Filme: Redemoinho, foto 1

Redemoinho: filme de José Luiz Villamarim desvenda passado de 2 amigos

De em fevereiro 15, 2017

Filme: Redemoinho, foto 1

Irandhir Santos e Júlio Andrade vivem Luzimar e Gildo, que se reencontram e fazem um balanço de suas vidas

José Luiz Villamarim, diretor de séries e novelas de sucesso na TV Globo, acaba de lançar seu primeiro longa-metragem, Redemoinho, baseado em contos do escritor Luiz Rufatto, do livro “O Mundo Inimigo- Inferno Provisório vol II”.
A trama central do filme é sobre o reencontro de dois amigos que não se viam há anos; Luzimar, vivido por Irandhir Santos, trabalha numa tecelagem na pacata Cataguases/MG e Gildo, interpretado por Júlio Andrade, veio de São Paulo, onde mora desde que deixou a cidade, para passar o Natal com a mãe Dona Marta, papel de Cássia Kiss Magro. Além das diferenças extremas no modo de vida dos amigos, o roteiro assinado por George Moura retoma um trauma vivido por eles na infância.

Filme: Redemoinho, foto 2

Cássia Kiss Magro interpreta a mãe de Gildo (Júlio)

Ancorado na bela fotografia de Walter Carvalho e em sua peculiar maneira de conduzir a história — já bem conhecida pelo público nas minisséries Canto da Sereia/13, Amores Roubados/14 e Justiça/16 —, o diretor inova também neste seu primeiro trabalho no cinema. Já no início, as cenas de chuva na ponte são marcantes e no decorrer do filme elas serão retomadas para trazer à tona o trauma vivido por Luzimar e Gildo quando crianças. A apresentação dos dois personagens também cria um clima especial: o espectador vai conhecendo aos poucos cada um deles e só depois é que há o reencontro. Luzimar hoje é casado com Toninha (Dira Paes) e é supervisor de um setor da tecelagem e nunca saiu de Cataguases; já Gildo deixou o lugarejo ainda jovem e conseguiu estudar e ter um bom emprego na maior metrópole do país. Estas diferenças no modo de viver dos dois amigos provocam um misto de atração e ao mesmo tempo repulsa: enquanto Luzimar tem curiosidade em saber como se vive na cidade grande, Gildo não suporta o tédio e a falta do que fazer em sua cidade natal.

Filme: Redemoinho, foto 3

Atores já trabalharam com o diretor, que estreia no cinema

Durante o todo o dia os amigos comemoram o reencontro, regado a muita bebida, e visitam alguns lugares onde frequentavam na infância. Um acontecimento ocorrido neste período ainda perturba a vida deles e pode transformar o sentimento que um tem pelo outro. As desavenças, mágoas e ressentimentos vêm à tona com toda intensidade.
O filme retrata muito bem o estilo de vida de uma cidade do interior brasileiro nos dias atuais e o grande destaque é para a composição de personagem, tanto de Irandhir como de Júlio. Cassia Kiss e Dira Paes têm participações emocionantes; pena que o personagem de Dira é pouco explorado.

 

Fotos: divulgação


4 Comentários

Wanderley Sanches

fevereiro 15, 2017 @ 17:39

Resposta

Salve!

Parabéns pela crítica, Mellone. Também vi o filme ontem e gostei muito. Que interpretações! Mas confesso que fiquei sem entender a sequência, quase no final da fita, em que a Toninha (Dira Paes) mostra uma carta para o Luzimar (Irandhir Santos). Ele lê e diz algo como “É… a vida é assim mesmo”. Fiquei boiando. Você saberia me esclarecer do que se trata?

Abs

Wander

Maurício Mellone

fevereiro 16, 2017 @ 14:35

Resposta

Wanderley:
obrigado pelos elogios à resenha.
O personagem da Dira realmente foi muito pouco explorado
(mesmo ela costurando as cenas por meio das ligações para o
marido e sua ida à casa do amigo dele); nem o estupro
vem à tona quando ela revê o marido.
Sobre aquele papel/documento, também não tenho ideia do que seja,
mas pensei q poderia ser um exame dela (eles não têm filhos).
Mas é preciso ler o conto do Rufatto para sabermos!
Abrs, volte outras vezes e novamente obrigado pela força!

Wanderley Sanches

fevereiro 16, 2017 @ 15:27

Resposta

É. Se você também não entendeu, então a deficiência não é minha nem sua. É da mão do diretor do filme. Obrigado pela resposta!

Maurício Mellone

fevereiro 17, 2017 @ 12:12

Resposta

Wanderley,
sim, li uma matéria sobre o filme q o roteirista (George Moura)
adaptou dois contos do livro do Rufatto; o que é sobre a
Toninha (Dira) ele não desenvolveu. Pena
Obrigado pelas visitas!
abrs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento