Peça: Histeria, foto 1

Histeria: Jô Soares dirige comédia sobre encontro entre Freud e Dali

De em maio 9, 2016

Peça: Histeria, foto 1

Cassio Scapin e Pedro Paulo Rangel na pele de Salvador Dali e Sigmund Freud

Estreou no Teatro Tuca neste final de semana a comédia do dramaturgo britânico Terry Johnson Histeria, dirigida por Jô Soares. A trama percorre um universo entre o sonho e a realidade e mostra Sigmund Freud, interpretado por Pedro Paulo Rangel, no fim da vida e com uma doença incurável, em Londres, em 1938, depois de ter escapado de um cerco nazista.
É nesta atmosfera, que antecede a segunda guerra mundial, que o pai da psicanálise em seus delírios revê um de seus casos famosos em que define a histeria. Uma jovem, vivida por Erica Montanheiro, bate à porta do famoso professor, em plena madrugada chuvosa, e suplica para ser atendida; ele reluta, mas é convencido pela moça e começa a sessão de terapia. No meio de uma tumultuada e confusa sessão, Freud recebe a visita do artista criador do surrealismo, o espanhol Salvador Dali, interpretado por Cassio Scapin. O encontro entre os dois existiu, mas o autor usa deste fato real para criar sua comédia recheada de confusão, intrigas e pantomima.

Peça: Histeria, foto 2

Scapin contracena com Erica Montanheiro em comédia britânica

A cena inicial — retomada ao final — é com Freud em seu espaçoso consultório londrino refletindo sobre um caso, quando é a abordado pela garota que insiste em entrar para falar com ele. A princípio o professor se recusa a abrir a porta, mas como ela insiste muito, ele não só abre seu consultório como é convencido a ouvi-la em terapia; a moça é espevitada e nada convencional e é durante a sessão que Freud recebe a visita de seu médico (Milton Levy) que o interpela e também do famoso pintor espanhol. As confusões estão criadas, já que as duas visitas não podem saber da paciente, um tanto intempestiva.
O texto mescla tons farsescos com uma discussão profunda sobre psicanálise. Senti um descompasso nesta proposta dramatúrgica: misturar Salvador Dali (retratado de forma caricatural) com um caso de profunda dor e dramaticidade
me pareceu incompatível.

 

Peça: Histeria, foto 3

Elenco: Scapin, Milton Levy, Pedro Paulo e Erica

No entanto, o destaque de Histeria é para a atuação dos atores (facilitada pela direção de Jô que ressalta o talento de cada um em cena), principalmente de Pedro Paulo Rangel, que emociona com sua composição para Freud no final da vida. O videografismo, assinado por André Grynwask e Pri Argoud e projetado no fundo do palco, é eletrizante e enaltece a figura de Freud. Espetáculo tem temporada prevista até final de julho.

 

 

Fotos: Priscila Prade

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: