Filme: Além das Montanhas, foto 1

Além das Montanhas: o opressivo interior de um monastério na Romênia

De em janeiro 21, 2013

Filme: Além das Montanhas, foto 1

Cosmina Stratan e Cristina Flutur vivem as amigas que se reencontram no monastério do padre, vivido por Valeriu Andriuta

Vencedor da Palma de Ouro do Festival de Cannes 2007 com 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, o diretor romeno Cristian Mungiu novamente foi agraciado com dois prêmios em Cannes no passado com o filme Além das Montanhas (Dupa Dealuri): melhor atriz para as duas protagonistas Cosmina Stratan, Cristina Flutur e melhor roteiro.
Se no primeiro filme o tema era polêmico e ligado à mulher — o aborto —, neste tanto a polêmica como o enfoque feminino permanecem. Duas amigas que na infância se conheceram num orfanato voltam a se encontrar, agora num vilarejo do interior da Romênia. Alina (Cristina Flutur) chega de um período na Alemanha e é recepcionada na estação de trem por Voichita (Cosmina Stratan). Mas já no primeiro abraço Alina percebe que algo mudou na relação delas: Voichita se incomoda com a demonstração de tanto afeto da amiga em lugar público. Pegam o ônibus e a distância entre elas é visível: só no monastério Alina constata que sua amiga quer mesmo se tornar uma freira, já que no quarto elas não dormirão juntas!
Não bastasse certa frieza da relação, Alina começa a vivenciar o cotidiano do monastério e ter de seguir as regras rigorosas, autoritárias e ortodoxas implantadas pelo padre, interpretado por Valeriu Andriuta. O fanatismo religioso só é contestado pela nova integrante do grupo, formado só por freiras e noviças.

Filme: Além das Montanhas, foto 2

Voichita (Cosmina Stratan) deseja se tornar freira e Alina (Cristina Flutur) não se conforma e tenta convencê-la a deixar o monastério

 

Mesmo não concordando com o sistema de vida do monastério — não há luz elétrica e todas as tarefas são executadas pelas mulheres e da maneira mais rudimentar possível, em pleno século XXI —, Alina tenta se adequar às regras e até submete-se ao ritual da confissão ( a lista dos pecados é infindável!). No entanto, a opressão é muito grande, ela surta e tem um ataque de histeria. É hospitalizada, mas ao voltar não vê diferença alguma e contesta com veemência o comando do padre, que acredita que ela esteja possuída pelo demônio. O tratamento imposto à garota vai culminar num desfecho traumático.

 

O diretor, que também assina o roteiro, optou por não tomar partido na polêmica situação criada no monastério. Apresenta o conflito, mas não se posiciona. O fanatismo religioso e o fundamentalismo também são pouco questionados e a relação homoafetiva entre Alina e Voichita é apenas insinuada. O filme retrata uma opressão incomensurável, sem que haja um contraponto à tamanha violência, o que me provocou um distanciamento e certa aversão. Alguns podem pensar que provocar esta reação é ponto favorável, mas me desagradou profundamente.

Filme: Além das Montanhas, foto 3

A relação afetiva entre as duas amigas é apenas insinuada no filme; as atrizes dividiram o prêmio de melhor atriz do Festival de Cannes/12

 

 

Entretanto, a interpretação, tanto das atrizes Cosmina Stratan e Cristina Flutur como de Valeriu Andriuta, é sem dúvida o ponto forte de Além das Montanhas. Mas confesso que saí da sala de exibição um tanto incomodado com tanta opressão.

Fotos: divulgação

Favo do Mellone
Site Aplauso Brasil, especializado em Teatro
Marcos Zaccharias Publicitário

Deixe comentário

Deixe uma sugestão

Deixe uma sugestão

Indique um evento

Indique um evento

Para sabermos que você não é um robô, responda a pergunta abaixo: