Peça: O Comediante, foto 1

O Comediante: peça com Ary Fontoura reverencia a arte dramática

De em janeiro 28, 2015

Peça: O Comediante, foto 1

Ary Fontoura interpreta um veterano ator em peça do gaúcho Joseph Meyer, dirigida por José Wilker e Anderson Cunha

 

Terceiro sinal para iniciar o espetáculo, com o cenário (interior de uma residência) sendo iluminado por algumas velas e a plateia é surpreendida com a bela voz de Ary Fontoura cantando, a capela, as primeiras estrofes da clássica Fascinação (Dante Marchetti e Maurice de Feraudy):

Os sonhos mais lindos sonhei,/
De quimeras mil um castelo, ergui,/
E no teu olhar, tonto de emoção,/
Com sofreguidão, mil venturas previ.

Nada mais glamouroso do que este início. O Comediante, peça do gaúcho Joseph Meyer, que está em cartaz no Teatro Raul Cortez, faz duas grandes homenagens: primeiro a José Wilker, que idealizou o espetáculo ao lado de Ary Fontoura e faleceu antes de terminar sua direção e, em segundo, a trama reverencia a arte dramática por intermédio da história do ator Walter Delon (Ary).
Afastado dos palcos há anos e sem convites para atuar no cinema e TV, Delon recebe a proposta para dar um depoimento para a jornalista Júlia (Carol Loback) que fará sua biografia. Boa ideia para resgatar a imagem do artista, mas tudo não passa de uma armação do agente Eric (Gustavo Arthiddoro) e da governanta Norma, vivida por Angela Rebello.

Peça: O Comediante, foto 2

Ary divide o palco com Angela Rebello, Gustavo Arthiddoro e Carol Loback

Se o velho ator é enganado pelos seus colaboradores diretos (Norma inclusive encomenda flores para que sejam entregues em nome de fãs), ele também usa de máscaras e superterfúgios. Para que a jornalista não desvende a fraude e o ostracismo em que vive na atualidade, Delon tenta supervalorizar, tanto sua vida pessoal como a carreira artística.

“A peça é inspirada no filme, Sunset Boulevard (Crepúsculo dos Deuses) de Billy Wilder, e faz uma crítica à indústria cultural do entretenimento. A narrativa transita pelo universo cômico e pelo drama psicológico de um ator que, enfeitiçado pela própria imagem, cria um mundo paralelo, numa época em que a mídia idolatra o efêmero e torna o sujeito descartável, o ator em produto, substituindo o velho pelo novo, o feio pelo belo”, pondera Joseph Meyer.

O que sobressai em O Comediante é a dualidade da trama; em meio a passagens cômicas — a luta do ator em forçar a presença da jornalista em sua casa e a presença onipresente da governanta, em bela composição de Angela—, a tristeza de Delon vem à tona e ele tem de enfrentar a verdade: está velho, descartado do mercado de trabalho e só. Realidade dura, não apenas do personagem, mas de grande parte das pessoas na sociedade contemporânea.

 

Peça: O Comediante, foto 3

O ator com Carol: ele completou 82 anos nesta temporada

Ter a chance de conferir a performance de Ary Fontoura (que completou 82 anos nesta temporada paulistana) é o grande destaque da montagem. Numa cena, ele dá exemplos de interpretações no decorrer do tempo, desde a época que não existiam os veículos audiovisuais (o gestual do ator era exagerado) até a atuação contida e livre de cacoetes como a atual. Confira!

 

 

Fotos: Leonardo Aversa

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: