Peça: Estado de Sítio, foto 1

Estado de Sítio: versão de Gabriel Villela ao clássico de Albert Camus

De em novembro 15, 2018

Peça: Estado de Sítio, foto 1

Elenco formado por 14 atores liderados por Elias Andreato, Claudio Fontana e Chico Carvalho

O diretor mineiro Gabriel Villela — retratado no livro Imaginai, de Dib Carneiro Neto e Rodrigo Audi, vencedor do Prêmio Jabuti/18, categoria Artes — volta a encenar uma peça do dramaturgo franco-argelino Albert Camus. Em 2008 dirigiu Calígula e agora está à frente da montagem de Estado de Sítio, em cartaz no Sesc Vila Mariana, uma visão alegórica e crítica do autor para as sociedades comandadas por governantes autoritários e/ou totalitários.

Numa superprodução que envolve 14 atores em cena, liderados por Elias Andreato, que vive a Peste, Claudio Fontana, que interpreta a Morte, e Chico Carvalho, o Nada, a trama é sobre a chegada da epidemia à cidade de Cádiz, na Espanha, e sobre a separação de um casal enamorado, Vitória e Diego, interpretados por Mariana Elisabetsky e Pedro Inoue, que são os únicos da cidade a se opor à tirania.

Peça: Estado de Sítio, foto 2

A Peste (Andreato) e a Morte (Fontana) chegam para aterrorizar

 

Usando de muita metáfora, símbolos e alegorias (marca registrada do conhecido teatro barroco de Villela),  a montagem começa com o pausado desfile  de uma figura vestida de branco, com um guarda chuva que espalha talco pelo trajeto, representando o Cometa (Nathan Milléo Gualda). No rasto do cometa, quem chega triunfante é a Peste, com sua secretária a Morte, aterrorizando todos os moradores. Seu primeiro ato é depor os governantes e instaurar um regime totalitário, com a suspensão das liberdades individuais. Quem vê a tudo com sarcasmo e ironia é o Nada, que também tem a função de narrador.

Em contraposição à tirania, quem se rebela são os apaixonados Diego e Vitória, que tentam, de maneira corajosa, liderar uma revolta, mas são derrotados e obrigados a se separar. Como os heróis das tragédias, Diego se sacrifica para livrar a amada da morte.

 

“A riqueza dramatúrgica de Camus não se limita a um contexto histórico específico nem a um campo político delimitado, mas é um mosaico de teatralidades que nos lembra que a liberdade exige esforço coletivo e contínuo”, afirma Gabriel Villela.

 

 

Estado de Sítio, de acordo com a direção (Villela e os assistentes Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo) não é uma tragédia, mas contém muitos elementos trágicos, como a presença do coro que entoa cânticos trágicos, com músicas ciganas e canções revolucionárias, entremeados ao texto falado. Outra característica da montagem é a tonalidade: diferentemente da maioria das peças do diretor mineiro em que cores vivas e carnavalescas predominam, desta vez ele optou só pelo preto e branco, que por si só simbolizam a contraposição, o duelo do bem contra o mal. A maquiagem, as máscaras e os adereços de cabeça também estão inseridos neste conceito. Outro destaque é para a cenografia de J.C. Serroni, que introduz elementos para simbolizar a peste, o mal e a forma autoritária de governar, como gafanhotos, aranhas, arapuca para prender animais e aves e a grande nuvem, uma coroa de espinhos, que desce sobre a cidade oprimindo ainda mais as pessoas.

 

Peça: Estado de Sítio, foto 3

Chico Carvalho vive personagem sarcástico

 

 

Sem dúvida um espetáculo de extrema plasticidade, que causa grande impacto. No entanto o uso excessivo metáforas e elementos místicos prejudica a compreensão da dramaturgia de Camus, já recheada de alegoria e simbologia. Entretanto, o jogo cênico envolvente, as canções e a sintonia dos atores deixam o espetáculo vibrante e contundente. Destaque para a performance de Chico Carvalho, que com uma entonação grave da voz (incomum na carreira dele), enfatiza seu personagem sarcástico e ferino. Temporada só até 16 de dezembro; programe-se!

 

 

 

 

 

Roteiro:
Estado de Sítio. Texto: Albert Camus. Tradução: Alcione Araújo e Pedro Hussak. Adaptação e figurinos: Gabriel Villela. Elenco: Elias Andreato, Claudio Fontana, Chico Carvalho, Arthur Faustino, Cacá Toledo, Daniel Mazzarolo, Kauê Persona, Marco França, Mariana Elisabetsky, Nathan Milléo Gualda, Pedro Inoue, Rogério Romera, Rosana Stavis e Zé Gui Bueno. Cenografia: J C Serroni Iluminação: Domingos Quintiliano. Direção musical: Babaya e Marco França. Diretores assistentes: Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo. Fotografia: João Caldas Fº. Produção executiva: Luiz Alex Tasso. Direção de produção: Claudio Fontana.
Serviço:
Sesc Vila Mariana (608 lugares), Rua Pelotas, 141, tel.11 5080-3000. Horários: de quinta a sábado às 21h e domingo e feriados às 18h. Ingressos: R$ 40, R$ 20 e R$ 12. Bilheteria: de terça a sexta-feira, das 9h às 21h30; sábado, das 10h às 21h; domingo e feriados, das 10h às 18h30. Venda: unidades do Sesc. Duração: 90 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 16 de dezembro.

 

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: