Exposição: Ron Mueck, foto 1

Pinacoteca expõe até fevereiro as impactantes esculturas de Ron Mueck

De em dezembro 17, 2014

Exposição: Ron Mueck, foto 1

Máscara II (2001/2002)
(foto de Thomas Salva)

Por onde passa, a Exposição Ron Mueck é um sucesso. Foi assim no Japão, Austrália, Nova Zelândia, México, Argentina e também no Brasil (antes de São Paulo o Rio já abrigou a mostra). O grande número de pessoas na fila é justificável: as nove esculturas do artista, que nasceu na Austrália e vive em Londres/Inglaterra, são provocadoras e ninguém sai imune. As figuras humanas e o frango morto pendurado no teto — de várias dimensões, de miniaturas a monumentais — são de um realismo impressionante que faz com que o público reflita e crie a cena retratada pelo artista.
As férias escolares e as folgas de fim de ano podem ser aproveitadas para visitar a mostra, que fica na Pinacoteca do Estado de São Paulo até o dia 22 de fevereiro de 2015.
O esforço e o cansaço da fila (cheguei 40 minutos antes de abrir a exposição e fiquei uma hora e meia para entrar) valem a pena. Logo na primeira sala o público se depara com Máscara II, uma imensa máscara que retrata o próprio Mueck e traz a marca do artista: seu rigor nos detalhes e minúcias (os poros da pele, os pelos da barba e os cabelos) impressiona!

Exposição: Ron Mueck, foto 2

Homem em um barco (2002)
(foto de Patrick Gries)

Com curadoria de Hervé Chandès e Grazia Quaroni, a exposição, concebida pela Fondation Cartier pour l’art contemporain, Paris/França, apresenta esculturas criadas de 2001 a 2013; todas as obras foram feitas a partir de um modelo em argila, em que o artista utiliza diversas técnicas e materiais, como resina, fibra de vidro, silicone e acrílico.
A segunda escultura, em pequena dimensão, À deriva, é um homem deitado sobre um colchão de ar, boiando. O que ele estará fazendo: somente tomando sol ou está (como sugere o título) sem rumo? Com a próxima obra impossível não refletir sobre a cena: em Jovem casal, vista de frente, o rapaz parece conversar com a namorada, mas de traz o gesto pode contradizer com a expressão facial deles. Em seguida, Mulher com as compras também incita a refletir: a mãe traz o bebê colado ao peito e sacolas de compras nas mãos (a criança olha diretamente para a mulher, que mantém o olhar vago). Na outra sala o público fica de frente com um gigante frango morto pendurado no teto: a textura da carne do animal, as penas restantes, as patas e o corte do pescoço (onde a gordura e os músculos estão à mostra) deixam o espectador intrigado com tamanha semelhança com o real. A outra escultura também provoca impacto: em Mulher com galhos, em tamanho pequeno, uma mulher nua, curvada para trás carrega um imenso feixe de galhos sob o peito e parece observar o visitante; ao passar pela obra, a impressão que se tem é que a mulher segue com o olhar o espectador. Também em tamanho diminuto, a outra escultura, Juventude, mostra um rapaz negro com a camiseta levantada olhando assustado para o corte em sua lombar. Impossível não imaginar que tipo de violência aquele rapaz acabara de sofrer. No catálogo da mostra — muito bem elaborado, com textos elucidativos de Tatiane Gusmão e Mila Chiovatto — há a sugestão de associar o corte do rapaz com a ferida de Jesus crucificado. A sala seguinte traz Homem em um barco, em que um barco de tamanho real transporta um homem nu, em miniatura, com olhar distante que não se cruza com o do público. O modelo é o pai do artista e novamente a obra incita o espectador a imaginar em que aquele homem pensa.
Depois de percorrer toda a mostra, na última sala, o público pode assistir ao vídeo Natureza morta: Ron Mueck trabalhando, que traz o artista criando suas esculturas; interessante ver o processo criativo de obras que acabaram de ser apreciadas!

Exposição: Ron Mueck, foto 3

Casal debaixo do guarda-sol (2013)
(foto de Patrick Gries)

A última obra fica num local privilegiado da Pinacoteca, no Octógono, a parte central do museu, com luz ambiente. E o detalhe da luz é providencial: em Casal debaixo do guarda-sol, dois idosos (em tamanho gigante) estão tomando sol, numa cena corriqueira, em que o homem está deitado no colo da mulher. Há carinho, sensação de paz e tranquilidade entre os dois. E outra vez impressiona a riqueza dos detalhes, com veias, textura da pele e musculatura (de pessoa mais velha), pestanas, pelos e cabelos brancos.
Não desanime por causa do tamanho da fila: Exposição Ron Mueck envolve o espectador que, além de apreciar as esculturas, sente necessidade de criar o contexto e a cena registrada em cada obra. O prazer que senti terminada a exposição foi infinitamente maior e mais intenso do que vivenciei ao visitar a Bienal deste ano.

Roteiro:
Exposição Ron Mueck
. Pinacoteca do Estado de São Paulo, Pr. da Luz, nº 2, tel. (11) 3324-1000. Horários: de terça a domingo das 10h às 17h30 (quinta das 10h às 22h). Ingressos: R$ 6 (meia R$ 3); quinta após 17h30 e sábado grátis. Temporada: até 22 de fevereiro de 2015.

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: