Peça: Grande Sertão Veredas, foto 1

Grande Sertão: Veredas – instigante mundo de Guimarães Rosa no teatro

De em outubro 5, 2017

Peça: Grande Sertão Veredas, foto 1

Caio Blat lidera o elenco da montagem de Bia Lessa para o clássico da literatura brasileira

Considerado um marco da literatura brasileira e mundial, Grande Sertão: Veredas, de João Guimarães Rosa, acaba de ganhar uma dupla transposição. A diretora Bia Lessa transformou o espaço de convivência do SESC Consolação numa grande instalação de artes plásticas, que à noite passa a ser o palco para a representação teatral da grande obra literária brasileira.
Uma estrutura tubular em formato de uma gaiola abriga tanto a plateia como os 10 atores, que incorporam o universo de Rosa para contar a saga do jagunço Riobaldo, interpretado por Caio Blat, que atravessa o sertão para combater seu maior inimigo, Hermógenes (Leon Góes), e desvendar seus sentimentos amorosos pelo companheiro de aventura Diadorim, interpretado pela atriz Luiza Lemmertz. Além da estrutura do cenário que faz com que o espectador torne-se cúmplice da história, a peça só começa depois que todos colocam os fones de ouvido: sons dos animais, da mata, da natureza e as vozes dos atores transportam a todos para o sertão criado por Rosa.

Peça: Grande Sertão Veredas, foto 2

Luiza Lemmertz vive Diadorim, companheiro de Riobaldo (Blat)

A diretora, que assina ainda a concepção, a adaptação e a luz do espetáculo, há muito é admiradora do escritor mineiro, tanto que na inauguração do Museu da Língua Portuguesa, em 2006, criou a mostra sobre os 50 anos de lançamento do romance Grande Sertão: Veredas. Desta vez o desafio foi o de criar ‘o sertão que está dentro da gente’:

“Nosso caminho foi criar um trabalho onde homens, animais e vegetais estabelecessem uma relação de diálogo, sem supremacia entre eles. Não estamos exatamente no sertão, mas num espaço ecológico e metafísico onde tudo cabe. Um espaço, uma imagem que nos  possibilita a experiência proposta pelo romance. Escolhemos não utilizar grandes efeitos ou recursos, apenas os próprios atores”, esclarece Bia Lessa.

É assim que os 10 atores com figurino negro vão dando vida a todos os elementos do sertão, as aves, cavalos, vacas, vegetação e os valentes jagunços. Riobaldo inicia a narrativa de sua trajetória de vida divagando sobre questões existenciais, como vida e morte, o bem e o mal, Deus e o Diabo e a sua dúvida sobre a possibilidade de vender a alma ao satanás. O ingresso dele nos diferentes bandos de jagunços é relatado em seguida, para na sequência explicar como passou a perseguir seu maior inimigo, Hermógenes. Seus amores e o sentimento que não consegue definir por seu companheiro de batalha, Diadorim, dão norte à épica narrativa de Riobaldo, que só descobre que seu amigo, morto em batalha, era na realidade Maria Diadorina, filha de Joca Ramiro, cruelmente assassinado por Hermógenes.

Peça: Grande Sertão Veredas, foto 3

Além de palco, o espaço abriga a instalação

O espetáculo tem quase três horas de duração e os atores ficam em cena o tempo todo. Além do grande impacto que causa durante a apresentação, a montagem tem outra dimensão: a estrutura e a concepção espacial (criada por Camila Toledo e colaboração de Paulo Mendes da Rocha) e os 250 bonecos de feltro em tamanho natural por Fernando Mello Da Costa permanecem expostos durante toda a temporada, registrando a batalha final da morte de Diadorim.
Realmente muito difícil destacar a atuação de alguém do elenco, que desde maio ensaia para a criação do espetáculo. Mas a interpretação visceral de Caio Blat para o protagonista, assim como o vigor de Luiza Lemmertz na pele de Diadorim e Luisa Arraes, que faz vários papéis, inclusive Riobaldo jovem, precisam ser ressaltados. A trilha sonora de Egberto Gismonti e a sonorização de Fernando Henna e Daniel Turini são elementos cruciais para a concepção cênica de Bia Lessa para o universo de Guimarães Rosa. Sem dúvida um dos grandes espetáculos do ano. Pena que a temporada se estende só até o final de outubro. Os cariocas poderão conferir a montagem a partir de janeiro de 2018, no CCBB-RJ.  IMPERDÍVEL!

-Bia-Lessa--blog

Bia Lessa, responsável pelo espetáculo

 

 

 

 

Roteiro:
Grande Sertão: Veredas. Concepção, direção geral, adaptação e desenho de luz: Bia Lessa. Elenco: Balbino de Paula, Caio Blat, Daniel Passi, Elias de Castro, Leon Góes, Leonardo Miggiorin, Lucas Oranmian, Luisa Arraes, Luiza Lemmertz, Clara Lessa. Concepção espacial: Camila Toledo, com colaboração de Paulo Mendes da Rocha. Trilha sonora: Egberto Gismonti, colaboração de Dany Roland. Desenho de som: Fernando Henna e Daniel Turini. Adereços: Fernando Mello Da Costa. Figurino: Sylvie Leblanc. Fotografia: Roberto Pontes. Direção executiva: Maria Duarte. Idealização: 2+3 Produções Artísticas Ltda. Realização: Sesc, Ministério da Cultura.
Serviço:
SESC Consolação, área de convivência, Rua Dr. Vila Novas, 245. Horários: de quinta a sábado às 20h30 e domingo às 18h30. Ingressos: de R$ 40 a R$ 12. Vendas: portal do SESC e nas bilheterias das unidades. Duração: 160 minutos. Classificação: 18 anos. Temporada: até 22 de outubro.

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
26º Festival Mix Brasil da Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: