Peça: O Louco e a Camisa, foto 1

O Louco e a Camisa: texto argentino questiona valores familiares

De em setembro 4, 2018

Peça: O Louco e a Camisa, foto 1

Ricardo Dantas e Rosi Campos interpretam o casal da peça de Nelson Valente

Sucesso na Argentina, peça de Nelson Valente, O Louco e a Camisa, em cartaz no Teatro Renaissance até o próximo dia 16 de setembro, escancara os problemas de convivência entre os membros de uma tradicional família de classe média, principalmente evidenciando a dificuldade de as pessoas saberem lidar com a doença de Beto, vivido por Rainer Cadete, vítima de síndrome de asperger, um tipo de transtorno de desenvolvimento que afeta a capacidade de se socializar e de se comunicar com eficiência.

Com direção de Elias Andreato, a montagem conta no elenco, além de Cadete, com Rosi Campos, que é substituída eventualmente por Patrícia Gasppar, Ricardo Dantas, Priscilla Squeff e Dudu Pelizzari.

Peças: O Louco e a Camisa, foto 2

Rainer Cadete vive Beto, rapaz com problemas mentais

A cena inicial já define o ambiente em que vive aquela família: o marido (Dantas) autoritário e autocentrado nem dá ouvidos à mulher (Rosi/Patrícia), que não se cansa de trabalhar e manter a casa em ordem. Beto perambula pela casa, vive em seu mundo interior, articula mil ideias ao mesmo tempo, mas não consegue dialogar com os familiares. Já a filha (Priscilla) está deslumbrada com o namorado rico (Pellizzari) e faz de tudo para esconder o irmão do futuro marido.

A ação central da peça se passa no dia em que a filha traz o namorado para conhecer a família: antes tenta convencer o irmão a ficar trancado em seu quarto durante o jantar. Tudo corre como o combinado até o momento em que Beto aparece na sala e aos poucos desmascara aquela cena hipócrita: com seu jeito ‘louco’ de ser, é o único que fala a verdade e traz à tona os mistérios que cada um deles mantém guardado a sete chaves — o rapaz não poupa nem a mãe por quem tem o maior carinho e amor.

 

“Esta obra é um olhar agudo e cruel do nosso tempo. É preciso escancarar tudo para que possamos enxergar o que realmente somos. É isto que Nelson Valente nos revela neste drama familiar para rir e chorar”, afirma Elias Andreato.

O que mais me chamou a atenção no espetáculo foi a brilhante atuação de Rainer Cadete, que com sensibilidade dá vida a um personagem tão complexo e de diversas facetas. Destaque também para Patrícia Gasppar na pele da matriarca (no dia em que assisti à peça ela substituiu Rosi Campos).

Peça: O Louco e a Camisa, foto 3

Patrícia Gasppar também interpreta a matriarca

 

 

 

Roteiro:
O Louco e a Camisa. Texto: Nélson Valente. Tradução e idealização: Priscilla Squeff. Direção: Elias Andreato. Elenco: Rosi Campos, Rainer Cadete, Priscilla Squeff, Dudu Pelizzari e Patrícia Gasppar (stand by). Cenário e figurino: Elias Andreato. Iluminação: Cleber Eli. Trilha sonora: Jonathan Harold. Fotografia: Caio Gallucci. Visagismo: Dicko Lorenzo. Produção: Priscilla Squeff, Danny Olliveira e Leandro Luna.
Serviço:
Teatro Renaissance (440 lugares), Alameda Santos, 2233, tel. 11 3069-2286. Horários: sexta e sábado às 21h30 e domingo às 18h. Ingressos: sexta e domingo R$ 80 e sábado R$100. Venda: ingressorapido.com.br e teatrorenaissance.com.br. Duração: 70 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 16 de setembro.

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: