Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios: grande atuação de Camila Pitanga

De em maio 2, 2012

Camila Pitanga como Lavínia mostra que está madura e realiza um trabalho marcante

Nova parceria de Beto Brant e Marçal Aquino, que já fizeram a quatro mãos os roteiros de Cão sem dono, Crime delicado, Ação entre amigos e Os matadores, além da adaptação do livro O Invasor. Desta vez outro romance de Aquino, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios, chega às telonas numa adaptação dos dois e de Renato Ciasca, que codirige o filme ao lado de Brant. Na ficção, triângulo amoroso é muito comum por trazer em sua essência conflitos e sentimentos multifacetados. Neste filme, entretanto, a relação amorosa envolvendo três pessoas é extremamente delicada e numa região do Brasil em que as questões de honra ainda são resolvidas com sangue e morte. O fotógrafo Cauby (Gustavo Machado) trocou o sul do país onde trabalhava em revista semanal pela beleza amazônica, fixando-se num vilarejo do Pará, onde se envolve com Lavínia, interpretação marcante de Camila Pitanga, que é casada com o pastor Ernani (Zecarlos Machado). Mais do que a traição, outras questões políticas e econômicas envolvem o caso de Lavínia, Cauby e Ernani, com desfecho inesperado.

Gustavo Machado e Camila vivem um tórrido caso de amor

A trama começa com Cauby fotografando a região e garotas brejeiras do vilarejo; logo conhece Lavínia, se encanta e faz de tudo para que ela pose para ele em seu estúdio. A princípio a garota se mostra arredia, mas cede e em pouco tempo a relação fotógrafo/modelo se expande e os dois vivem um tórrido caso amoroso. Tudo acontece às escondidas e ninguém pode saber, já que ela é casada com o pastor do lugar. Como se uma relação tão explosiva como esta pudesse ficar restrita a quatro paredes!
Salto na trama e o espectador sabe do passado do casal: nas ruas de São Paulo, Ernani conhece Lavínia, que se prostitui e é viciada em drogas e álcool. Já recuperado do vício, ele trata da moça e, com a ajuda da religião, ambos resolvem mudar de vida no norte do país.
Entre idas e vindas no tempo, o cotidiano do vilarejo do Pará passa a ser o foco central. Numa região de desmatamento e lutas entre índios, posseiros, fazendeiros e grandes exploradores da madeira, o pastor em seus sermões aponta as irregularidades que ocorrem na região, o que provoca a ira de muita gente endinheirada. O caso amoroso de Lavínia e Cauby serve apenas como bode expiatório de uma violenta disputa social, política e econômica.
Num momento decisivo para o Brasil, em que os políticos aliados a ruralistas e empresários do agronegócio aprovaram um código florestal arcaico e danoso às futuras gerações, Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios poderá servir nesta discussão, ou no mínimo que as pessoas tomem consciência do que realmente acontece com nossas florestas por este país afora.

Zecarlos Machado é o pastor Ernani, que exerce forte influência política no povoado

Além de um roteiro muito bem articulado, os atores são a grande diferença desta produção, magnetizam a plateia. Gero Camilo tem uma participação brilhante na pele do afetado colunista social; Zecarlos Machado traz sua garra para um pastor evangélico convincente e político e Gustavo Machado emociona com sua paixão e destemor na luta de seu amor. Entretanto, Camila Pitanga supera-se: com um personagem denso e de emoções fortes (tem altos e baixos em diversas situações), a atriz mostra que está madura e realiza um trabalho marcante. Não deixe de se ater ao olhar de Lavínia: a cena final é surpreendente e prova o grau de entrega da atriz para uma composição tão delicada e cheia de nuances.

Fotos: divulgação


Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento