiko Marques diz que seu novo trabalho, Casa Submersa, em cartaz no Espaço Cênico do SESC Pompeia , é fruto de um sonho que ele teve: estava num rio do norte do país ou num lago artificial em Brasília e sabia que precisava mergulhar para encontrar uma casa que estava no fundo. A história desta casa precisava ser contada, a saga da família desta casa — comum a de tantas famílias deste nosso país tão violento — precisava vir à tona.

Partindo deste mote e usando do método de trabalho da Velha Companhia (estudo e leituras, palestras e muito ensaio com toda a equipe) é que surgiu a nova produção, em que uma bióloga marinha, depois de surtos e apagões de memória, começa a fazer mergulhos e, em estado de apneia (mergulho livre, sem aparelhos), deixa fluir seu inconsciente, vindo à tona sua verdadeira história pessoal, recheada de violência e abandono.

Peça: Casa Submersa, foto 2

Leonardo Fernandes é o escafandrista e Virgínia Buckowski, Maíra, a bióloga marinha

Ao entrar, os espectadores ficam sentados diante de uma grande parede de azulejos, parece o interior de uma piscina. Nada mais adequado, já que a bióloga Maíra, vivida por Virgínia Buckowski, trabalha num aquário. A estrutura da montagem é dividida em três partes, representando os três níveis de apneia no mergulho: na primeira Maíra está com os amigos do trabalho que prepararam uma festa surpresa de seu aniversário. Nesta fase ela já apresenta apagões de memória e é encaminhada ao psiquiatra (Rodrigo Vellozo).

 

Na segunda fase, sempre com a ajuda do escafandrista (Leonardo Fernandes), Maíra realiza mergulhos para dentro de seu interior e visita a sua casa familiar submersa em seu inconsciente. Neste momento sua verdadeira história familiar é revisitada: o que ela apagou da memória vem à tona, como sua relação com os irmãos e com a mãe (Juliana Sanches), seu abandono e, principalmente, o assassinato do pai (Valmir Sant’Anna), que descobriu uma rede de crimes de poderosos locais.

Já a terceira etapa, ciente de seu passado e de sua história, Maíra se envolve emocionalmente com o algoz de sua família, interpretado por Kiko Marques, e executa sua vingança. Dito desta forma parece que a trama é linear. Mas a saga de Maíra é descoberta de forma aleatória e o espectador vai montando o grande quebra cabeças da história dela, que pode ser entendida como a metáfora da história de um país violento como o Brasil.

“O dramaturgo Kiko Marque e os artistas da Velha Companhia empreendem um mergulho poético e audaz pelas histórias submersas de um país cada vez mais atormentado pelas políticas de morte e pelos fantasmas de seus desaparecidos e assassinados. Perdemos o fôlego: o que pode, então, um corpo? E o que fica de um corpo, de nosso próprio corpo?”, indaga Maria Fernanda Vomero, pedagoga teatral e provocadora cênica.

 

Peça: Casa Submersa, foto  3

Montagem de grande impacto conta com 14 atores em cena


Casa Submersa
fecha a trilogia das águas de Kiko Marques: se em Cais ou da indiferença das embarcações a trama mostrava a saga de um povoado de uma ilha e em Sinthia a história das águas paradas e turvas do autoritarismo, desta vez o autor remexe nas águas do inconsciente de um país.

Sem dúvida uma montagem impactante, com os elementos cênicos — cenografia, iluminação, trilha sonora e videografismo — muito bem conectados para o fluir narrativo. A interpretação coesa dos 14 atores é o ápice do espetáculo, com destaque para Virgínia Buckowski, Juliana Sanches, Valmir Sant’Anna, Leonardo Fernandes e Marcelo Diaz. Não perca, últimas apresentações. Que venham outras temporadas.

 

 

 

Roteiro:
Casa Submersa
. Texto e direção: Kiko Marques. Assistente de direção: Mateus Menezes. Elenco: Adriana Dham, Alejandra Sampaio, Ana Negraes, Bruno Menegatti, Kiko Marques, Leonardo Fernandes, Marcelo Diaz, Marcelo Marothy, Patricia Gordo, Rodrigo Vellozo, Sandra Nanayna, Valmir Sant’Anna, Virgínia Buckowski e Willians Mezzacapa. Cenografia e iluminação: Marisa Bentivegna. Figurinos: João Pimenta. Trilha sonora original/direção musical: Bruno Menegatti. Videografismo: André Grynwask e Pri Argoud. Produção executiva: Marcela Büll. Designer gráfico:Fabricio Santos. Fotografia: Nelson Kao. Idealização do projeto: Velha Companhia
Serviço:
SESC Pompeia, Espaço Cênico(50 lugares), Rua Clélia, 93, tel.: 11 3871-7700. Horários: de quinta a sábado às 20h e domingo às 18h. Ingressos: Ingressos:R$ 20, R$ 10 e R$ 6. Bilheteria: de terça a sábado das 9h às 21h; domingos e feriado das 9h às 18h. Duração: 160 min (15 min de intervalo). Classificação: 14 anos. Temporada: até 22 de setembro.

 

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: