Peça: Céus, foto 1

Céus: tragédia contemporânea de Wajdi Mouawad discute o terrorismo

De em outubro 31, 2017

Peça: Céus, foto 1

Elenco: Rodrigo Pandolfo, Felipe de Carolis, Marco Antônio Pâmio, Karen Coelho e Isaac Bernat

Depois do imenso sucesso no país do espetáculo Incêndios , que conquistou diversos prêmios, o diretor Aderbal Freire-Filho e o ator e produtor Felipe de Carolis resolveram retomar a dramaturgia do libanês Wajdi Mouawad, exilado em Paris/França. Eles montaram no ano passado, no Rio de Janeiro, Céus, a última peça da tetralogia do autor, Sangue de Promessas, composta por Litoral, Incêndios e Floresta.
O espetáculo acaba de estrear no Teatro VIVO e a trama gira em torno de cinco técnicos em criptografia (decodificação de texto) que, isolados num bunker, têm como missão desvendar os enigmas do plano de um grupo terrorista e, assim, desarticular um iminente ataque em várias cidades pelo mundo. No elenco, os atores Felipe de Carolis, Marco Antonio Pâmio, Rodrigo Pandolfo, Isaac Bernat e Karen Coelho.

Peça: Céus, foto 2

Carolis e Aderbal Freire-Filho (vídeo): perfeita sincronia palco-telão

A peça começa na plateia com o chefe do grupo, Blaise Centier (Isaac), entrevistando Clément Szymanowski (Felipe), o jovem criptógrafo que chega para substituir Valery Masson que acabara de se suicidar (participação de Aderbal em vídeo). Depois de comunicar ao grupo a morte do companheiro e apresentar o novo integrante, o chefe informa que eles só serão liberados depois de desvendar os planos dos terroristas. As investigações incluem tanto as razões que levaram Blaise ao suicídio como as pistas do iminente atentado, que estão atreladas a uma famosa pintura renascentista. Paralelamente às investigações, as histórias pessoais dos técnicos vêm à tona e o espectador passa a conhecer as trajetórias de cada um deles. Assim Charlie Eliot Johns (Pâmio) precisa resgatar sua relação com o filho Viktor (participação em vídeo de Antonio Rabelo), Blaise lida com sua separação conjugal, Vincent Chef-chef (Pandolfo) discorda da chefia e luta pelo poder do grupo, Dolorosa Haché (Karen) tem de resolver o que fazer depois que descobre estar grávida de Valery e Clément lidera as investigações graças a sua íntima relação com Valery, que deixa somente a ele as pistas que levarão ao desfecho do caso.
Além de exigir plena atenção do espectador na descoberta das pistas, o texto de Mouawad propõe nova versão sobre as razões que levam ao terrorismo:

“A questão atual do terrorismo não é mais vista como um conflito entre Oriente e Ocidente. Na verdade, a peça caminha para uma discussão mais profunda, que vai muito além das divisões territoriais, das questões religiosas. O autor tira o atentado do lugar comum e amplia o debate para um discurso contra a guerra”, argumenta Aderbal Freire-Filho.

Escrita em 2009, infelizmente Céus continua mais atual do que nunca, vide a proliferação de atentados terroristas pelo mundo nos últimos anos. Além de discutir um tema tão presente e corrosivo, o autor não dá trégua em nenhum instante, deixando a plateia atônita ao final da peça com o desfecho trágico. Destaque para a entrega e a interpretação vigorosa dos cinco atores, que permanecem em cena o tempo todo e manipulam os elementos cênicos a cada troca de cena. Espetáculo denso, reflexivo, mas que poderia ser mais enxuto (são duas horas de duração). Programe-se, temporada vai até 10 de dezembro.

Peça: Céus, foto 3

Isaac e Carolis também atuaram em ‘Incêndios’

 

Roteiro:
Céus. Texto: Wajdi Mouawad. Direção Aderbal Freire-Filho. Elenco: Felipe de Carolis, Rodrigo Pandolfo, Marco Antônio Pâmio, Karen Coelho e Isaac Bernat. Cenografia: Fernando Mello da Costa. Iluminação: Maneco Quinderé. Figurinos: Antonio Medeiros. Direção musical: Tato Taborda. Vídeos e projeto gráfico: Radiográfico. Visagismo: Erica Monteiro. Fotografia: Leo Aversa. Produção executiva: Juliana Cabral. Produção: Tema Ev. Cult e E-MERGE.
Serviço:
Teatro VIVO (274 lugares), Av. Dr. Chucri Zaidan, 2460, tel. 11 3279-1520. Horários: sexta às 20h, sábado às 21h e domingo às 18h. Ingressos: sexta R$ 50, sábado e domingo R$60.  Duração: 110 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 10 de dezembro.


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento