Peça: Salamaleque, foto 1

Salamaleque: resgate da saga de uma família de imigrantes sírios

De em fevereiro 3, 2015

Peça: Salamaleque, foto 1

Na peça, idealizada pela atriz, Valéria Arbex vive uma descendente de imigrantes árabes

Salamaleque, espetáculo solo idealizado e interpretado por Valéria Arbex em cartaz no Instituto Cultural Capobianco, desperta a curiosidade do público exatamente por ser inusitado: a plateia, constituída por apenas 40 pessoas, é convidada a participar da celebração de Elizete (vivida por Valéria). Tendo como cenário uma cozinha de um galpão abandonado da Rua Florêncio de Abreu, a personagem chega da rua e, ao perceber que os convidados já chegaram, desculpa-se pelo atraso e entra.
De maneira informal como se os espectadores estivessem com ela na cozinha que pertenceu a sua avó, Elizete começa a contar a saga da família, imigrantes sírios — e não turcos, ressalta — que começaram a chegar ao Brasil no período compreendido entre as duas guerras mundiais. O interessante é que enquanto conta a história familiar por meio das cartas de amor trocadas entre os avós, durante o noivado, ela prepara algumas comidinhas da culinária árabe, que ao final da história são degustados pelos presentes.

Peça: Salamaleque, foto 2

O texto é uma mistura de fatos reais da família da atriz com ficção

Os espectadores ficam presos à trama tanto pela linda história do casal como pelos aromas dos pratos e bebidas, preparados na hora. O texto, com dramaturgia de Alejandra Sampaio e Kiko Marques, tem como base as cartas que Valéria ganhou de sua mãe após a morte da avó; essas cartas revelam o romance entre Nadine e Nicolau, seus avós. Segundo ela, o espetáculo une as histórias familiares com uma vasta pesquisa realizada com descendentes de imigrantes sírios, libaneses e palestinos:

“A peça é uma colcha de retalhos de histórias que ouvi, da memória de minha família, da pesquisa gastronômica e histórica que fiz. No final, este trabalho é uma reverência aos imigrantes, é um caminho de volta à minha origem, um reencontro”, conta Valéria Arbex.

O que também me chamou a atenção no espetáculo é a correlação da experiência de vida da personagem com a de seus avós: se antigamente as cartas eram os meios de comunicação utilizados, hoje sãos os e-mails e mensagens eletrônicas, que Elizete troca com o cônsul que a ajuda traduzir as cartas. E o sentimento amoroso também nasce desta troca de correspondência contemporânea e tecnológica!

 

Peça: Salamaleque, foto 3

Valéria é dirigida pelos atores Denise Weinberg e Kiko Marques

A plateia paulistana geralmente é contida e reservada. Nesta peça isto fica evidente, pelo menos no dia em que assisti: como ao final a personagem convida a todos para experimentarem os pratos e diz que volta em seguida, os espectadores ficaram sentados, sem saber ao certo o que fazer. Foi preciso outra pessoa da produção entrar e reafirmar o convite para que todos fossem à mesa!
Além do horário diferenciado (sábados e domingos, às 16h) e o aspecto inusitado da montagem, Salamaleque se destaca pelo cenário envolvente de Chris Aizner, pela bela iluminação de Guilherme Bonfanti e pela direção sensível de Denise Weinberg e Kiko Marques, que por serem atores souberam deixar Valéria de maneira solta e espontânea em cena. A mistura de fatos reais e pessoais da atriz com ficção requer técnica e muita sensibilidade e Valéria desempenha este papel com maestria.
Uma dica final: como são apenas 40 lugares e os ingressos são gratuitos, reserve sua entrada antes de ir ao teatro: tel. 11 97499 4243 / email ciateatraldamasco@gmail.com.

 

Fotos: Lenise Pinheiro

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: