Filme: Paraíso Perdido, foto 1

Paraíso Perdido: filme revela os bastidores de um clube noturno

De em junho 5, 2018

Filme: Paraíso Perdido, foto 1

Elenco: Jaloo, Humberto Carrão, Felipe Abib, Júlio Andrade, Julia Konrad, Erasmo Carlos, Hermila Guedes, Seu Jorge, Marjorie Estiano e Lee Taylor

Escrito e dirigido pela baiana Monique Gardenberg, o filme Paraíso Perdido se apropria das canções românticas, tidas como bregas, para contar as relações amorosas de um clã familiar que é dono do clube noturno que dá nome à trama. Sob o comando de José, interpretado por Erasmo Carlos, a boate tem como principais atrações seus familiares, o filho Ângelo, vivido por Júlio Andrade, seu neto Ímã, estreia no cinema do cantor Jaloo, e a neta Celeste (Julia Konrad), além do cantor Teylor, interpretado por Seu Jorge.

Em clima de fábula, quase a totalidade da história se passa dentro do Paraíso Perdido e os números musicais apresentados se relacionam com a vida real daqueles personagens; as canções não estão ali por acaso, elas constituem a linha narrativa do filme.

Filme: Paraíso Perdido, foto 2

Ímã (Jaloo) e Pedro (Carrão) vivem um tumultuado romance

Depois de um breve prólogo em que uma jovem, vítima de agressão, assassina seu algoz diante do filho dele, a trama começa com outra agressão; desta vez é com o jovem Ímã, estrela da casa, que sofre ataque homofóbico em frente à boate e é socorrido pelo policial Odair, interpretado por Lee Taylor. José, além de agradecer ao policial pela ajuda, oferece emprego de segurança para Odair, que passa a frequentar diariamente o clube noturno.

Aos poucos, o policial, filho de Nádia, vivida por Malu Galli, ex-cantora que ficou surda, se envolve com todos os membros da boate e a história de cada um deles vai sendo retratada por meio das músicas apresentadas no palco. Com direção musical de Zeca Baleiro, as canções românticas — de compositores como Reginaldo Rossi, Márcio Greyck, Roberto Carlos, Odair José, Waldick Soriano, Raul Seixas e Belchior — praticamente alinhavam a trama.

Filme: Paraíso Perdido, foto 3

Erasmo Carlos interpreta José, o dono da boate

Temas dramáticos como homofobia, aborto, superação de doença grave, preconceito, violência urbana, além de relações afetivas das mais variadas que envolvem ciúme, abandono, traição e homoafetividade são tratados pela diretora com sensibilidade e, principalmente, com ausência de moralismo. São várias histórias que se interlaçam e no final o espectador tem a chance de montar um grande quebra-cabeça, juntando todos os personagens e suas vivências. Destaque para a atuação de todo o elenco — que se completa com Hermila Guedes, Humberto Carrão, Marjorie Estiano e Felipe Abib —, em especial de Lee Taylor, Júlio Andrade e Jaloo, que em sua estreia constrói um personagem sensível e de extrema dramaticidade.
 

 

 

Para entrar no clima do filme, fique com a canção 120, 130, 140 Km por hora, de Roberto e Erasmo Carlos, que no filme é interpretada pelo Tremendão!

 

Fotos: divulgação

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: