28º Festival Mix Brasil: programação online e gratuita, de 11 a 22/11

De em novembro 6, 2020

Como ocorreu com a maioria dos festivais de cinema e demais eventos culturais deste ano em razão da pandemia da Covid-19, o 28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade será com transmissão online. Com toda programação gratuita, o evento reúne 101 filmes de 24 países, seis espetáculos inéditos de teatro, shows musicais, seminário de literatura, laboratório audiovisual e mesas de discussões sobre temas relevantes voltados para a comunidade LGBTQIA+.

 

A abertura do festival será na próxima quarta, dia 11 de novembro, com o show da cantora Linn da Quebrada, seguido da exibição do filme argentino As mil e uma, da diretora Clarisa Navas. Toda a programação poderá ser acessada pelo site da mostra e os filmes poderão ser assistidos nas plataformas digitais InnSaei (innsaei.tv), Sesc Digital (sesc.digital/home) e  Spcine Play (spcineplay.com.br/).

 

 

Linn-da-Quebrada

Num ano tão atípico na história da humanidade em virtude da pandemia provocada pelo coronavírus que já matou mais de 1 milhão e 200 mil pessoas no mundo (só no Brasil são mais de 161 mil vítimas), os eventos culturais sofreram muito, com teatros, cinemas e casas de espetáculos fechados por mais de sete meses. Entretanto os artistas e produtores estão criando alternativas para que o público tenha acesso novamente às atividades culturais. As transmissões online são as principais opções. É o caso do Festival Mix Brasil, em que a maioria da programação será online, mas haverá também algumas atrações com a presença do público, cumprindo-se os protocolos.

 

 

 

Josi Geller e André Fischer dirigem o Festival

“Iremos sentir falta do calor humano e dos encontros antes das sessões, mas o lado bom é a democratização do conteúdo, pois o Festival neste ano estará em todo Brasil”, esclarece Josi Geller, diretora executiva.

 

 

 

 

 

Já o diretor do festival se apega ao logotipo do evento como um sinal de força e estímulo:

 

 

 

“Encontramos essa potência na imagem da figa, símbolo-gesto europeu apropriado pelas religiões brasileiras de matriz africana. A comunicação visual desse ano surge a partir de trabalho original de Felippe Moraes, que o reproduziu especialmente para o festival nas mãos de diversas pessoas”, atesta André Fischer.

 

 

As mil e uma, filme da argentina Clarisa Navas

Destaques da programação
O filme As mil e uma abre o festival deste ano, uma produção argentina da diretora Clarisa Navas. A trama é um retrato contemporâneo da periferia de Corrientes: Iris (Sofia Cabrera) conhece Renata (Ana Carolina Garcia), uma mulher jovem com um passado difícil, e imediatamente se sente atraída por ela. Iris e seus amigos superam medos e lutam contra a intolerância ao seu redor para viverem seus primeiros amores e experiências sexuais.

 

 

 

 

I carry you with me – filme de Heidi Ewing

 

Da produção internacional de longas-metragens, destaque ainda para filmes que participaram de importantes festivais do mundo, como The World to Come/EUA, de Mona Fastvold, Verão de 85/França, de François Ozon, A morte virá e levará seus olhos/Chile, de José Luis Torres e I carry you with me /EUA, México, de Heidi Ewing, vencedor do prêmio do público em Sundance.

 

 

 

 

Para onde voam as feiticeiras, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral

Filmes brasileiros

A produção nacional presente ao Festival conta com nove longas-metragens, a maioria deles em sua primeira exibição. Destaque para A Torre/MG, de Sérgio Borges, Mães do Derick/PR de Dê Kelm, Vento Seco/GO, de Daniel Nolasco e Para onde voam as feiticeiras/SP, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral.

 

 

 

 

 

Terra sem pecado– documentário sobre a diversidade sexual entre os índios brasileiros

 

Dos curtas-metragens que serão exibidos no evento, a mostra competitiva do Brasil conta com 13 filmes de 7 estados, além de outros 48 trabalhos nacionais e 20 estrangeiros. Na competitiva os filmes foram agrupados por temas: Corpos Cênicos, Golden Girls & Boys, Identidade e Política, Inconciliáveis, Mix Jovem, Mulheres Alfa, Nós Duas, Sagrades, Sexy Boyz, SP Mix, Tensão em Família e Crescendo com a Diversidade.

 

 

 

 

 

 

Wonder! Vem pra Barra Pesada! – peça de Rafael Carvalho e Wallie Ruy sobre a trajetória de Claudia Wonder.

O Festival Mix Brasil também contempla o teatro; neste ano serão apresentadas seis peças inéditas, que concorrerão a prêmios do júri e do público. Destaque para Meta-me – um dossiê de ode ao júbilo, solo de  Bruno Canabarro sobre amor próprio e paixão homoerótica, O armário normando, que explora as manifestações da pornografia, com direção e performance de Janaina Leite e André Medeiros Martins, Rainha de Guilherme Gonzalez e atuação de Sérgio Rufino, sobre um septuagenário que decide concorrer ao título de rainha da bateria e Wonder! Vem pra Barra Pesada!, de Rafael Carvalho e Wallie Ruy, espetáculo do teatro Oficina inspirado na trajetória de Claudia Wonder.

 

 

O evento traz ainda atrações literárias (mesas de discussões sobre o mercado editorial voltado para a comunidade LGBTQIA+), shows musicais com a presença da cantora, compositora e instrumentista Bia Ferreira, do cantor e compositor Jaloo e de Martte, considerado uma das grandes apostas do mercado fonográfico nacional. Acompanhe tudo pelo site oficial do festival.

 

 

 

 

Roteiro:
28° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade
. Mostra com 101 filmes de 24 países, além de teatro, música, literatura e conferências. De 11 a 22 de novembro. Gratuito. Filmes transmitidos pelas plataformas InnSaei (innsaei.tv), Sesc Digital (sesc.digital/home),  Spcine Play  (spcineplay.com.br/).
Programação completa: mixbrasil.org.br 

 

Fotos: divulgação

 

Tório 2
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
28º Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: