RSS FACEBOOK TWITTER

Marco Ricca é o Boca de Ouro, clássico de Nelson Rodrigues


Marco Ricca interpreta o bicheiro que ostenta uma dentadura de ouro

Montagem traz a marca registrada de Nelson Rodrigues: o subúrbio carioca dos anos 40! Nada melhor para a comemoração dos 100 anos de nascimento do dramaturgo pernambucano (mas que foi o mais carioca de todos os cidadãos da cidade do Rio de Janeiro) do que encenar Boca de Ouro. A peça, dirigida por Marco Antônio Braz, retrata a vida do bicheiro Drácula de Madureira, interpretado com maestria por Marco Ricca, que como símbolo de seu poder mandou que um dentista trocasse seus dentes por uma dentadura de ouro! O projeto do SESI Nelson Rodrigues 100 anos inclui também ciclos de leituras dramáticas e debates, além da encenação de A Falecida, protagonizada por Maria Luisa Mendonça: as duas peças são apresentadas simultaneamente e alternadas, às quintas e sextas e aos sábados e domingos.
O público entra na sala de espetáculo e o elenco de 13 atores (que participa das duas peças) está no palco se preparando para a encenação. Com o início da peça, há um desfile de escola de samba estilizado, com o bicheiro sendo o grande destaque de um carro alegórico. Corte abrupto e no canto do palco a redação do jornal O Sol com o editor — caracterizado como Nelson Rodrigues que trabalhou em jornal por muito tempo — recebendo a notícia da morte do Boca de Ouro; ele designa um repórter para entrevistar Dona Guigui (Lara Córdulla) , ex-amante do bicheiro, com a intenção de revelar os bastidores da vida do contraventor. Ao se apresentar, o repórter Caveirinha (Alessandro Hernadez) não conta sobre a morte do bicheiro e a mulher começa a descarregar seu ódio contra o ex-amante; mas ao saber a verdade, ela tenta mudar a versão dos fatos.

Rodrigo Fregnan e Ricca em peça comemorativa aos 100 anos de Nelson Rodrigues

 

Com uma linguagem dinâmica, em que as cenas alternam passado e presente, o público vai se inteirando da trama, mesmo já conhecendo o final. Não por acaso Nelson é considerado o maior dramaturgo brasileiro: em Boca de Ouro fica evidente sua linguagem inovadora e revolucionária. De acordo com especialistas, esta é uma das obras mais abertas do teatro de Nelson Rodrigues, pois permite diversas leituras. Como o fio condutor da narrativa é a entrevista de Guigui, o perfil do bicheiro sofre modificações durante o relato; é sempre a versão que a amante tem de Boca de Ouro.
No projeto Nelson Rodrigues 100 anos, que permanece no SESI da Avenida Paulista até dezembro, Marco Antônio Braz é o responsável pela direção das duas peças e das leituras dramáticas; já os debates têm curadoria do escritor Ruy Castro. Acompanhe toda a programação pelo site www.sesisp.org.br/cultura

Fotos: João Caldas

 

, , , ,

4 Comentários para “Marco Ricca é o Boca de Ouro, clássico de Nelson Rodrigues”

  1. Naomy Says:

    Bom dia! Uma pena que só li a resenha agora, pois gostaria de sugerir “Rodriguianas, Tragédias para Rir ” que ocorreu no CCBB, na qual não vi a resenha por aqui. E como li seu prestígio ao grande escritor e sua lembrança de seu aniversário, creio que seria a pessoa indicada para comentar sobre a peça, como faz sempre muito bem com as demais.
    Obrigada por disseminar sempre bons espetáculos de uma forma singular. :D

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Naomy:
      Eu que agradeço seu carinho e sua atenção.
      A cidade oferece uma infinidade de opções de cultura
      e a gente não consegue acompanhar TUDO!
      Pena q perdi ‘Rodriguianas’…
      bjs e novamente obrigado. Volte sempre!

      responder

  2. Luiz Carlos Líbano Says:

    Que bom que foi conferir a sugestão dada por mim. Bela resenha e bela postagem. Como sempre primando pela beleza visual, pela delicadeza verbal e pela divulgação de espetáculos ímpares. Tudo de bom!

    responder

    • Maurício Mellone Says:

      Luiz:
      Nelson Rodrigues não pode deixar de participar do Favo, ainda mais neste ano
      que estamos comemorando os seus 100 anos de nascimento.
      Obrigado pela dica, pelos elogios e pela presença constante!
      bjs

      responder

Deixe uma resposta