Filme: O Grande Circo Místico, foto 1

O Grande Circo Místico: filme de Cacá Diegues da obra de Jorge de Lima

De em novembro 28, 2018

Filme: O Grande Circo Místico, foto 1

Bruna Linzmeyer, Jesuíta Barbosa e Vincent Cassel lideram elenco da trama sobre saga circense

Depois do imenso sucesso da montagem de Naum Alves de Souza para o Balé Teatro Guaíra, de Curitiba/PR, na década de 1980 — misto de balé, teatro, ópera, circo e poesia que se apresentou por diversas capitais do país—, O Grande Circo Místico, poema do alagoano Jorge de Lima, publicado em 1938 no livro A túnica inconsútil, chega ao cinema pelas mãos do também alagoano Cacá Diegues. Assim como no teatro, o filme é conduzido pelas belíssimas canções compostas especialmente para o espetáculo por Chico Buarque e Edu Lobo.

A trama percorre os 100 anos de existência do Grande Circo Knieps, a saga familiar de cinco gerações. Quem dá início a tudo é Fred (Rafael Lozano) que se envolve com a trapezista Agnes (que adotou o nome de Beatriz), papel de Bruna Linzmeyer. O rapaz é filho bastardo de um médico famoso (participação de Antonio Fagundes) com uma Imperatriz (Catherine Mouchet) e como só fica sabendo disto após a morte do pai, pede à verdadeira mãe um circo como herança. É desta forma que tem início a dinastia circense dos Knieps.

Filme: O Grande Circo Místico, foto 2

A trapezista Beatriz (Bruna) encanta a plateia com seus números

Em formato de fábula, a história é narrada pelo mestre de cerimônia Celavi, interpretado por Jesuíta Barbosa, que não envelhece (apenas se adapta aos períodos da trama) e passa por todas as gerações e fases do circo, do auge do início à decadência final. A cena da trapezista Beatriz, acompanhada da canção que leva seu nome na voz de Milton Nascimento, marca o apogeu do circo, que mantinha um elenco grandioso, com palhaços, mágicos, músicos, bailarinos, acrobatas e números com animais. Grávida, Beatriz sofre um acidente em pelo picadeiro e o próprio Fred consegue fazer o parto da garotinha Charlotte, mas a mãe não sobrevive. Já adulta Charlotte (Marina Provenzzano) se casa com o mágico Jean-Paul (Vincent Cassel) e eles têm dois filhos Oto e Marie.

No entanto, adultos, somente Oto, vivido por Juliano Cazarré, permanece no circo; ele se envolve com a cantora Lily Braun, que tinha o ventre tatuado, e deste romance nasce Margarethe, vivida por Mariana Ximenes; ela quer entrar para o convento, mas o pai proíbe. Como a mãe, Margarethe tatua no ventre a via sacra e seu marido Ludwig (Dawid Ogrodnik) nunca a possui; entretanto, ela foi violada pelo homem ferra e assim dá à luz gêmeas (Marie e Hèlene), que na adolescência se tornam bailarinas voadoras. Elas se apresentam nuas, para deleite de uma plateia masculina e cínica. As gêmeas constituem, assim, a quinta geração de artistas do Grande Circo Knieps.

 

Filme: O Grande Circo Místico, foto 3

Mariana Ximenes vive Margarethe, da 4ª geração do circo

 

Graças à trilha sonora e à bela fotografia de Gustavo Hadba, o filme plasticamente encanta. No entanto, o roteiro apresenta falhas de condução da trama: as diferentes fases do circo — do sucesso inicial à decadência financeira e artística do final —, não recebem a devida atenção; o espectador mal percebe as mudanças de épocas e pode se confundir, já que o mestre de cerimônia não envelhece (está sempre ao lado dos diversos descendentes de Fred e Beatriz).

 

 


O Grande Circo Místico
é o representante do Brasil no Oscar/19 de filme estrangeiro; a lista final com os cinco escolhidos será conhecida em janeiro. A nós basta torcer. Como aperitivo, fique com clipe de Beatriz, na voz de Milton Nascimento:

 

Fotos: divulgação 

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: