Peça: Quem tem medo de Virginia Woolf, foto 1

Zezé Polessa e Daniel Dantas protagonizam clássico de Edward Albee

De em maio 21, 2014

Peça: Quem tem medo de Virginia Woolf, foto 1

Zezé Polessa e Daniel Dantas vivem o casal que recebe os jovens para um drinque, interpretados por Erom Cordeiro e Ana Kutner

Peça do norte-americano Edward Albee escrita nos anos 60 (estreou em outubro de 1962 na Broadway), Quem tem medo de Virginia Woolf? faz uma verdadeira radiografia sobre a vida conjugal. A trama, em cartaz no Teatro Raul Cortez até final de julho, mostra Marta e Jorge, interpretados por Zezé Polessa e Daniel Dantas, casados há mais de 20 anos chegando de uma festa da casa do pai dela, o reitor da universidade em que Jorge é professor. O clima de animosidade entre eles já fica latente desde a primeira cena e o mau humor de Jorge só aumenta quando Marta diz que convidou o jovem casal Nick e Mel (vividos por Erom Cordeiro e Ana Kutner) para mais um drinque. Ao chegar, os visitantes notam o mal estar entre os anfitriões e, com o aumento do nível alcoólico entre todos os presentes, verdades, traumas, conflitos, traições e desavenças passam a ser a tônica deste inusitado encontro de casais.
Se num primeiro momento o tom do enredo de Albee é realista, quando o efeito do álcool começa a agir sobre os quatro personagens, tudo se transforma. Marta e Jorge vivem uma relação desgastada, entre o amor e o ódio, e na medida em que a noite avança, a ilusão e o mistério que envolve o casal tomam à frente das discussões. Com os jovens acontece o mesmo: no início eles passam a impressão de um casal harmonioso e sadio, mas aos poucos, influenciados pelo jogo sedutor e perverso dos mais velhos, eclode a mentira que nutre aquela relação.

Peça: Quem tem medo de Virginia Woolf, foto 2

Sob efeito do álcool, os personagens tiram suas máscaras

Esta é a quarta montagem de Quem tem medo de Virginia Woolf? no Brasil — , Cacilda Becker e Walmor Chagas a encenarem em 1966, Tônia Carrero e Raul Cortez em 1978 e Marieta Severo e Marco Nanini em 2000 — e, de acordo com o diretor, nestes 52 anos este texto de Edward Albee (e a sua dramaturgia) colaborou para a mudança ocorrida na sociedade em relação à mulher, ao homem, ao casamento, à família e à liberdade das pessoas na busca da felicidade. Ao mostrar os podres e a teia de mentiras e traições em que os dois casais vivem, esta peça provoca o espectador, que é obrigado a reavaliar a sua relação afetiva e emocional.

Uma curiosidade desta montagem é que Zezé e Daniel já foram casados (estão separados há anos), o que ajuda muito a cumplicidade em cena, e quem assina a tradução do texto é o filho deles, João Polessa Dantas. Destaque para a iluminação de Maneco Quideré e cenografia e direção de arte de Gringo Cardia.

 

Fotos: João Caldas

Uba
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Favo do Mellone

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: