Tutankáton: texto sobre Egito antigo critica o pensamento único

De em agosto 21, 2019

Peça: Tutankáton, foto 1

Elenco: Monalisa Silva, Bete Coelho, Samuel de Assis, Daniel Infantini, Reynaldo Machado, Augusto Pompeo e Rogério Brito

Para homenagear o jornalista e dramaturgo Otavio Frias Filho, morto há um ano, a diretora Mika Lins resolveu montar pela primeira vez Tutankáton, em cartaz no SESC Avenida Paulista, peça escrita por ele em 1990 e que retrata o período de reinado do faraó, por volta de 1300 aC, e que ficou conhecido como o governante que restaurou o politeísmo no Egito antigo.

 

 

De acordo com a diretora, a peça é muito atual, pois trata da incapacidade de as pessoas saberem conviver e da tentativa de se impor um pensamento único. Com Bete Coelho como atriz convidada, o elenco, formado por atores negros, é liderado por Samuel de Assis, como Tutankáton, que divide o palco com Augusto Pompeo, Rogério Brito, Daniel Infantini, Monalisa Silva e Reynaldo Machado.

Peça: Tutankáton, foto 2

Bete Coelho na pele da vidente

 

 

Numa sala retangular, comprida, a plateia de 65 pessoas fica diante de caixas de madeira, espalhadas pelo chão e penduradas no teto, com objetos de antigas civilizações. Com estes elementos cênicos, assinados por Laura Vinci e Flora Belotti, o espectador se sente em pleno Egito antigo. A responsável pelo prólogo é a vidente cega, vivida por Bete Coelho, que anuncia a trama, comparando o período dos faraós e o atual:

 

 

Deixai que o espírito do tempo se instale esta noite entre nós, abandonai-vos a sua magia e a seu comando inexorável. Sentireis a brisa de eras distantes quando o mundo ainda não era o mundo, embora girasse inutilmente como hoje.

 

A ação da peça se passa no reinado do jovem Tutankáton, que herdou o trono de seu pai Akenáton, governante que promoveu uma revolução que alterou costumes ao instaurar o monoteísmo numa sociedade politeísta. Ao assumir seu posto, Tutankáton encontra seu povo dividido, revoltado e prestes a entrar em guerra. Para conter os ânimos dos súditos, o jovem faraó extingue a obrigatoriedade de adoração ao deus único Áton, instituído por seu pai, e restitui o culto pagão a vários deuses, devolvendo a paz a seu povo. Muda seu nome para Tutankámon, que significa a imagem viva de Amon, pai dos demais deuses do panteão.

 

Peça: Tutankáton, foto 4

Samuel na pele do faraó: grande atuação

 

“Nosso espetáculo se passa exatamente nesse momento, quando o povo egípcio insatisfeito insurge. O texto faz muito sentido hoje, um período de intolerância e que se tenta impor um pensamento único”, esclarece Mika Lins.

 

 

 

 

 

Numa produção impecável — figurinos de grande impacto assinados por Joana Porto, iluminação de Caetano Vilela e trilha de Marcelo Pellegrini que pontuam a trama —, o destaque maior de Tutankáton fica para a concepção cênica de Mika Lins, além da interpretação marcante de todos os atores, principalmente de Samuel de Assis, Bete Coelho, Rogério Brito e o veterano Augusto Pompeo. Destaque ainda para a maquiagem: traços dourados na pele dos atores acentuam o período da trama, com ênfase aos soberanos Tutankáton e Ankesen (Monalisa Silva), que trazem as extremidades dos dedos das mãos douradas. Sem dúvida um dos grandes espetáculos do ano. Imperdível, corra que a temporada é curtíssima.

 

 

Peça: Tutankáton, foto 5

Soberanos com dedos das mãos dourados

Roteiro:
Tutankáton. Texto: Otávio Frias Filho. Direção: Mika Lins. Assistente de direção: Daniel Mazzarolo. Elenco: Samuel de Assis, Augusto Pompeo, Rogério Brito, Daniel Infantini, Monalisa Silva e Reynaldo Machado; atriz convidada: Bete Coelho. Cenografia: Laura Vinci e Flora Belotti. Iluminação: Caetano Vilela. Musica original: Marcelo Pellegrini. Fotografia: Edson Kumasaka. Maquiagem: Alle Lucas. Produtor executivo: Fernando Azevedo. Direção de produção: Dani Angelotti. Realização: SESC.
Serviço:
Sesc Avenida Paulista (64 lugares), Av. Paulista, 119, tel. 11 3170.0800. Horários: de quinta a sábado às 21h; domingo às 18h. Ingressos: R$ 40, R$ 20  e R$ 12. Bilheteria: de terça a sábado, das 10h às 22h; domingo e feriado, das 10h às 19h. Duração: 90 min. Classificação: 14 anos. Temporada: até 01 de setembro.

Marcos Zaccharias Publicitário
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: