Filme: Sangue Azul, foto 1

Sangue Azul: com Daniel de Oliveira, filme exalta o amor e a fantasia

De em junho 30, 2015

Filme: Sangue Azul, foto 1

Daniel de Oliveira vive Zolah, o homem bala do Circo Netuno

Depois de percorrer festivais pelo mundo — foi o vencedor da mostra Première Brasil do Festival do Rio 2014 e esteve no Festival de Berlim deste ano, dentre outros —, finalmente chega aos cinemas do país Sangue Azul, o terceiro longa-metragem de ficção do diretor pernambucano Lírio Ferreira.
Em formato de fábula, o filme é constituído de um prólogo — em que se vê um barco chegando à ilha e o personagem de Daniel de Oliveira passa mal — e cinco partes: Homem bala, Insônia, Infância, Angústia e Lenda do Pecado. O barco traz a trupe do Circo Netuno que vai fazer uma temporada nesta ilha do nordeste brasileiro, onde Zolah (Daniel), o homem bala, nasceu e está de volta depois de 20 anos. Ao desembarcar, ele é recepcionado por Rosa e Raquel, a mãe e a irmã, interpretadas por Sandra Corveloni e Caroline Abras, e logo o espectador sente um clima diferente entre eles: é que a mãe, por temer uma relação incestuosa entre os filhos, entregou o garoto a Kaleb (Paulo César Peréio), o ilusionista do circo, e ficou só com a menina na ilha.

Filme: Sangue Azul, foto 2

Zolah (Daniel) e Raquel (Caroline Abras) são irmãos mas foram separados na infância

As belas cenas iniciais são da montagem do circo: sem uma palavra, só com o trabalho e o esforço de toda a trupe, a lona é levantada. A primeira sessão acontece e o número do homem bala é a grande atração da noite, para delírio da plateia. A trama se desenrola com os artistas do circo se interagindo com os ilhéus: Inox, vivido por Milhem Cortaz, considerado o homem mais forte do mundo, é desafiado no braço de ferro, o atirador de facas (Matheus Nachtergaele) se envolve em confusão depois de dançar com a namorada de outro e as garotas da ilha que se insinuam para a trupe, principalmente para Zolah, assim como os artistas sentem atração pelos nativos. A história de Kaleb também se destaca: além de rever velhos conhecidos, ele admite que está ficando cego e desaparece (misto de realidade e fantasia). A pequena (porém intensa) participação do cineasta Ruy Guerra é fundamental: na pele de um velho pescador, ele é como um oráculo, um sábio que transmite ensinamentos às crianças.
No entanto, o mote central do filme é a relação mal resolvida entre Zolah e Raquel, que hoje vive com Cangulo (Rômulo Braga). Ao se reencontrarem, a forte ligação vivida na infância vem à tona e eles precisam entender o que um sente pelo outro. Por terem vivido separados, hoje eles são muito diferentes: Raquel vive no mar (é mergulhadora e trabalha com turismo) e adora se isolar, ao passo que Zolah morre de medo do mar e, ao contrário da irmã, é expansivo e galanteador. Entre eles, além de Cangulo, tem a mãe, que ainda teme pelo incesto e ao mesmo tempo se culpa por ter separado os filhos — a cena em que Zolah visita a mãe é de uma emoção extrema e os dois atores têm uma atuação irrepreensível.

Filme: Sangue Azul, foto3

Paulo César Peréio e Sandra Corveloni têm atuações marcantes no filme de Lírio Ferreira

Com roteiro assinado pelo diretor em parceria com Sergio Oliveira e Fellipe Barbosa, Sangue Azul encanta o espectador, graças à mescla de realismo e fantasia e uma bela história de amor. Valeu a pena esperar: o filme foi rodado em 2012 em Fernando de Noronha, correu o mundo e só agora pode ser apreciado pelo grande público. Imperdível, uma das grandes produções brasileiras deste ano.

 

 

Fotos: divulgação

Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: