Peça: Eu não sou Harvey, foto 1

Eu não sou Harvey- o desafio das cabeças trocadas: solo com Ed Moraes

De em fevereiro 17, 2020

Peça: Eu não sou Harvey, foto 1

Com texto e direção de Michelle Ferreira, Ed Moraes revive os últimos anos de Harvey Milk

 

 

Num momento em que ideias conservadoras e a intolerância voltam a ganhar força no mundo e no Brasil, o espetáculo Eu não sou Harvey- o desafio das cabeças trocadas, que acaba de estrear no Sesc Pinheiros, serve como antídoto. Com texto e direção de Michelle Ferreira, o ator Ed Moraes revive em cena os últimos anos de vida de Harvey Milk, ativista dos direitos da comunidade LGBTQIA+ nos EUA, considerado o primeiro político assumidamente gay a ser eleito a um cargo público em seu país. No entanto, Milk foi brutalmente assassinado em 1978, depois de apenas 11 meses de mandato como vereador de São Francisco/Califórnia.

 

A montagem não é uma biografia do ativista norte-americano, mas a autora usa a experiência de vida pública dele como referência para refletir sobre a realidade do Brasil de hoje, que é o país que mais mata pessoas da comunidade LGBT.

 

Peça: Eu não sou Harvey, foto 2

Além de atuar, Ed assina o figurino e a produção

 

Num cenário minimalista assinado por Márcio Macena (apenas uma poltrona e uma escrivaninha, ambas de madeira), o ator sobe ao palco vindo de trás da plateia e deixa claro, enfatizando o título, que não é Harvey Milk. É um ator que tem como desafio revelar o horror vivido pelo ativista norte-americano na década de 1970, assassinado por outro vereador. Mais do que expor a homofobia e a intolerância sofrida por Milk, o texto procura trazer inferências do capitalismo e da história do Brasil para que o espectador reflita sobre a realidade atual e a barbárie de sermos o país que lidera o ranking de extermínio de cidadãos da comunidade LGBTQIA+.

 

 

 

 

“Este solo é um passeio por pensamentos econômicos, científicos e históricos que permeiam os últimos séculos da humanidade. Vivemos em um mundo capitalista complexo e temos que saber da nossa História e de onde as coisas vêm e porque elas acontecem. A ideia é, por meio desses processos, contar porque uma coisa que parece impossível ou ridícula foi possível. E se não tomarmos cuidado voltará a acontecer. É importante falar não apenas da vida de uma pessoa, mas dos processos históricos de toda a humanidade”, argumenta Michelle Ferreira.

 

Por mais que os fatos narrados da trajetória de Milk sejam trágicos, o texto não é denso, justamente por conter informações histórias e provocar reflexões sobre o cotidiano contemporâneo. O que propicia esta empatia com o público é a sensível e comovente interpretação de Ed Moraes, que desde a cena inicial se conecta com o espectador. Com pleno domínio cênico, Ed sabe utilizar os demais elementos (cenário, luz e trilha) para melhor conduzir a narrativa e assim incitar à reflexão. Confira: a temporada é curta (faz uma parada no Carnaval), mas permanece em cartaz até 14 de março.

 

 

 

Peça: Eu não sou Harvey, foto 3

Pleno domínio cênico

Roteiro:
Eu não sou Harvey- o desafio das cabeças trocadas. Texto e direção: Michelle Ferreira. Atuação, idealização e figurino: Ed Moraes. Iluminação: Karine Spuri. Direção musical: Mau Machado. Cenário: Márcio Macena.  Fotografia: Caio Oviedo/Gustavo Steffen/Amanda Clemente. Videomaker: Geraldo Arcanjo. Designer gráfico: Pietro Leal. Orientação de processo: Georgette Fadel. Orientação corporal: Tainara Cerqueira. Produção: Arrumadinho Prod. Artísticas. Direção de produção: Ed Moraes.
Serviço:
Sesc Pinheiros, Auditório (98 lugares), Rua Paes Leme, 195, tel. 11 3095-9400.
Horários: de quinta a sábado às 20h30 (exceto dias 15 e 22/2). Ingressos: R$ 30, R$15 e R$9. Duração: 60 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 14 de março.

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: