O iceberg, poema de Giacomo Leone

De em janeiro 30, 2012

Janeiro está terminando, mas ainda é hora de retomada de atividades. Os colaboradores estão de volta: tenho a grata satisfação de contar mais uma vez aqui no Favo com participação do poeta e professor de língua portuguesa Giacomo Leone. Desta vez ele nos brinda com um poema que retrata a extrema dor daquele que foi abandonado pela amada, a “bela mas perversa de pele clara e cabelos negros como uma noite sem luar”.
Giacomo, obrigado por confiar no blog como veículo propagador de sua arte. Volte sempre!

 

 

O iceberg

Coração?
Eu não tenho coração.
Aquela, de pele clara e cabelos negros como uma noite sem luar,
Bela, maravilhosa,
Mas perversa,
Vil, má,
Com suas unhas
Longas e pontiagudas,
Enfiou sua mão ressequida
No centro do meu peito
E arrancou,
Sem ficar constrangida,
Sem dó nem piedade,
Arrancou
O meu coração.
Colocando em seu lugar
Um bloco.
Um bloco de gelo.
Que,
Pouco a pouco,
Vai…
Vai se derretendo…
Minguando…
Sofrendo…
Se intoxicando…
Morrendo.

Giacomo Leone

Fotos: imagens Google

você pode gostar

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: