Livro: Senão eu atiro e outras histórias verídicas, foto 1

Senão eu atiro e outras histórias verídicas: contos de Leusa Araujo

De em abril 28, 2017

Livro: Senão eu atiro e outras histórias verídicas, foto 1

A jornalista e escritora paulistana tem obras de ficção e não ficção

Autora de obras de ficção (como Ordem, sem lugar, sem rir, sem falar, Scipione/10 e Náufragos emergentes: seis histórias ordinárias, Ópera Prima/09), e de não ficção, incluindo Convivendo em grupo: almanaque de sobrevivência em sociedade, Moderna/15, vencedor do Prêmio Jabuti/16, segundo lugar na categoria Didáticos e paradidáticos, Leusa Araujo acaba de lançar mais um livro de contos, Senão eu atiro e outras histórias verídicas, numa parceria da Editora Quelônio (versão impressa) e da Estratosfera (e-book).
Numa linguagem coloquial e direta, Leusa reuniu neste livro seis histórias cativantes, sendo três baseadas em experiências pessoais e três em casos judiciais que ganharam repercussão.

“Não é novidade partir da experiência ou de crimes e fatos reais. Talvez a diferença hoje é que a literatura pode mergulhar buscando a realidade, enquanto o jornalismo torna-se cada vez mais ficcional. Eu continuo, de certa forma, fazendo ‘reportagens’, mas com a liberdade de escavar até que surjam maneiras mais verdadeiras de entender o que se passou”, argumenta a escritora e jornalista.

Livro: Senão eu atiro e outras histórias verídicas, foto 2

Os contos ganharam versão impressa e e-book

Ao começar a ler, fui literalmente enredado nas histórias, graças ao poder de síntese e o tom coloquial e irônico dado por Leusa aos contos. O que me chamou a atenção também é que em quatro contos há tramas que correm paralelamente e em determinado momento elas se entrelaçam. No primeiro conto, Experiências extracorpóreas, além do enredo envolvente da narradora que fala de sua viagem astral (desligamento entre corpo e alma), há o relato do livreiro em Lisboa/Portugal, que conta sobre sua infância e seu problema de insônia, que é compartilhado com a narradora. Já em A gorda que caiu do céu, sobre o suicídio malsucedido da personagem do título, a escritora mescla o enredo central com a vida dos amigos que estão se divertindo num bar: o leitor vai montando o quebra-cabeça com as peças que são fornecidas alternadamente. Em Daiane, mais do que o relado da paixão adolescente, o que prende a atenção do leitor é como a vida da cabocla de Goiás e do garotão de São Paulo vão se entrelaçando mesmo que eles tenham se afastado. No conto A mendiga de Macuco, em que o desamparo e a hipocrisia das relações familiares são denunciados, também há o entrelaçamento ou pontos em comum entre dois personagens: ao lado da triste trajetória da mendiga Neiva, a narradora conta sobre o sumiço de seu tio Orfino, que abandonou a família. O final deste conto é surpreendente!
Em Senão eu atiro, o enredo policial prende a atenção do começo ao fim e o que envolve o pintor famoso e sua assistente Nanci fica em suspense até o ponto final da história. Em Iracema, que encerra o livro, Leusa mostra todo seu poder de concisão: em apenas duas páginas, o leitor conhece a história, o drama e a tristeza de uma família com a perda de um ente querido.

Livro: Senão eu atiro e outras histórias verídicas, foto 3

Leusa integra o núcleo de teledramaturgia da TV Globo

Não é por ser minha amiga desde os tempos da facu (como hoje a galera se refere aos cursos universitários), mas Leusa Araujo consegue transportar o leitor para dentro das histórias graças à sua escrita coloquial, leve e com um toque de ironia. Impossível abandonar seus contos assim que se começa a lê-los.

Ficha técnica:                                                         
Título: Senão eu atiro e outras histórias verídicas
Autora: Leusa Araujo
Editora: Quelônio (livro impresso), Estratosfera (e-book), 144 pgs
Preço: R$ 44 e R$ 15 (e-book)

 

Fotos: divulgação

 

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: