Peça: Há dias que não morro, foto 1

Há dias que não morro: peça traz rotina de 3 mulheres num cubo-mágico

De em outubro 17, 2019

Peça: Há dias que não morro, foto 1

Elenco: Aline Olmos, Laíza Dantas e Paula Hems

 

Em continuidade à pesquisa de linguagem iniciada com o premiado espetáculo anterior, Adeus, Palhaços Mortos, o grupo agora renomeado ultraVioleta_s apresenta a ousada montagem Há dias que não morro, em cartaz somente até o dia 27 de outubro no Espaço Cênico do SESC Pompéia.

 

 

Sem qualquer referência de tempo e lugar, três mulheres, interpretadas por Aline Olmos, Laíza Dantas e Paula Hemsi, estão inseridas num cubo-mágico-jardim e de forma repetitiva escancaram a rotina diária de suas vidas. O espetáculo foi concebido e dirigido de forma coletiva entre as atrizes e o diretor José Roberto Jardim a partir do texto de Paloma Franca Amorim.

 

 

Peça: Há dias que não morro, foto 2

Atrizes dividem concepção e direção com José Roberto Jardim

Antes de entrar na sala, os espectadores, no hall do teatro, já se deparam com uma instalação, em que a performer Mauriceia Rocha está deitada, vestida de palhaço, exatamente na porta; o espectador precisa passar por ela para entrar. No programa da peça há uma indagação provocativa que complementa a proposta do espetáculo: “Quem quase morre está vivo. E quem quase vive? Por favor, não pise o palhaço”.

 

Na trama, ou no que se poderia chamar de trama, as três mulheres vivem um dia inteiro, do acordar ao amanhecer, passando pelas tarefas corriqueiras até o entardecer e anoitecer, quando voltam a dormir. As ações e textos são repetidos exaustivamente, numa coreografia constante e metódica. O ritmado movimento das luzes projetadas no cubo contribui para definir a rotina das personagens. Sutilmente há pequenas alterações das falas e gestos e a primeira daquelas mulheres para de atuar (será a morte?). Sem mudanças ou reações diante deste fato novo, as outras duas continuam suas ações/vidas; novamente a segunda começa a alterar suas falas e gestos e também interrompe tudo. A terceira mulher, sem modificar seu comportamento, permanece em sua rotina até também vir a ficar estática. O desfecho é surpreendente, com o desmonte total de tudo o que se viu até então. A autora, ao comentar a repetição de falas, gestos e movimento de luzes e cores incita a uma reflexão sobre vida e morte:

 

 

“Eu me explico melhor pela analogia do cubo-mágico: quantas vezes o quadradinho azul terá que dar voltas no cubo para encontrar seus pares e finalizar o jogo? Quantos espantos encerrarão se, em meio a todas as vezes que ele se repete sob o olhar do jogador, numa delas, for possível por mágica ou teatralidade tornar-se vermelho?”, provoca Paloma Franca Amorim.

 

Espetáculo provocativo e de grande impacto visual, em que há perfeita sincronia entre iluminação (com seus movimentos circulares), trilha sonora, coreografia e interpretação das atrizes. Figurino (Carolina Hovaguimiam) e visagismo (Leopoldo Pacheco) também merecem ser ressaltados, pois são elementos fundamentais para a criativa e talentosa produção do grupo ultraVioleta_s. A quebra de expectativa no final é outro destaque da montagem (provocar a volta à realidade?) e o público ao sair da sala é mais uma vez surpreendido com a performance do palhaço. O espetáculo, de intensos 50 minutos, fez uma pré-estreia em maio na Turquia e encerra a primeira temporada no próximo dia 27/10. Mas retorna em novembro no Galpão do Folias. Confira!

 

 

 

 

Peça: Há dias que não morro, foto 3

Perfeita sincronia entre iluminação, trilha sonora, coreografia e interpretação das atrizes

Roteiro:
Há dias que não morro
. Idealização: Academia de Palhaços & ultraVioleta_s. Direção e concepção: Aline Olmos, José Roberto Jardim, Laíza Dantas e Paula Hemsi. Texto: Paloma Franca Amorim. Encenação: José Roberto Jardim. Elenco: Aline Olmos, Laíza Dantas e Paula Hemsi. Cenografia: Bijari. Direção musical e trilha sonora original: Rafael Thomazini e Vinicius Scorza. Iluminação: Paula Hemsi. Figurino: Carolina Hovaguimiam. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Preparação corporal: Maristela Estrela. Fotografia: Paula Hemsi e Victor Iemini. Produção executiva: Tetembua Dandara.
Serviço:
Sesc Pompeia, Espaço Cênico (50 lugares), Rua Clélia, 93, tel. 113871-7700. Horários: de quinta a sábado às 21h30, domingo às 18h30. Ingressos: R$ 30, R$ 15 e R$ 9. Duração: 50 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 27 de outubro.

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: