Peça: Refluxo, foto 1

Refluxo: ousada encenação tem olhar crítico à sociedade contemporânea

De em maio 15, 2017

Peça: Refluxo, foto 1

Elenco, da esquerda para a direita: Maurício de Barros, Lavínia Pannunzio, Felipe Ramos, Carlos Morelli, Laerte Késsimos, Sheila Faermann, Patrícia Vilela e Agnes Zuliani

Uma grande instalação. Esta é uma definição mais aproximada de Refluxo, o novo trabalho do diretor Eric Lenate, que também assina a cenografia do espetáculo. Contando com o impressionante trabalho de visagismo de Leopoldo Pacheco, Lenate transformou o mezanino do Centro Cultural FIESP num verdadeiro edifício de uma metrópole dos nossos dias — pode ser São Paulo ou qualquer outra grande cidade do mundo.
Por meio do ascensorista Dário, vivido por Maurício de Barros, que é uma espécie de narrador, a plateia conhece os moradores daquele prédio de classe média decadente: ao entrar no elevador para entrar ou sair de suas residências eles expressam o que há de mais sórdido no ser humano, a violência moral, personalizada no desprezo ao próximo, na soberba e na arrogância.

Peça: Refluxo, foto 2

Lavínia, Laerte e Maurício: dois moradores e o ascensorista do prédio

Desde a chegada o espectador se vê envolvido no clima da trama: são apenas 50 pessoas, que são conduzidas em grupos pelo elevador até o mezanino. Quando todos já estão reunidos, percebe-se que aquele já é o corredor do edifício e lá fora chove muito, com trovoada e raios. Em seguida a porta do elevador (cenográfico) se abre e o público entra e pode se sentar de frente para ele (a sensação que se tem é que os espectadores estão dentro do elevador, numa proximidade com a ação que se desenrola ali). Dário, em seguida, chega da rua com um pássaro na mão, percorre todo o corredor dos apartamentos, entra no elevador e faz um imenso prólogo:

Cavei um buraco no peito e enterrei um pássaro vivo. Ele fez um ninho bem em cima do meu fígado para ver se o que está doente em mim resolve pedir licença e sair”.

Com refluxo e sempre com vontade de vomitar, Dário conduz os moradores no elevador e aos poucos o público conhece cada um deles. Há desde Diva a decadente cantora de churrascaria, vivida por Lavínia Pannunzio, que ao falar dá risadas esganiçadas, Dona Corina (Agnes Zuliani), a velha solitária que espera pelo filho que nunca a visita, o arrogante escritor desempregado Túlio (Laerte Késsimos), a dondoca decadente e petulante, Dona Cleide (Patrícia Vilela), além de Seu Abreu (Carlos Morelli), o síndico afetado e preconceituoso e o jovem casal Leon (Felipe Ramos) e Helena (Sheila Faermann), que vive às turras, expressando violência física e moral antes das transas.

Para a dramaturga Angela Ribeiro, sua peça é um recorte da sociedade contemporânea, representado no elevador do prédio, que conduz “seres que de tão desprezíveis, com exceção de Dário, chegam a ser cômicos”. Já para o diretor, os personagens são destituídos de superego, o conjunto de forças morais inibidoras:

“Este é um texto forte, violento, cheio de quinas e curvas, o que nos encaminhou para um trabalho de composição de personagens com feições cubistas, para darmos conta de todas as características que existem neles e que coexistem, às vezes, em uma única fala”, esclarece Eric Lenate.

 

Peça: Refluxo, foto 4

Lavínia, Agnes e Laerte: personagens expressam o que há de mais sórdido das pessoas

O que mais me impressionou na montagem é como o espectador fica inserido na trama — ao entrar e sair o público percorre o espaço cênico. Impossível não detectar personagens da vida real ali expressos, espelhados. A crítica social é inevitável. Não consigo destacar um ou outro elemento da construção cênica: tudo — cenografia, visagismo, caracterização e maquiagem, iluminação, figurino, trilha sonora — concorre para a criação de um espetáculo de extrema beleza e impacto. Uma produção que retrata e critica a sociedade desta segunda década do século XXI com acuidade e firmeza. No entanto, a interpretação do elenco precisa ser ressaltada, todos impõem verdade e vigor a seus personagens, com Maurício de Barros, que conduz a trama, num dos grandes momentos de sua carreira. Imperdível; procure se organizar, já que a plateia é reduzida e a temporada se estende até início julho.

Peça: Refluxo, foto 3

Maurício de Barros numa grande atuação

Roteiro:
Refluxo
. Texto: Angela Ribeiro. Direção e arquitetura cênica: Eric Lenate. Elenco: Agnes Zuliani, Carlos Morelli, Felipe Ramos, Laerte Késsimos, Lavínia Pannunzio, Maurício de Barros, Patrícia Vilela e Sheila Faermann. Figurinos: Rosângela Ribeiro. Iluminação: Aline Santini. Trilha Sonora: L. P. Daniel. Direção audiovisual: Laerte Késsimos. Visagismo: Leopoldo Pacheco. Fotografia: Leekyung Kim. Produção executiva:  Munir Pedrosa. Produção: Daltrozo Produções. Realização: SESI-SP. Criação: Sociedade Líquida
Serviço:
Mezanino do Centro Cultural Fiesp (50 lugares), Av. Paulista, 1313, tel. 11 3528-2000. Horários: de quarta a sábado às 20h30; domingo às 19h30. Ingressos: gratuitos. Bilheteria: de quarta a sábado, das 13h às 20h30; domingos, das 11h às 20h. Duração: 80 min. Classificação: 14 anos. Mais informações: www.centroculturalfiesp.com.br. Temporada: até 2 de julho.


6 Comentários

Mauricio de Barros

maio 16, 2017 @ 21:46

Resposta

Muito obrigado, Mellone, por prestigiar nosso espetáculo e nos presentear com palavras tão lindas. E parabéns pelo site, está cada vez mais completo. Um grande trabalho de dedicação à arte. Valeu!!!!!

Abraços,
Mauricio de Barros

Maurício Mellone

maio 17, 2017 @ 08:52

Resposta

Xará,
que honra receber seu comentário tão elogioso!
Obrigado pelo incentivo e muito sucesso na temporada de
‘Refluxo’.
Abraços

Eric Lenate

maio 15, 2017 @ 17:27

Resposta

Muito obrigado, meu caro, por ter nos assistido e por ter se dedicado a nos contemplar com um olhar tão acurado e generoso!
Grande abraço!
Lenate.

Maurício Mellone

maio 16, 2017 @ 10:55

Resposta

Lenate,
fico honrado e muito feliz com seu
comentário elogioso!
Obrigado e muito sucesso na temporada para
‘Refluxo’
abrs

Fábio Mráz

maio 15, 2017 @ 15:52

Resposta

Maravilhoso! Realmente impactante e imperdivel!!!

Maurício Mellone

maio 15, 2017 @ 16:33

Resposta

Fábio,
q bom, temos a mesma opinião sobre o espetáculo dirigido
pelo Eric Lenate
bjs, obrigado pela visita

Deixe comentário

Deixe uma resposta para Eric Lenate Ou cancelar resposta

Deixe uma sugestão





Deixe uma sugestão

Indique um evento





Indique um evento