Peça: Quando tudo estiver pronto, foto 1

Quando tudo estiver pronto: drama e comédia em montagem sobre o luto

De em julho 15, 2019

Peça: Quando tudo estiver pronto, foto 1

Elenco: Filipe Ribeiro, Eliete Cigaarini, Sylvio Zilber, Otavio Martins, Lilian Blanc e Patricia Pichamone (a morta/viva)

Encenada pela primeira vez no país, a peça do norte-americano Donald Margulies, Quando tudo estiver pronto, em cartaz no Teatro Folha, mostra o drama de uma família judia que precisa saber lidar com a morte inesperada da mãe, vivida por Patricia Pichamone. O inusitado é que uma semana depois dos funerais, ela volta pra casa e reencontra o marido e o filho, vividos respectivamente por Otavio Martins e Filipe Ribeiro, que estão sofrendo com o luto. O objetivo é deixar tudo arrumado e limpo no apartamento e tentar fazer com que eles saibam enfrentar melhor a dor da perda. Os sogros e a cunhada, interpretados por Lilian Blanc, Sylvio Zilber e Eliete Cigaarini, também são surpreendidos com a situação.

Peça: Quando tudo estiver pronto, foto 2

Reunidos: mãe (Patricia) reencontra o marido e o filho (Otavio e Filipe)

 

Mesclando drama e comédia, a trama, traduzida e dirigida por Isser Korik, mostra a morte de forma natural, evitando o tom melodramático. As cenas iniciais trazem a família judia logo após as cerimônias fúnebres, que duram uma semana após o sepultamento. A mãe e a irmã do viúvo, além do consolo, querem deixar a casa em ordem. O adolescente deseja providenciar a troca dos móveis, mas é impedido pelo pai. Só quando os sogros e a cunhada vão embora é que a falecida volta pra casa: há um susto imediato, mas logo ela  troca de roupa e, com a ajuda do filho, promove a arrumação da casa (troca da mobília e faxina geral). No entanto o mais difícil é convencer o marido da nova situação, já que os demais membros da família, após o estranhamento inicial, encaram com naturalidade a volta e a morte real da jovem mulher.

 

Além do texto que provoca uma reflexão sobre perda e como enfrentar a vida após a morte de entes queridos, a montagem se destaca pela sensível interpretação de Otavio Martins na pele do viúvo inconformado e de Filipe Ribeiro, que transmite segurança como o órfão que reavalia a vida com a morte da mãe. Mesmo com papéis de apoio, os veteranos Sylvio Zilber e Lilian Blanc brilham em cena. Outro destaque é para iluminação, assinada por César Pivetti e Vânia Jaconis, que enfatiza os momentos de realidade e de fantasia (aquela mulher voltou da sepultura realmente ou tudo não passa de imaginação?). Senti falta que a direção evidenciasse exatamente o inusitado proposto pelo autor, ou seja, o fato da defunta voltar à vida — a partida definitiva dela também é pouco valorizada. Impossível não se lembrar da instigante peça de Flávio de Souza, Fica comigo esta noite, em que a viúva evoca o marido morto e, na noite que antecede o sepultamento, o casal revive todas as fases da vida a dois.

 

 

Peça: Quando tudo estiver pronto, foto 3Roteiro:
Quando tudo estiver pronto. Texto: Donald Margulies. Direção, tradução e trilha sonora: Isser Korik. Elenco: Otavio Martins, Patricia Pichamone, Lilian Blanc, Sylvio Zilber, Eliete Cigaarini e Filipe Ribeiro. Cenografia e figurinos: Márcio Vinícius e Carol Buček. Fotografia: Heloísa Bortz. Iluminação: César Pivetti e Vânia Jaconis. Produção executiva e administração: Will Siqueira. Realização: Ian Soffredini Korich Participações e Serviços Teatrais.
Serviço:
Teatro Folha (305 lugares), Shopping Pátio Higienópolis, Av. Higienópolis, 618, tel. 11 3823-2737. Horários: sexta às 21h30, sábado e domingo às 20h. Ingressos: R$ 70 e R$ 50. Duração: 70 min. Classificação: 12 anos. Temporada: até 15 de setembro.

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Uba

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: