Peça: Beije Minha Lápide, foto 1

Com Nanini, peça de Jô Bilac reverencia vida e obra de Oscar Wilde

De em janeiro 23, 2015

Peça: Beije Minha Lápide, foto 1

Marco Nanini interpreta um fã de Oscar Wilde que é preso após quebrar a barreira de vidro do túmulo do ídolo

Um olhar sensível e analítico para a vida e obra do escritor irlandês Oscar Wilde, sem pretender fazer uma biografia. Este o mote central do espetáculo Beije Minha Lápide, que acaba de estrear no SESC Consolação, Teatro Anchieta, em curta temporada. Um projeto que une a maturidade e experiência do grande ator Marco Nanini com a garra da jovem e talentosa Cia. Teatro Independente, que vem de premiados e prestigiados trabalhos, como Cachorro, Rebu e Cucaracha.
Com direção de Bel Garcia e texto inédito de Jô Bilac, Nanini — que divide o palco com Carolina Pismel, Júlia Marini e Paulo Verlings — interpreta Bala, um personagem que é fã ardoroso de Wilde e ao mesmo tempo tem uma vida análoga ao escritor. Ao tentar beijar a lápide de seu ídolo, Bala quebra a barreira de vidro que isola o túmulo de Oscar Wilde no famoso cemitério de Paris, Père Lachaise, e é confinado numa cela de vidro. Assim como Wilde, Bala também escreve enquanto está preso e seus textos são uma referência direta à obra e aos personagens do irlandês.

Peça: Beije Minha Lápide, foto 2

Júlia Marini, Paulo Verlings e Carolina Pismel dividem o palco com Nanini

O espetáculo tem início com a cela de vidro em destaque — praticamente único elemento do cenário, assinado por Daniela Thomas — e a filha de Bala, interpretada por Júlia, que trabalha como guia no cemitério Père Lachaise, dá instruções a um grupo de como se localizar entre os inúmeros túmulos das personalidades ali enterradas. Corte e, quando voltam as luzes, Bala já está confinado e discorre sobre sua situação e a injustiça por que passa. Do lado de fora da cela de vidro só o guarda (Verlings), que trava com o preso uma inusitada relação, em que há um misto de admiração, repulsa, atração, distância e carinho entre os dois. A quarta personagem, vivida por Carolina, é a advogada que precisa usar de todos os argumentos para convencer Bala a deixá-la trabalhar em sua defesa. Com o decorrer da trama o espectador percebe que a advogada foi contratada pela filha de Bala e que elas mantêm uma forte e íntima amizade.

 

“O vidro ironiza de forma bem cruel a sensação de confinamento pela qual Wilde passou injustamente, ao ser condenado por sodomia. O texto tem muitas analogias com a vida e a obra de Oscar Wilde, com algumas citações explícitas e outras que se refletem nas falas e nas histórias das personagens criadas por Jô Bilac”, explica Marco Nanini.

 
Beije Minha Lápide, que já cumpriu temporada de sucesso no Rio, com indicações a vários prêmios, também deve repetir o êxito em São Paulo. Além de fazer uma homenagem a Wilde, que morreu aos 46 anos em 1900, a montagem ressalta como os anseios e ideais do escritor ainda são tão atuais, vide as incontáveis manifestações de intolerância, homofobia e injustiça que pululam pelo mundo, todos os dias! O que me chamou muito a atenção é como o texto — criado por Bilac depois de um processo de discussão entre elenco e direção — não é uma obra fechada com destinos predeterminados; as indagações são levantadas, as histórias delineadas, mas o publico é provocado a refletir e construir a história.

Peça: Beije Minha Lápide, foto 3

Nanini vive personagem que tem vida análoga a Oscar Wilde

Com a iluminação (Beto Bruel), a projeção de vídeo (Julio Parente e Raquel André) e a trilha sonora (Rafael Rocha) muito bem articuladas, a direção de Bel Garcia cria um clima impactante que deixa o espectador plugado a tudo o que ocorre no palco. A sintonia em cena entre Julia e Carolina (já consagrada em Cucarracha) e a atuação precisa de Verlings, que imprime verdade à dúbia personalidade daquele guarda, engrandecem ainda mais a montagem. E a interpretação de Nanini mais uma vez revela que estamos diante de um dos maiores atores de sua geração. Fiquei impressionado com a cena em que a projeção do vídeo se justapõe à fala do personagem na cela: vemos a versatilidade e as inúmeras nuances de interpretação do ator.
A temporada paulistana de Beije Minha Lápide é curta, só até 1º de março; portanto corra e não deixe de assistir.

 

Fotos: Cabéra

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

4 Comentários

Ed Paiva

fevereiro 5, 2015 @ 07:50

Resposta

Olá Maurício!
Acompanho seu blog com interesse pois sempre oferece ótimas sugestões culturais. Sobre “Beije Minha Lápide”, gostei do texto de Jô Bilac. Gostaria de ler a peça para acompanhar com mais atenção e tempo a sequência de falas dos personagens. Marco Nanini é fantástico em cena e a concepção do cenário, com as projeções nas paredes de vidro que formam a cela, poderiam ser consideradas uma obra de arte à parte.

Maurício Mellone

fevereiro 5, 2015 @ 09:44

Resposta

Ed,
td bem?
O Jô é um talento jovem que nos encanta, um dramaturgo que
sempre surpreende. Acompanho a carreira dele de perto
e percebo que temas já discutidos em outras peças
aqui em ‘Beije…’ são aprofundados (em que vínculo de tempo
acontece as cenas entre o prisioneiro e o guarda?
Em ‘Cucaracha’ ele já desenvolvia esta técnica com a paciente e
a enfermeira).
Concordo com vc sobre a cenografia da Daniela Thomas, verdadeira
obra de arte.
Obrigado por sua visita, a primeira de 2015! Que sejam muitas!
bjs, querido!

sergio

janeiro 23, 2015 @ 11:39

Resposta

Bela matéria Maurício!

Maurício Mellone

janeiro 26, 2015 @ 15:02

Resposta

Bruno,
que bom q vc gostou do que escrevi
(mesmo vc discordando da minha opinião….) rsrs
Obrigado pela visita
bjs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: