Peça: O Casamento, foto 1

O Casamento, romance proibido de Nelson Rodrigues, chega aos palcos

De em abril 18, 2013

Peça: O Casamento, foto 1

Maurício de Barros, Renato Borghi, Diana Bouth, Regina França, Vera Bonilha, Elcio Nogueira Seixas e Daniel Alvim interpretam 15 personagens

Em 1966, em plena ditadura militar, o dramaturgo Nelson Rodrigues lançou com estrondoso sucesso o romance O Casamento. A corrida às livrarias pelo público foi avassaladora, mas após duas semanas o livro foi proibido e tirado de circulação. A diretora Johana Albuquerque adaptou O Casamento para o teatro e acaba de estrear na cidade. Com temporada prevista até o final de junho, o espetáculo está em cartaz no Teatro Tuca e traz de volta todo o universo de perversão sexual, tão marcante na dramaturgia de Nelson Rodrigues.
A trama se passa exatamente nas 48 horas que antecedem o matrimônio de Glorinha, interpretada por Diana Bouth, filha de Sabino Uchôa Maranhão, vivido por Renato Borghi, que recebe a informação pelo médico da família que o noivo da garota foi flagrado beijando outro homem.

Para Borghi, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, esta peça sintetiza a obra do dramaturgo:

 

“Este texto contém os fetiches e desejos distribuídos ao logo das 17 peças de Nelson. É a súmula do pensamento rodrigueano”, afirma Renato Borghi.

Peça: O Casamento, foto 2

Diana vive Glorinha, a noiva que se envolve com o galã Antônio Carlos, interpretado por Daniel

Com um elenco de 7 atores que interpretam 15 personagens, a montagem tem início com o pai e a noiva entrando na igreja para o início da cerimônia. Um corte e a trama volta para dois dias antes quando Sabino recebe a visita em seu escritório do Dr. Camarinha (Elcio Nogueira Seixas), que indignado conta que flagrou  Teófilo (Daniel Alvim), o noivo, beijando seu assistente na boca. A partir deste mote, a trama ambientada no Rio de Janeiro dos anos 60 disseca todos os tipos característicos da obra de Nelson Rodrigues, desde a mãe conservadora e puritana, o patriarca obcecado pelas aparências sociais e que não consegue esconder o desejo sexual pela filha, a garota que se passa por ingênua e casta, mas na verdade é pervertida sexualmente, os jovens inconsequentes, o médico ginecologista pornográfico, o padre com a libido à flor da pele, a secretária virgem que se entrega tanto para um homem casado como para o patrão até o gay que, reprimido pelo pai, se vinga promovendo orgias sexuais na frente dele.

 

“Ao adaptar o romance, editei suas melhores passagens com o intuito de chegar a uma versão cênica de espetáculo. Busquei manter o pensamento dos personagens em cena — que no romance se colocam na voz do autor—, mas no palco ganham múltiplas vozes, trazendo uma nova abordagem cênica à prosa rodrigueana”, explica Johana Albuquerque.

 

O cenário, assinado por André Cortez, é móvel, com poucos elementos e constituído principalmente por cortinas que separam os ambientes: além de ajudar na dinâmica do espetáculo, o espectador passa a ser um voyeur, com as cenas acontecendo por trás de véus, num jogo de esconde e esconde, o que potencializa o caráter de fetiche e desejos ocultos e inconfessáveis.
O grande destaque de O Casamento é a performance dos atores que se desdobram em vários papéis, principalmente Renato Borghi, Daniel Alvim, Elcio Nogueira Seixas, Maurício de Barros e Regina França.

O único senão é para a duração do espetáculo: a diretora, que também assina a adaptação, poderia ter enxugado mais o texto. Diversas passagens poderiam ter sido eliminadas ou reduzidas.
Fotos: Alexandre Catan

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: