Filme: O que traz boas novas, foto 1

O Que Traz Boas Novas: a dor une professor e alunos em filme canadense

De em maio 13, 2013

Filme: O que traz boas novas,  foto 1

Mohamed Fellag na pele do imigrante argelino que assume a classe de uma escola em que a professora se suicidou

Nas primeiras tomadas, tudo parecia normal na escola canadense, com as crianças brincando à espera da merenda. Como é praxe entre os alunos desta instituição, cada dia um deles colabora com os serviços e naquela manhã Simon (Émilien Néron) é o encarregado pela distribuição do lanche. Por isto é que o garoto entra antes dos demais e vê que a professora se enforcou na sala de aula. Todas as crianças são encaminhadas ao pátio, mas Alice (Sophie Nélisse) consegue se desvencilhar e também presencia a trágica cena. A diretora, vivida por Danielle Proulx, reúne todos os pais e diz que com a ajuda da psicóloga todos irão superar este trauma.
No entanto, nenhum professor quer assumir a vaga da antiga colega. É quando Bachir Lazhar, em interpretação tocante de Mohamed Fellag, se apresenta para o cargo. Imigrante argelino e precisando de emprego, Bachir é admitido e lentamente consegue a cumplicidade de seus pupilos e juntos irão superar o trauma vivido naquela escola.

Filme: O que traz boas novas, foto 2

Danielle Proulx é a diretora que contrata Bachir Lazhar (Fellag) como professor

Com roteiro e direção de Philippe Falardeau,  O Que Traz Boas Novas( Monsieur Lazhar) trata de temas delicados e difíceis de lidar, principalmente com crianças, como morte, perdas, injustiças e preconceito. Se para o espectador a história traumática é somente a vivida pelos alunos e funcionários da escola, aos poucos outra experiência de dor e perda vem à tona. Bachir é na verdade um refugiado da guerra civil da Argélia, onde perdeu mulher e filhos. Ele luta para regularizar sua situação no Canadá e o emprego fixo vai facilitar sua vida.
Bachir omite seu passado pessoal no âmbito profissional; entretanto ele se identifica de imediato com a história de dor de seus alunos e, mesmo não usando de métodos pedagógicos atualizados, ele conquista a simpatia dos alunos, obtendo resultados favoráveis da classe. A dor e a superação de traumas unem mestre e pupilos.
O cinema proporciona conhecer outras culturas e diferentes formas de lidar com o cotidiano. Em O Que Traz Boas Novas o que me chamou muito a atenção foram primeiro a maneira formal com que as pessoas se relacionam — se entre nós latinos as emoções estão à flor da pele, com os anglo-saxões há uma certa distância e a demonstração de afeto é sempre de maneira comedida. Por outro lado, o processo educacional no Canadá é diametralmente oposto da realidade brasileira: na escola da trama, percebe-se como o enfoque é justamente a formação humanística do aluno. Como estamos longe deste estágio educacional no Brasil!

Filme: O que traz boas novas, foto 3

Émilien Néron e Sophie Nélisse vivem os alunos Simon e Alice, com grandes atuações

 

 

O grande destaque do filme de Falardeau é para a atuação do ator argelino Mohamed Fellag: com sutileza e de maneira sensível, ele compõe aquele homem que está lutando para reconstruir sua vida num outro país e superar traumas tão profundos. Os atores mirins Sophie Nélisse e Émilien Néron também emocionam com suas atuações brilhantes. Vale muito a pena conferir este tocante filme do Canadá.

Fotos: divulgação

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: