Peça: Piso Molhado, foto 1

Piso Molhado: peça retrata mazelas de personagens da cidade grande

De em julho 9, 2019

Peça: Piso Molhado, foto 1

Elenco: Carlos Palma, Valéria Pedrassoli, Patrícia Gasppar e Helio Cicero

 

Radicado em São Paulo, o dramaturgo baiano Ed Anderson com seu novo trabalho, Piso Molhado, em cartaz no Teatro Cacilda Becker, volta a discutir a relação das pessoas com as grandes metrópoles nos dias atuais. Se na peça de 2016, Os dois e aquele muro, a trama girava em torno de dois homens que se conhecem pela internet, desta vez o foco é direcionado para a forma como três personagens, frágeis e desiludidos, lutam para sobreviver.

 

Tudo acontece no interior da velha boate Faraó, onde Selma, uma cantora decadente interpretada por Patrícia Gasppar, ensaia o repertório do show que irá apresentar logo mais; desanimada, ela é incentivada por Tony, interpretado por Carlos Palma, o pianista que vive das glórias do passado. Ele precisa sair e a cantora permanece ensaiando, quando é interrompida por Osvaldo, papel de Helio Cicero, o encanador que não consegue deixar o local; o pianista levou a chave e eles estão presos. Neste inusitado encontro, a cantora e o encanador revivem suas trajetórias e reavaliam suas vidas.

 

 

 

Peça: Piso Molhado, foto 2

Texto de Ed Anderson e direção de Mauro Baptista Vedia

 

 

A cena inicial é com Selma e a filha (Valéria Pedrassoli) num passeio ao zoológico, num passado distante (ou seria só a imaginação da cantora?). Desencantada, ela procura explicações que justifiquem o afastamento da filha e é amparada por Tony. Já com o bronco e rude Osvaldo, Selma vive um enfrentamento inicial, mas como são obrigados a conviver por algumas horas, aos poucos eles buscam o entendimento, já que o encanador, um seresteiro no passado, ficou encantado com a voz de Selma. Eles, depois de confessarem suas dificuldades e infortúnios, chegam até a cantarem juntos!

 

 

 

 

 

“Tentei transpor a urgência que sentia em abordar sentimentos de algumas minorias e friccionar suas vozes com o momento atual, proporcionando uma reflexão sobre o lugar do outro e de como a arte pode fortalecer o cotidiano. Há na peça questões da memória afetiva e o humor ácido e melancólico dos personagens que transitam pelo asfalto, tendo cuidado com os pisos molhados ao recordar as várias quedas sofridas”, esclarece Ed Anderson.

 

 

A música, além de ser o meio de subsistência da personagem central, ajuda no fio condutor da narrativa. Segundo o diretor, a peça busca referências na cultura dos anos 1950 e 1960, daí a inclusão no repertório de Selma de sucessos de Maysa, Dalva de Oliveira, Dolores Duran, Cartola e Nelson Gonçalves.

 

Peça: Piso Molhado, foto 3

Patrícia e Cicero: pleno domínio cênico

Sem grandes pretensões, a dramaturgia toca em temas delicados da vida contemporânea nos grandes centros urbanos, como o abandono, o desemprego, a solidão, a velhice e a falta de afeto, o que aproxima o espectador da trama. Destaque ainda para a iluminação de Fran Barros e os figurinos de Carlos Colabone. Patrícia Gasppar tem a chance de mostrar toda a sua versatilidade: com uma linda voz, encanta a plateia com seus números musicais e dá vida a uma personagem de grande dramaticidade, sem perder o humor. Helio Cicero também mostra as várias facetas de seu personagem, do grosseirão profissional desempregado (vive de bicos) ao sensível e solitário homem de meia idade.
Piso Molhado, contemplado pelo Prêmio Zé Renato de Teatro para a Cidade de São Paulo, cumpre temporada gratuita até final deste mês. Confira!

 

 

Roteiro:
Piso Molhado
. Texto: Ed Anderson. Direção: Mauro Baptista Vedia. Elenco: Patrícia Gasppar, Helio Cicero, Carlos Palma e Valéria Pedrassoli. Cenografia: Marco Lima. Figurinos: Carlos Colabone. Iluminação: Fran Barros. Trilha sonora e arranjos: Jonatan Harold. Fotografia: Priscila Prade. Direção de produção: Emerson Mostacco. Produção: Cooperativa Paulista de Teatro e Mostacco Produções. Realização: Prefeitura de São Paulo/SMC- Prêmio Zé Renato.
Serviço:
Teatro Cacilda Becker (198 lugares), Rua Tito, 295, tel. 11 3864-4513. Horários: sexta e sábado às 21h e domingos às 19h. Ingressos: gratuitos, distribuídos uma hora antes. Classificação: 12 anos. Duração: 70 min. Temporada: até 28 de julho.

Uba
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

2 Comentários

Dinah

julho 15, 2019 @ 11:03

Resposta

Maurício,
Desta vez posso entender bem sua resenha, por ter ido com você ao teatro.
Você captou lindamente a essência do espetáculo e retrata de maneira sucinta e bem acabada o papel dos atores.
Vida longa ao teatro, ao Favo, às boas amizades como a nossa!

beijos.

Maurício Mellone

julho 15, 2019 @ 12:06

Resposta

Dinah,
Uau!
Que delícia receber seu comentário tão carinhoso!
Obrigado e pelo incentivo e apoio incondicionais e constantes!
Meu amor, sempre!
Bjs, querida

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: