Peça: Sínthia, foto 1

Sínthia: segunda temporada do novo espetáculo da Velha Companhia

De em outubro 25, 2016

Peça: Sínthia, foto 1

Denise Weinberg com os atores que vivem seus filhos: Marcelo Diaz, Willians Mezzacapa, Kiko Marques e Marcelo Marothy

Depois do sucesso de público e de crítica do espetáculo CAIS ou Da Indiferença das Embarcações, a Velha Companhia está de volta com a peça Sínthia, resultado de dois anos de pesquisa e que acaba de estrear a nova temporada no Espaço dos Fofos até 14 de novembro.
Da pesquisa e do processo colaborativo entre os membros da Cia, Kiko Marques — que também assina a direção e é o protagonista da trama — criou o espetáculo tendo como base sua experiência de vida:

 

“Sempre partimos de algo pessoal. Desse flerte com a realidade e a memória, criamos a dramaturgia, que termina por descolar-se da memória. Fui esperado como menina por minha mãe, naquela época não se sabia o sexo do bebê até o nascimento.  A peça tem origem nesta experiência: de uma mulher encarcerada num mundo machista, do paradigma da repressão como forma de amor e da questão da identidade de gênero, resolvi criar uma obra que falasse de compaixão”, explica Kiko Marques.

 

Peça: Sínthia, foto 2

Denise e Kiko em interpretações emocionantes

A trama tem seu início em pleno período da ditadura militar no Brasil, nos anos 1960: o oficial do exército Luis Mário e sua mulher Maria Aparecida, interpretados por Henrique Schafer e Denise Weinberg, já tinham três filhos homens e na quarta gravidez de Maria todos esperavam por uma menina, que se chamaria Sínthia; mas veio outro garoto, Vicente, interpretado por Kiko Marques. A ação retrata a saga desta família de classe média, intercalando cenas do passado (com a participação do patriarca nas investidas paramilitares da época e o sofrimento de Maria em criar sua prole) e o presente, com o drama de Vicente em conciliar o cuidado da mulher e da filha (vividas por Virgínia Buckowski) sem poder se distanciar da mãe, que sofre de doença grave. A peça discute tanto as consequências do autoritarismo da ditadura na vida das pessoas como a questão da transgeneridade nos dias atuais. 

 

“O espetáculo fala de uma transformação necessária e sobre a incapacidade de aceitar aquilo que não se possui. Escrita em 2014, a obra se mostra atual e imprescindível pela maneira como a intolerância, alicerçada em certezas e interesses, vem se tornando o modo principal de nos relacionar tanto no campo pessoal como no social”, desabafa o dramaturgo.

Peça: Sínthia, foto 3

Virgínia Buckowski, que interpreta 2 papéis, ao lado de Denise

Com poucos objetos cênicos (assinados por Chris Aizner) que são manipulados pelo próprio elenco nas diversas mudanças de época, a montagem é centrada na composição e no drama dos personagens. Está aí o grande destaque do espetáculo, graças à interpretação visceral e tocante da grande atriz Denise Weinberg, que divide a cena primeiramente com Henrique Schafer e depois com Virgínia Buckowski e os filhos, vividos por Willians Mezzacapa, Marcelo Marothy, Marcelo Diaz e Kiko Marques.

A história é emocionante e envolve o espectador; no entanto, poderia ter sofrido um corte e ficar mais enxuta e concisa, o que só traria benefícios para o resultado final. Mesmo assim, o espetáculo é impactante e prova como o envolvimento da equipe durante todo o processo de criação é fundamental para a melhor realização de uma obra teatral.

 

 

 

Fotos: Lenise Pinheiro                                                                                                                         

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro

2 Comentários

Kiko Marques

outubro 30, 2016 @ 01:26

Resposta

Obrigado, Maurício pelas palavras e pelo olhar.

Maurício Mellone

outubro 31, 2016 @ 10:39

Resposta

Kiko,
Obrigado pela visita
Sucesso na segunda temporada de ‘Sinthia’
abrs

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: