Mente Mentira: relações conflituosas e neuróticas

De em agosto 28, 2010

Fernanda Machado e Malvino Salvador em Mente Mentira


Depois de apresentações em Curitiba, Manaus e interior paulista, está em cartaz no Teatro Raul Cortez a peça Mente Mentira (A Lie of the Mind) do dramaturgo e roteirista norte-americano Sam Shepard. No elenco Malvino Salvador, Fernanda Machado, Malu Valle, Zecarlos Machado, Augusto Zacchi , Roza Grobman, Keli Freitas e Marcos Martins. Com direção do paranaense Paulo de Moraes, o espetáculo fica em São Paulo até dezembro.
O público desde a primeira cena se vê envolvido no drama do casal Jake e Beth (Malvino e Fernanda). Transtornado e ainda abalado, ele conta ao irmão a cena de ciúme que viveu com a amada e a consequente violência que cometeu com ela. A cena seguinte é num leito hospitalar, onde Beth machucada física e psicologicamente busca se reabilitar. A separação forçada do casal faz com que ambos voltem a conviver com suas famílias, que habitam em ambientes nada saudáveis. Jake é filho de uma mãe superprotetora e viúva de um alcoólatra; já Beth tem um pai ausente e autoritário e uma mãe submissa e deprimida. Para completar esse quadro neurótico, o irmão de Jake nutre uma paixão secreta pela cunhada e o irmão de Beth também é temperamental e violento.
Shepard não dá trégua e mostra todas as feridas da sociedade contemporânea por meio dessas duas famílias norte-americanas. Conflitos, neuroses, ciúme, violência, alcoolismo, desamor. Esse é o caldeirão de emoções que nutre a relação afetiva de Jake e Beth: por mais que tudo concorra para a desunião, no fundo o amor entre ambos é real. O título da peça revela a dubiedade do personagem central: ele ama a esposa mas não deve concretizar esse amor. Jake e Beth se amam e ao mesmo tempo não podem viver um ao lado do outro.
O texto provoca reflexões e o riso das pessoas em algumas cenas é nervoso e constrangedor. Saí do espetáculo bem introspectivo e com um gosto amargo na boca. A sociedade contemporânea está mesmo doente. Há espaço para o amor?

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

13 Comentários

Cintia Quaresma

julho 26, 2011 @ 10:55

Resposta

Fico feliz em achar um espaço deste para discussão sobre o teatro. Gostaria muito de ter o texto: Mente Mentira – Sam Shepard, é possível? Não encontrei aqui.

Maurício Mellone

julho 26, 2011 @ 11:58

Resposta

Cintia:
Obrigado pelos elogios; adoro teatro e procuro fazer resenhas
dos espetáculos que me chamam a atenção e chegam aos palcos
paulistanos. Fiz uma resenha sobre Mente Mentira: procure pelas tags (digite
o nome da peça, do autor ou dos atores) ou vá à página 11 (28/ag/2010).
Um abraço e venha sempre!

Cintia Quaresma

agosto 3, 2011 @ 17:46

Resposta

Maurício,
Tudo bem?
Não estou conseguindo do jeito que você me orientou… Seria possível me enviar por e-mail? Aguardo.

Maurício Mellone

agosto 3, 2011 @ 18:30

Resposta

Cintia:
Não tenho o texto da peça (Mente Mentira);
eu fiz uma resenha da montagem que esteve em São Paulo no ano passado. Segue abaixo:

Depois de apresentações em Curitiba, Manaus e interior paulista, está em cartaz no Teatro Raul Cortez a peça Mente Mentira (A Lie of the Mind) do dramaturgo e roteirista norte-americano Sam Shepard. No elenco Malvino Salvador, Fernanda Machado, Malu Valle, Zecarlos Machado, Augusto Zacchi , Roza Grobman, Keli Freitas e Marcos Martins. Com direção do paranaense Paulo de Moraes, o espetáculo fica em São Paulo até dezembro.
O público desde a primeira cena se vê envolvido no drama do casal Jake e Beth (Malvino e Fernanda). Transtornado e ainda abalado, ele conta ao irmão a cena de ciúme que viveu com a amada e a consequente violência que cometeu com ela. A cena seguinte é num leito hospitalar, onde Beth machucada física e psicologicamente busca se reabilitar. A separação forçada do casal faz com que ambos voltem a conviver com suas famílias, que habitam em ambientes nada saudáveis. Jake é filho de uma mãe superprotetora e viúva de um alcoólatra; já Beth tem um pai ausente e autoritário e uma mãe submissa e deprimida. Para completar esse quadro neurótico, o irmão de Jake nutre uma paixão secreta pela cunhada e o irmão de Beth também é temperamental e violento.
Shepard não dá trégua e mostra todas as feridas da sociedade contemporânea por meio dessas duas famílias norte-americanas. Conflitos, neuroses, ciúme, violência, alcoolismo, desamor. Esse é o caldeirão de emoções que nutre a relação afetiva de Jake e Beth: por mais que tudo concorra para a desunião, no fundo o amor entre ambos é real. O título da peça revela a dubiedade do personagem central: ele ama a esposa mas não deve concretizar esse amor. Jake e Beth se amam e ao mesmo tempo não podem viver um ao lado do outro.
O texto provoca reflexões e o riso das pessoas em algumas cenas é nervoso e constrangedor. Saí do espetáculo bem introspectivo e com um gosto amargo na boca. A sociedade contemporânea está mesmo doente. Há espaço para o amor?

Adriano

setembro 14, 2010 @ 17:43

Resposta

SOU UM IGNORANTE EM TEATRO…APESAR DE APRECIAR MUITO…

ULTIMAMENTE TENHO CONFERIDO ALGUMAS PEÇAS INTERESSANTES E ME APAIXONANDO PELA MÁGICA DO CENÁRIO, DOS ATORES AO VIVO EM CENA…É ALGO…MUITO ADMIRÁVEL…QUERO ALGUM DIA PODER ME APROXIMAR MAIS DESSA ARTE…

BOA…DICA É ASSIM QUE A CULTURA TEATRAL CONSEGUE SOBREVIVER…TENDO PESSOAS…QUE VOLTAM SUA ATENÇÃO A ELA…
BEIJOS
ADRY

Maurício Mellone

setembro 14, 2010 @ 19:15

Resposta

Adriano:
Que bom q vc está começando a apreciar a arte dramática.
Vá fundo, as “viagens” proporcionadas pelos palcos é única!
bjs

Laura Fuentes

agosto 31, 2010 @ 15:49

Resposta

Opa, só mesmo vendo prá sentir como é esse travo. Separações sempre dóem.

Maurício Mellone

agosto 31, 2010 @ 17:49

Resposta

Laura, hoje mesmo estive com o Mario Viana que concorda com o gosto amargo que Shepard nos provoca
com Mente Mentira. Não perca, por mais dolorido que seja o tema separações!
bjs

Mario Viana

agosto 29, 2010 @ 13:17

Resposta

O texto deixa realmente um travo na boca. O elenco manda super bem em cena e aquilo acaba se tornando uma espécie de romeu & julieta dos tempos atuais… até mais doloroso, porque é uma separação em vida.

Maurício Mellone

agosto 30, 2010 @ 16:01

Resposta

Mário, querido:
Que delícia receber seu retorno!
Mente Mentira é mesmo aquela peça que provoca muitas reflexões, amargas muitas vezes!
E a separação em vida, como vc bem apontou, é muito dolorosa mesmo!
bjs

Rico

agosto 28, 2010 @ 16:13

Resposta

Completando…sim, a sociedade está doente. As pessoas veem o amor como uma doença, com medo, ninguém se entrega. O amor virou coisa de filme e até piegas para alguns. Uma relação virou sinonimo de problema, de tirar a liberdade e o sexo se tornou a coisa mais importante… e até serve para matar uma carencia momentanea mas não preenche nada. E o problema é que a maioria acredita que esta sendo feliz assim com esse vazio na alma, livre,leve e solto sem tempo para uma relaçao. Pelo menos não vai sentir a dor de amar, que é mto boa mas assusta os fracos. Existem sim algumas pessoas querendo se entregar mas na maior parte das vezes estão tão carentes que acabam assustando os possiveis candidatos. Eu que adoro me apaixonar, casar e amar fiquei meio assustado com a rasteira que tomei no meu ultimo relacionamento e to indo com muita calma agora, não vou ficar com ninguém que eu não tenha certeza que está nadando na mesma direção. Enquanto isso posso até me divertir mas sinalizando certo para não machucar ninguém!

Maurício Mellone

agosto 30, 2010 @ 15:58

Resposta

Rico:
Não deixe de assistir Mente Mentira, mesmo q vc saia “embriagado” e com o mesmo
sabor amargo na boca! Vale pela discussão sobre relações, às vezes muito paranóicas!
Bjs

Rico

agosto 28, 2010 @ 15:41

Resposta

Parece muito boa, tudo que eu adoro!
casamento, brigas, vai e volta…e bastante amor! rs
vou assistir com cetreza! obrigado pelo toque e ótima crítica!
🙂

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: