Filha, Mãe, Avó e Puta: Alexia Dechamps revive no palco a trajetória de Gabriela Leite

De em março 16, 2012

Alexia Dechamps de cabelos pretos e bem caracterizada encarna a prostituta Gabriela Leite

A trilha sonora que o público é recebido ao entrar Teatro do CCBB-SP para assistir Filha, Mãe, Avó e Puta – Uma Entrevista já contribui para o clima do espetáculo: só canções românticas cantadas pelas divas Maysa, Elis Regina, Elizete Cardoso, Maria Bethania, Clara Nunes, Elza Soares. Nada melhor como introdução à inusitada trajetória de vida de Gabriela Leite: filha de um aristocrata paulistano com uma dona de casa analfabeta, que frequentou os melhores colégios da capital paulista, entrou na USP onde estudou filosofia e sociologia, mas por ter ficado grávida e ser rejeitada pela mãe, tornou-se prostituta na Boca do Lixo. De São Paulo, Gabriela tem uma passagem por Belo Horizonte/BH e depois muda-se para o Rio, onde se instala na Vila Mimosa. Lá, por não concordar com a discriminação e os maus tratos às prostitutas, encabeça movimentos reivindicatórios até criar a Associação Brasileira de Prostitutas, hoje a ONG Davida. É desta agremiação que surgiu a grife Daspu, que além de dar visibilidade às prostitutas, serve como meio de vida para a ONG na luta pelos direitos humanos e combate à Aids entre as prostitutas.
Guilherme Leme, que além da direção assina ainda cenografia e trilha sonora, optou por uma encenação contida: Alexia Dechamps na pele de Gabriela entra e senta-se ao lado de Louri Santos, que interpreta um jornalista. Ele, com a ajuda de um lap top, vai relatando o percurso da vida de Gabriela, desde a infância vivida no casarão da Vila Mariana da família aristocrática do pai, a passagem pela USP e a militância política e a guinada na vida dela, com o ingresso na prostituição. As perguntas são intercaladas com explicações e o relato factual da vida da entrevistada.
Com caracterização bem adequada (Alexia está de cabelos pretos e uma maquiagem que a deixa mais velha, já que Gabriela beira os 60 anos), a atriz antes de responder à indagação do jornalista sempre tem uma reação: concorda com o semblante, ri e na maioria das vezes respira fundo antes das respostas. A iluminação (assinada por Tomás Ribas) segue o tom das respostas: para perguntas amenas, o foco de luz permanece em ambos; no entanto quando as respostas envolvem emoção e passagens difíceis da vida de Gabriela, a luz é diminuída permanecendo somente na atriz.

Na estreia paulistana: Leopoldo Pacheco (visagista da peça), Alexia Dechamps, Gabriela Leite (personagem na qual a peça se baseia), Guilherme Leme (diretor) e Louri Santos

Filha, Mãe, Avó e Puta – Uma Entrevista, que já esteve em Brasília e Rio e fica por aqui até o dia 19 de abril, mesmo tratando de temas delicados (Gabriela foi rejeitada pela família e precisou abandonar as duas filhas) e da prostituição, ainda tabu para a maioria das pessoas — num determinado momento, ela pergunta ao jornalista se ele tem alguma amiga prostituta e ele constrangido diz que não— é leve e bem-humorada. A plateia se envolve nas histórias de Gabriela Leite e se surpreende com o destemor da personagem, que não só tem orgulho de sua profissão de prostituta como criou os dez mandamentos da categoria, todos com uma pitada de humor e ousadia!

Fotos: André Gardenberg


4 Comentários

André Gardenberg

março 28, 2012 @ 22:23

Resposta

Adorei fotografar a peça
Todos estão de parabéns
Bjos
André

Maurício Mellone

março 29, 2012 @ 14:37

Resposta

André:
A montagem sobre o livro da Gabriela Leite
é envolvente. Como vc, parabenizo toda a equipe!
Volte sempre visitar-me
abr

Mercedes

março 16, 2012 @ 19:11

Resposta

Muito boa a resenha, deu vontade de assistir a peça 🙂

Maurício Mellone

março 19, 2012 @ 15:38

Resposta

Mercedes:
Que ótimo receber sua visita!
A Alexia está muito bem e a história de vida da
Gabriela Leite é comovente; vc vai gostar da peça!
bjs e volte sempre!

Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento