Peça: Ordinários, foto 1

Ordinários: com humor, nova peça da Cia LaMínima reflete sobre guerra

De em novembro 1, 2019

Peça: Ordinários, foto 1

Fernando Sampaio, Fernando Paz e Filipe Bregantim vivem os soldados/palhaços

Uma reflexão sobre o horror da guerra por intermédio do olhar do palhaço. Este o mote central do novo espetáculo da Cia LaMínima, Ordinários, em cartaz até 12 de dezembro no Teatro Vivo, que mistura teatro, circo, humor e uma dose de crítica às estratégias bélicas.

 

 

Com direção de Alvaro Assad, a trama gira em torno do cotidiano de três soldados, vividos por Fernando Paz, Fernando Sampaio e Filipe Bregantim, que esperam pela a ordem de entrar em ação para libertarem o comandante, capturado pelo inimigo. Com temperamentos completamente opostos, os soldados, enquanto esperam, são obrigados a infindáveis treinamentos. E durante a missão, segredos de cada um deles vêm à tona.

 

 

 

Peça: Ordinários, foto 2

Dirigidos por Alvaro Assado, os atores/palhaços são o jogo de cena.

 

 

O espetáculo começa de forma tradicional, com a abertura da cortina — hoje em dia raramente as peças começam assim. E o que se vê em seguida é o palco totalmente vazio, somente com os três soldados/palhaços a postos com seus equipamentos de guerra: capacete, fuzil/espingarda e mala com utensílios para acampamento. Muito próximo da arte circense: o próprio ator/palhaço é a ação, o jogo de cena.

 

 

 

 

 

“Três palhaços e um mote. Surgem para vigiar/combater/invadir aquele espaço. Possibilidade cênica ímpar de planos visuais, relação entre os atores, relação entre os atores e partes de seu corpo e relação entre atores e objetos (sejam figurinos, adereços, instrumentos, truques) buscam mostrar e fornecer ao público passo a passo peças de um quebra-cabeça que sempre esteve no palco desde antes da cortina se abrir”, diz Alvaro Assad definindo a montagem.

 

 

Com temperamentos opostos — um é o valentão (Bregantim), o outro, o atrapalhado (Paz) e o terceiro, o covarde (Sampaio) que não vê a hora de se livrar de tudo aquilo — eles estão naquele local (um lugar sem referência) somente à espera de serem convocados para a missão. Enquanto isso são obrigados a treinamentos intermináveis e sem sentido. No entanto, quando chega a ordem para darem início à missão (resgatar o comandante), eles partem sem muita convicção. E durante a caminhada inóspita, segredos de cada um deles vêm à tona, além de descobrirem o verdadeiro caráter do superior que eles iriam salvar.

O público fica preso à ação cênica desde o início, graças ao carisma que o palhaço exerce sobre todos nós: como são tipos diferentes e de personalidades distintas a identificação é ainda maior. Mas tudo isso acontece mesmo devido ao talento e graça de Fernando Sampaio, Fernando Paz e Filipe Bregantim, que estão em perfeita sintonia. Destaque ainda para o roteiro (assinado por Newton Moreno, o diretor e os atores), para a encenação criativa de Alvaro Assad, a iluminação de Marcel Alani que com sutileza faz a passagem de tempo de forma lúdica e para a trilha sonora de Marcelo Pellegrini executada com graça pelos próprios atores. Confira, as sessões são somente às quartas e quintas, até 12/12.

 

Peça: Ordinários, foto 3

Atores executam a trilha sonora

Roteiro:
Ordinários. Concepção: Alvaro Assad, Fernando Paz, Fernando Sampaio e Filipe Bregantim. Roteiro: Newton Moreno, Alvaro Assad e LaMínima. Direção e preparação mímica: Alvaro Assad. Elenco: Fernando Paz, Fernando Sampaio, Filipe Bregantim. Direção musical e música original: Marcelo Pellegrini. Iluminação: Marcel Alani. Figurino e visagismo: Carol Badra. Cenografia: LaMínima. Adereços: Dario França, Juciê Batista e Reticências. Fotografia: Matheus José Maria. Direção de produção: Luciana Lima. Produção: Chai Rodrigues. Supervisão geral: Fernando Sampaio
Serviço:
Teatro Vivo (274 lugares), Av. Dr. Chucri Zaidan, 2.460, tel. 11 3279-1520. Horários: quarta e quinta às 20h. Ingressos: R$ 40. Duração: 70 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 12 de dezembro.

 

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: