Peça: Cindy, foto 1

Cindy: monólogo de Gabriel Miziara discute o conceito de gênero

De em outubro 25, 2017

Peça: Cindy, foto 1

Gabriel Miziara vive Cindy Spencer que reúne o masculino e o feminino num único ser

Com humor e descontração, Gabriel Miziara dá vida àquela que se diz ‘a nova mulher’, a glamourosa Cindy Spencer. Com dramaturgia do próprio ator em parceria com o diretor Marcelo Lazzaratto, Cindy, em final de temporada no Viga Espaço Cênico, é um espetáculo que procura discutir o conceito de gênero. Tendo como fonte de inspiração obras de Virginia Woolf, Gore Vidal, Caio Fernando Abreu, Oscar Wilde, Elisabeth Bishop, Gertrude Stein e Marguerite Yourcenar, o monólogo quebra as barreiras entre o masculino e o feminino por meio da trajetória de Cindy Spencer, que reúne o ideário e as características dos personagens destes autores, que sempre tiveram a diversidade como mote de seus trabalhos.

Peça: Cindy, foto 2

Cindy Spencer não é dramática, é uma pessoa de bem com a vida

O espetáculo começa com a entrada de Gabriel, como se ele estivesse chegando ao seu escritório ou a um estúdio de arte. Ele liga o som, o computador — plugado a um telão — e começa sua pesquisa. As imagens projetadas são das grandes divas do cinema hollywoodiano. Ele também se utiliza de vários livros que estão embaixo da mesa de trabalho e faz anotações. Além desta pesquisa, ele cria um figurino para um manequim que está ao lado dos espectadores. É nesta hora que o ator interrompe tudo e conversa com a plateia, dando início literalmente ao espetáculo. Começa contando como surgiu Cindy, aquele ser que pode ser homem/mulher, não importa. O que realmente importa é a sua essência.

“Durante o período de pesquisa e dos ensaios, eu e  Marcelo Lazzaratto entendemos que poderíamos construir uma única figura baseada em várias personagens e, assim, discutir o masculino e o feminino presentes em um único ser. Assim Cindy Spencer nasce com o desejo de quebrar regras, de subverter a ordem e instaurar seu império, o do amor. Este espetáculo é um ato em favor do amor, do amor por ser o que se é”, argumenta Gabriel Miziara.

 

Mesmo tocando em temas sensíveis e delicados, como o da identidade de gênero, sexualidade e diversidade sexual, o tom do espetáculo é leve e bem-humorado. Cindy Spencer não é dramática, é uma pessoa de bem com a vida, tanto que na cena que fantasia o corte do falo, ela corta uma cenoura em vários pedaços e depois oferece aos espectadores. O grande destaque da peça é sem dúvida para o domínio de cena de Gabriel Miziara, que além de dar vida à Cindy, compõe os demais personagens da vida dela (com sutis modulações de voz) e interage com os demais elementos cênicos (telão, computador, esteira rotativa e manequim).

Pena que esta temporada paulistana foi pequena (um mês na Biblioteca Mário de Andrade e 10 sessões no Viga, que acaba na próxima terça, dia 31/10). Miziara avisa, no entanto, que pretende levar para o Rio de Janeiro no primeiro semestre de 2018 tanto Cindy como As ondas ou uma autópsia , apresentada aqui no ano passado.

 

 

Peça: Cindy, foto 3

Miziara tem completo domínio cênico

 

 

Roteiro:
Cindy
. Dramaturgia: Gabriel Miziara e Marcelo Lazzaratto (livre adaptação de textos de Gertrude Stein, Gore Vidal, Marguerite Yourcenar, Pier Paolo Pasolini e Virginia Woolf). Direção e cenografia: Marcelo Lazzaratto. Elenco: Gabriel Miziara. Figurino: Isabela Teles e Edson Braga. Edição de vídeo: Caio de Pietro. Fotografia: João Caldas. Produção executiva: Larissa Barbosa. Produção: Canto Produções e MeiMundo.
Serviço:
Viga Espaço Cênico, Sala Piscina (35 lugares), Rua Capote Valente, 1323, tel. 11 3801-1843. Horários: segunda e terça às 21h. Ingressos: R$40 e R$20. Duração: 60 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 31 de outubro.

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: