Em Pequeno Relato sobre o Caos, Mario Garrone inova com uma linguagem direta e envolvente

De em junho 15, 2012

Segundo romance de Mario Garrone lançado pela Chiado Editora

O jornalista e escritor Mario Garrone, que para a minha honra colabora com este blog publicando seus contos inéditos  — Ataliba e o Gato Angorá, A Mulher sem Dente, A Vida Segundo Zulmiro Lim e Os Sentimentos Ruins —, acaba de lançar pela Chiado Editora seu segundo romance, Pequeno Relado sobre o Caos. Com versatilidade e estilo próprio, Garrone nesta obra relata duas histórias que caminham paralelamente. Na primeira temos a cabeleireira Doroti, uma negra de 43 anos que é abordada numa noite na Praça da República por um garotão loiro de 19 anos. Com receio no início, a mulher cede ao galanteio do rapaz e fica com seu telefone. Uma atração avassaladora toma conta do casal e em pouco tempo eles passam a dividir a vida. Do outro lado desta história, temos o advogado aposentado Alcibíades, que aos 83 anos acaba de comemorar as bodas de ouro com sua esposa Dircinha e ambos partem para a Europa. Tudo parece correr às mil maravilhas para o aposentado, mas logo ao desembarcar ele recebe um telefonema que irá modificar radicalmente sua vida.
O autor divide seu Pequeno Relato em quatro partes: além do prólogo, em cada uma das partes vai discorrendo a história dos personagens centrais; assim a primeira parte é dedicada à cabeleireira e seu encontro com Gustavo, o adolescente que adora fumar maconha, ir ao cinema e odeia estudar e dar satisfação de sua vida para Lili, sua mãe. Na segunda parte o leitor tem a chance de conhecer Alcibíades: seu casamento morno com Dircinha e suas reminiscências, quando se envolveu com a cantora negra Nina Reis. Já na terceira parte, o romance de Doroti e Gustavo está a pleno vapor e as consequências deste inusitado casal também vêm à tona. A cabeleireira tem de lidar com todo o tipo de preconceito, enfrenta inclusive a sogra e eles passam a viver juntos. Na quarta e decisiva parte do livro as histórias dos dois protagonistas — Doroti e Alcibíades — se cruzam e o leitor é surpreendido: a narrativa ganha colorido policial e o desfecho do Caos é definido no último e eletrizante parágrafo, mantendo o suspense até o final.

Jornalista e escritor Mario Garrone, colaborador do Favo

Mario Garrone, autor de diversas peças teatrais e do romance O Homem Infeliz, Editora Imago/1998, em Pequeno Relado sobre o Caos optou pela ausência total de diálogos. Seu narrador onipresente, no entanto, traça um perfil psicológico detalhado de todos os personagens. O que mais me chama a atenção na obra é a linguagem direta. Com frases curtas e interligadas, Garrone traça um painel das situações e circunstâncias:

Olegário reparou no retrato. Reparou também que, enquanto Doroti estava lá com a boca aberta, o dentista ficava entre a boca e ele. Mais nele do que na boca.
O primeiro beijo aconteceu numa terça.

Outro exemplo da linguagem direta do autor:

 

Ela reconheceu que seria um problema parir. Não foi fácil, porém, abrir mão da criança.

Como acompanho a carreira de Mario Garrone de perto, sei que este livro (depois de muito esforço para sua publicação) foi escrito antes dos contos publicados aqui no Favo. O leitor atento poderá também constatar — depois de ler os contos — que o estilo do autor está mais apurado. Seu talento e criatividade merecem chegar ao grande público; que os editores estejam atentos e sensíveis ao novo. Mario, vida longa à sua carreira literária!

Serviço:
Pequeno Relado sobre o Caos
, de Mario Garrone. Chiado Editora, 205 páginas. Se tiver dificuldade em encontrar a obra, solicite seu exemplar pelos sites: www.chiadoeditora.com ou www.wook.com. O livro está disponiível na livraria do Espaço Itaú de Cinema/Augusta e na livraria online www.livrariaroteiro.com.br

Fotos: divulgação

 


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento