RSS FACEBOOK TWITTER

Sit Down Drama: peça discute limite do humor e da liberdade de criação


Peça: Sit Down Drama, foto 1

Danilo Grangheia é o protagonsita Alves De, que contracena com Chris Couto e Caco Ciocler

Um comediante em crise depois de ter feito uma piada num programa de TV que não foi bem recebida pelos espectadores sofre todo tipo de pressão e entra em depressão profunda. Este o mote central da peça Sit Down Drama, que acaba de estrear no SESC Consolação, com um elenco de 12 atores, dentre eles Danilo Grangheia, Caco Ciocler, Chris Couto e Noemi Marinho, e marca a parceria de dois discípulos do CPT (Centro de Pesquisa Teatral do SESC), dirigido por Antunes Filho: a dramaturga Michelle Ferreira e o diretor Eric Lenate.

Peça: Sit Down Drama, foto 2

Alves De (Danilo) com a ex-mulher (Chris), o melhor amigo (Caco) e a vendedora de balas, vivida por Veronica Ned

 

A peça tem início com um famoso comediante brasileiro, Alves De (Danilo Grangheia), diante de um grande telão em que são projetadas imagens difusas e que antecipam o drama que ele viverá. Depois de uma turnê aos países escandinavos, o humorista é convidado a participar de um programa de TV muito popular e, em sua apresentação, uma de suas piadas não só desagrada a opinião pública como transforma sua vida. Alves De começa a ser pressionado, sofre de crise de criação — e consequentemente entra em depressão — e vira o bode expiatório da sociedade.
A pressão que o humorista recebe vem tanto da ex-mulher e jornalista, interpretada por Chris Couto, que inclusive usa o escândalo para se beneficiar profissionalmente, como do melhor amigo, vivido por Caco Ciocler, que não entende as razões da tristeza e da depressão do comediante. A reação popular também é grande e assusta o comediante. A única que o apoia (incondicionalmente) é a mãe (Noemi Marinho), que sempre ri de suas piadas e não o abandona, seja qual for a situação por que o filho passa.

 

“O texto é irônico e cheio de sarcasmo, em que os personagens dizem coisas uns para os outros sem rodeios. Michelle, com esta peça, consegue ser crítica com empatia. Nossa montagem procura discutir o humor e seus limites, além da atitude de perseguir as pessoas nessa época de tanta interação nas mídias sociais”, esclarece o diretor Eric Lenate.

 

Com um cenário despojado (poucos elementos, mas funcionais dentro da trama) e a interação do telão com a ação no palco — a cena da saída de Alves De da prisão é impactante — Sit Down Drama provoca reflexão na plateia, mesmo que de maneira ácida e com um personagem tão depressivo.

 

 

Fotos: Leekyung Kim

, , , ,

Maurício Mellone

Como jornalista — tendo atuado em rádio, TV, jornal, revistas e assessoria de imprensa —, a palavra sempre foi minha matéria prima. No entanto, desde 2000 venho cultivando o plano B, ou seja, mantenho no meu velho PC um arquivo com meus escritos, que na verdade já era um pré-blog. Lá, deixo fluir a imaginação para que a linguagem inclusive ganhe novos contornos.


Ver todos os posts de Maurício Mellone »

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta